Home » Artes » Arte e Arquitetura da Mesopotâmia

Arte e Arquitetura da Mesopotâmia

1. INTRODUÇÃO

Arte e arquitetura da Mesopotâmia, foi o conjunto de obras realizadas pelas civilizações do antigo Oriente Médio que habitaram a região compreendida entre os rios Tigres e Eufrates, atual Iraque, desde a pré-história até o século VI a.C.

As terras baixas da Mesopotâmia abarcam a planície fértil, porém seus habitantes tiveram que enfrentar o perigo das invasões, as extremas temperaturas atmosféricas, os períodos de seca, as violentas tormentas e os ataques das feras.

Sua arte reflete, ao mesmo tempo, sua adaptação e seu medo destas forças naturais, assim como suas conquistas militares. Estabeleceram núcleos urbanos nas planícies, cada um dominado por um templo, que foi o centro do comércio e da religião, até que foi desbancado em importância pelo palácio real.

O solo da Mesopotâmia proporcionava o barro para o adobe, material de construção mais importante desta civilização. Os mesopotâmicos também fizeram a cozedura da argila para obter terracota, com a qual fizeram cerâmica, esculturas e tábuas para a escrita. Conservaram-se poucos objetos de madeira. Na escultura, empregaram ainda basalto, arenito, diorita, alabastro e alguns metais, como o bronze, o cobre, o ouro e a prata, bem como o nácar e as pedras preciosas nos trabalhos mais finos e de incrustação. Pedras como lápis-lazúli, jaspe, alabastro e hematitas foram igualmente usadas nos selos cilíndricos, marca pessoal usada em correspondências e documentos.

A arte da Mesopotâmia abrange uma tradição de 4.000 anos que, em estilo e iconografia, é aparentemente homogênea. De fato, foi criada e mantida pelas ondas de povos invasores, diferentes tanto étnica como lingüisticamente. Até a conquista pelos persas, no século VI a.C., cada um desses grupos fez sua própria contribuição à arte mesopotâmica.

O povo sumério foi o primeiro a controlar a região e desenvolveu a arte, seguidos pelos acádios, os babilônios e os assírios. O controle político mesopotâmico e suas influências artísticas se estenderam às culturas vizinhas, chegando inclusive, em certas ocasiões, a regiões tão distantes como a costa sírio-palestina, de modo que também os motivos artísticos dessas áreas longínquas influíram nos centros mesopotâmicos. Além disso, os demais povos que invadiram o local recolheram tradições artísticas mesopotâmicas.

2. O PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

Os períodos neolítico e calcolítico da arte mesopotâmica (c. 7000 a.C.-c. 3500 a.C.), anteriores à aparição definitiva da escrita, são designados pelo nome de seus depósitos arqueológicos: no norte, Hassuna, onde têm sido achadas algumas moradas e cerâmicas pintadas; Samarra, cujos desenhos abstratos e figurativos das cerâmicas parecem ter significado religioso; e Tell Halaf, onde se fez cerâmicas decoradas e estatuetas de mulheres sentadas, interpretadas como deusas da fertilidade.

No sul, os primeiros períodos recebem as denominações de El-Obeid (c. 5500-c. 4000 a.C.) e antigo e médio Uruk (c. 4000-c. 3500 a.C.). A cultura de El-Obeid se caracteriza pela cerâmica brilhante decorada em negro encontrada na localidade, ainda que existam exemplos posteriores em Ur, Uruk, Eridu e Uqair. Também surgiram nessa época os zigurates, ou torres escalonadas, típicas construções religiosas da Mesopotâmia.

3. O PERÍODO PROTODINÁSTICO OU ÉPOCA DO DINÁSTICO ARACAICO

A primeira época histórica do domínio sumério se estendeu aproximadamente de 3000 a.C. até 2340 a.C. Ao mesmo tempo que continuaram as antigas tradições construtivas, introduziu-se uma nova tipologia arquitetônica: o templo oval, recinto com uma plataforma central que sustenta um santuário.

