Home Biografias > Benjamin Franklin

Benjamin Franklin

Impressor americano, autor, diplomata, filósofo, e cientista que por suas muitas contribuições para a causa da Revolução americana, e para o governo federal recentemente formado, o colocam entre os maiores estadistas do país.

Franklin nasceu em 17 de janeiro de 1706, em Boston. O pai dele, Josiah Franklin, merceeiro , teve 17 crianças; Benjamim foi a 15ª criança e o 10º filho. A mãe dele, Abiah Folger, foi a segunda esposa do pai dele. Os Franklin viviam em circunstâncias modestas, como a maioria dos moradores da Nova Inglaterra da época. Depois de freqüentar a escola dos oito aos dez anos de idade  Benjamim foi levado para trabalhar no negócio do pai dele. Achando o trabalho em que estava muito chato,  ele foi trabalhar de cuteleiro. Com a idade de 13 anos ,ele estava empregado como aprendiz  com seu  irmão James  que tinha voltado recentemente da Inglaterra com uma máquina de impressão nova.

Benjamim aprendeu o ofício de impressor e passou a  dedicar o seu tempo à melhorar sua educação . As leituras dele incluíam o “Progresso de Peregrino”pelo pastor britânico John Bunyan, “ Vidas Paralelas”, o trabalho do ensaísta grego e biógrafo Plutarco, “Ensaios e Projetos” pelo jornalista inglês e novelista Daniel Defoe, e as “Composições para Fazer Bem” escrito por  Cotton Mather, clérigo americano. Quando comprou uma cópia do terceiro volume  de “Spectator” do ensaísta britânico Sir Richard Steele e Joseph Addison ele resolveu melhorar seu estilo de escrita e prosa.

Em 1721 seu irmão James Franklin criou o jornal New England Courant, e Benjamim, com 15 anos de idade ficou extremamente ocupado entregando o jornal de dia e escrevendo artigos à noite. Estes artigos, que publicou anonimamente, ganharam grande admiração por suas observações expressivas à respeito da situação da época. Por causa de sua postura liberal o New England Courant  freqüentemente incorria  no desagrado das autoridades da colônia. Em 1722 por causa de um artigo considerado particularmente ofensivo, James Franklin foi preso por 1 mês e proibido de publicar seu jornal, que, por um tempo apareceu em  nome de Benjamin.

Filadélfia e Londres

Por causa de desentendimentos com James, Benjamin deixou Boston e foi para Filadélfia, chegando lá em outubro de 1723. Lá ele trabalhou no comércio e fez numerosos amigos, entre eles o Sr. William Keith que era o governador da província da Pensilvânia.

O governador persuadiu Franklin a ir para Londres terminar seu treinamento como impressor e a comprar o equipamento de que necessitava para abrir seu próprio jornal na Filadélfia. O jovem Franklin aceitou o conselho e chegou a Londres em dezembro de 1724. Não tendo recebido de Keith as cartas prometidas de apresentação e crédito, Franklin, com  a idade 18 anos se encontrou, sem meios em uma cidade estranha. Com a sua desenvoltura característica, ele obteve emprego em duas  das casas de impressão mais famosas em Londres. Palmer e Watt. O trabalho dele, e suas realizações  ganharam logo  o reconhecimento de várias das figuras mais distintas no mundo literário e de publicações..

Em de outubro de 1726 , Franklin voltou à Filadélfia e retomou o  seu comércio . No ano seguinte, junto com vários os conhecidos dele,  organizou um grupo de discussão conhecido como o Junto que depois se tornou a Sociedade Filosófica americana. Em setembro de 1729, ele comprou a Gazeta de Pensillvânia, um jornal semanal , pobremente editado que ele transformou com seu estilo engenhoso  de seleção judiciosa das notícias.. Em 1730 ele casou com Deborah Read (1705-74), uma mulher da Filadélfia a quem ele tinha conhecido antes de viajar  para a Inglaterra.

Projetos e Experiências

Franklin se ocupou de muitos projetos públicos. Em 1731 ele fundou o que provavelmente foi a primeira biblioteca pública na América, se tornando em 1742 na Biblioteca de Filadélfia.

Ele publicou o Almanaque do pobre Richard em 1732, sob nome de Richard Saunders. Este volume modesto ganhou um grande número de leitores e apreciadores, sua sabedoria prática se tornou uma influência penetrante no caráter americano.

Em 1736 Franklin se tornou o clerk da Assembléia Geral da Pensillvânia e no ano seguinte foi designado como deputado da Filadélfia.

Aproximadamente nesta época, ele organizou a primeira companhia de bombeiros naquela cidade e introduziu métodos para a melhoria das ruas pavimentando-as e iluminando-as.