As cidades-estado, dirigidas por governantes ou soberanos que não eram considerados seres divinos, localizavam-se em Ur, Umma, Lagash (atual Al-Hiba), Kis e Eshnunna (atual Tell Asmar). Muitos dos objetos feitos nesse período são comemorativos: relevos que descrevem cenas de banquetes, celebrações de vitórias militares ou construções de templos. Vários deles, como a esteira de calcário litográfico do rei Eannatum de Lagash, eram utilizados, freqüentemente, como limites.

Nos selos cilíndricos talhados, assim como na escultura de metal, os temas mitológicos são os motivos mais comuns de representação. Num grande relevo em cobre do templo de El-Obeid (c. 2340 a.C.), uma águia com cabeça de leão e asas estendidas se lança sobre dois cervos.

As figuras, metade homem, metade touro, foram motivos destacados. A escultura suméria, geralmente de alabastro, exibe uma grande variedade de estilos e algumas de suas formas geométricas são muito expressivas. Incluem figuras de oferendas, sacerdotes ou governantes, algumas do sexo feminino. No templo de Abu, em Tell Asmar, foram encontradas 12 delas. Estas esculturas de pedra (c. 2740 a.C.-2600 a.C.), com seus braços dispostos diante do peito com as mãos juntas, têm olhos enormes, redondos e saltados, de olhar fixo, feitos com conchas marinhas e calcário negro.

A arquitetura desse período, em Mari (atual Tell Hariri, Síria), mostra influências da área ocidental da Mesopotâmia.

4. O PERÍODO ACÁDIO

Os povos semitas acádios alcançaram gradualmente o domínio da zona em fins do século XXIV a.C. Durante o reinado de Sargon I o Grande, aproximadamente entre 2335 a.C. e 2279 a.C., estenderam seu domínio sobre a Suméria, unificando toda a Mesopotâmia. Ainda que subsistam poucos vestígios de sua arte, os restos conservados são dotados de excelência técnica e forte energia.

Nas cidades acádias de Sippar, Assur, Eshnunna e Tell Brak e em sua ainda não encontrada capital, Acad, o palácio era o edifício mais importante, em substituição ao templo. Uma magnífica cabeça de cobre de Nínive, que representa, provavelmente, Naramsin, enfatiza a nobreza dos soberanos acádios, que assumiram o aspecto de semideuses.

5. O PERÍODO NEO-SUMÉRIO

Depois de um século e meio, o império Acádio caiu sob o domínio dos gutis, povos nômades que não centralizaram seu poder. Isto permitiu que as cidade sumérias de Uruk, Ur e Lagash se reorgazissem, iniciando o período neo-sumério ou terceira dinastia de Ur (c. 2121-2004 a.C.). Em Ur, Eridu, Nippur e Uruk, foram construídos impressionantes santuários, que incorporavam zigurates feitos com tijolos e adobe.

6. O PERÍODO ARCAICO BABILÔNIO OU PERÍODO PALEOBABILÔNICO

Após o declive da civilização suméria, a Mesopotâmia foi uma vez mais unificada por governantes semitas (c. 2000-1600 a.C.), como Hamurabi da Babilônia. De Mari procede a arte mais original desse período, incluindo arquitetura, escultura, artesanato em metal e pintura mural. Os pequenos frisos de Mari e de outras cidades mostram cenas da vida cotidiana, com músicos, lutadores, carpinteiros e camponeses. Tais representações são muito mais reais que as da solene arte religiosa ou oficial.

Os casitas, de origem mesopotâmica, que apareceram na Babilônia pouco depois da morte de Hamurabi, no ano 1750 a.C., substituíram os governantes anteriores até 1600 a.C. e adotaram a cultura e a arte mesopotâmicas. Os elamitas do oeste do Irã destruíram o reino casita em 1150 a.C. e sua arte parece uma imitação rudimentar dos primeiros estilos mesopotâmicos.

7. O IMPÉRIO ASSÍRIO

A história da arte primitiva assíria data do século XVIII ao XIV a.C., mas é pouco conhecida. A arte do período assírio médio ou mesoassírio (1350 a.C. a 1000 a.C.) mostra sua dependência das tradições estilísticas babilônicas.

Os temas religiosos são apresentados de uma forma solene e as cenas profanas, de maneira mais naturalista. O zigurate foi a principal forma de arquitetura religiosa assíria e o uso de tijolos vitrificados policromáticos, muito comum nessa fase.

A arte assíria genuína teve sua época fulgurante no período neoassírio ou período assírio tardio (1000-612 a.C.). Com Assurbanipal II, que converteu a cidade de Nimrud (antiga Calah da Bíblia) em capital militar. Dentro de seus muros, encontravam-se a cidadela e as principais construções reais, como o palácio do noroeste, decorado com esculturas em relevo. Sargon II, que reinou entre 722 e 705 a.C., criou uma cidade de planta nova, Dur Sharrukin (atual Jorsabad), que estava rodeada por uma muralha com sete portas, três delas decoradas com relevos e tijolos vitrificados. No interior, erguia-se o palácio de Sargon, um grande templo, as residências e os templos menores. Seu filho e sucessor, Senaqueribe, que reinou entre os anos de 705 e 681 a.C., mudou a capital para Nínive, onde construiu seu próprio palácio, o qual denominou “palácio sem rival”.

Os assírios adornaram seus palácios com magníficos relevos esculturais. A arte dos entalhadores de selos do último período assírio é uma combinação de realismo e mitologia. Mesmo nas cenas naturalistas, aparecem símbolos dos deuses. Datam desse período, em Nimrud e em Jorsabad, fabulosas esculturas de marfim. Na primeira, foram econtradas milhares de pequenas figuras de elefantes, que manifestam uma grande variedade de estilos.

8. AS ARTES SÍRIA, FENÍCIA E PALESTINA

Por encontrarem-se a Síria, a Fenícia e a Palestina na rota terrestre entre a Ásia Menor e a África, a arte antiga destas regiões mostra a influência dos povos que as conquistaram, as atravessaram ou comercializaram com seus habitantes.

Foram encontrados selos cilíndricos mesopotâmicos do período artístico Jemdet Nasr tanto na cidade israelense de Megido como em Biblos, capital da Fenícia. Posteriormente, os hurritas do norte da Síria especializaram-se no estalhe desses selos. A cerâmica, os trabalhos em pedra e os escaravelhos do século XXIX a.C. foram influenciados pela arte egípcia. As estatuetas de bronze encontradas em Biblos, assim como os punhais e outras armas cerimoniais, do início do segundo milênio a.C., são já marcadamente fenícios.

Ainda que os motivos utilizados pelos artistas locais procedam de mais além do que de sua região imediata (Creta, Egito, Império Hitita e Mesopotâmia), a técnica empregada nos objetos artísticos encontrados em Biblos e Ugarit, com todo seu significado cultural, é especialmente fenícia. Os ourives fenícios foram adestrados artesãos, porém a qualidade de seu trabalho dependia da sensibilidade da clientela. Quiçá graças à competência egípcia, o trabalho em marfim foi sempre excelente.

Os fenícios venderam suas mercadorias por todo o Oriente Médio e a expansão de sua iconografia e de seu alfabeto podem ser atribuídos ao fato de terem sido grandes comerciantes da Antigüidade.

9. O PERÍODO NEOBABILÔNICO

A criatividade neobabilônica se manifesta em sua arquitetura, principalmente na Babilônia, capital do reino, que alcançou seu máximo esplendor entre 626 a.C. e 539 a.C. Essa enorme cidade, destruída em 689 a.C. por Senaqueribe, rei da Assíria, foi reconstruída por iniciativa do rei Nabopolasar e de seu filho Nabucodonosor II. Esagila, o templo de Marduk, foi seu edifício mais notável, juntamente com Etemenanki, um zigurate, aproximadamente de sete andares, conhecido mais tarde como a Torre de Babel.

Também se sobressaía o palácio de Nabucodonosor II, uma das sete maravilhas do mundo. A Porta de Istar (c. 575 a.C.) é uma das poucas estruturas conservadas. O último rei babilônio, Nabônido, cujo reinado se estendeu entre os anos 556 a.C. e 549 a.C., reconstruiu a antiga capital suméria de Ur, incluindo o zigurate de Nanna, que competia em esplendor com o zigurat de Etemenanki, na Babilônia. No ano de 539 a.C., o reino neobabilônico caiu sob o domínio de Ciro o Grande, rei aquemênida dos persas.

Por: Ederson Soares Uva


Veja também:



Comente:



Receba atualizações do site:

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o