Sempre  interessado por estudos científicos, ele inventou meios para corrigir  a fumaça excessiva das chaminés e inventou, ao redor 1744, o fogão Franklin que fornecia maior calor com um consumo reduzido de combustível.

Em 1747 Franklin começou as experiências elétricas dele com um aparato simples que ele recebeu de Peter Collinson na Inglaterra. Ele imaginou uma teoria sustentável do jarro de Leyden, apoiou a hipótese de que o raio é um fenômeno elétrico, e propôs um método efetivo de demonstrar este fato. O plano dele foi publicado em Londres e ficou conhecido na Inglaterra e França antes que  ele executasse a experiência célebre  com a pipa em 1752. Ele inventou o pára-raios e estudou o que é chamado o “um-fluido” teoria que  explicava os dois tipos de eletricidade, positivo e negativo.

Em reconhecimento às realizações científicas impressionantes dele, Franklin recebeu títulos honoris causa da Universidade de St.  Andrew e da Universidade de Oxford. Ele também se tornou um membro da Sociedade Real de Londres e, em 1753, foi premiado com a  Medalha de Copley por contribuições distintas para ciência experimental.

Franklin também mostrou uma grande influência na educação na Pensilvânia. Em 1749 ele escreveu Propostas relativas à Educação da Mocidade na Pensilvânia; sua publicação conduziu ao estabelecimento em 1751 da Academia da Filadélfia, que veio depois se tornar a Universidade da Pensilvânia. O currículo que ele sugeriu era então uma mudança considerável no programa de estudos clássicos em voga. O inglês e idiomas estrangeiros modernos seriam enfatizados como também matemática e ciência.

Em 1748 Franklin vendeu o negócio de impressão dele e, em 1750, foi eleito para  Assembléia da Pensilvânia na qual ele serviu até as 1764. Ele foi designado  deputado geral para as colônias em 1753, e em 1754 ele era o delegado da Pensilvânia para o congresso  intercolonial.

Ele criou o Plano Albany, que foi profético da Constituição de 1787. Pregava a independência local dentro de uma união colonial. Mas, não foi compreendido pelo público para obter ratificação. Ele tinha a forte convicção de que a adoção desse plano teria evitado a Revolução Americana.

Em 1757 Franklin foi enviado à Inglaterra pela Assembléia da Pensilvânia e acabou ficando por lá durante 5 anos como chefe representativo das colônias americanas. Durante esse período ele fez amizade com muitos homens importantes como o químico e clérigo Joseph Priestley, o filósofo e historiador David Hume e o filósofo e economista Adam Smith.

Franklin voltou à Filadélfia em 1762, onde ele permaneceu até 1764, quando  foi despachado uma vez mais para a Inglaterra como o agente da Pensilvânia. Quando percebeu que a despeito dos seus esforços, a guerra era inevitável, Franklin voltou para sua pátria após 11 anos de ausência. Ele chegou à Filadélfia em 5 de maio de 1775.

Diplomata da Revolução

Em 1775 Franklin viajou para o Canadá e passou por um grande sofrimento no caminho, em seus  esforços vãos de conseguir a cooperação e apoio de Canadá na Revolução. Após seu retorno, ele foi escolhido para fazer parte do comitê  de cinco, escolhido para fazer o rascunho da Declaração de Independência. Ele foi também um dos que assinou esse documento histórico

Sua reputação de cientista, sua integridade e caráter o tornaram extremamente popular nos círculos políticos, literários e sociais na França, assim conseguindo para os Estados Unidos, uma ajuda que talvez outro não conseguisse. Em fevereiro de 1778, Franklin negociou o Tratado de Comércio e Aliança defensiva com a França, o que representou o ponto de virada na Revolução Americana. Sete meses após, ele foi escolhido pelo Congresso como Primeiro Ministro Plenipotenciário dos Estados Unidos na França.

Seu conhecimento científico lhe rendeu a indicação do rei de França para uma comissão que estava investigando o físico austríaco Franz Anton Mesmer e o fenômeno do magnetismo animal.

Em março de 1785 , Franklin, a próprio pedido dele, abandonou seus  deveres  na França e voltou à Filadélfia.  Foi imediatamente escolhido para o Conselho Executivo da Pensilvânia (1785-87). Em 1787 foi eleito foi eleito delegado para a Convenção que preparou a Constituição Norte Americana.

Franklin estava, nessa época profundamente interessado em projetos filantrópicos e um de seus últimos atos públicos foi assinar a petição para o Congresso em 12 de fevereiro de 1790, como presidente da Sociedade para Abolição da Escravatura da Pensilvânia pedindo urgência na libertação dos escravos. Dois meses depois em 17 de abril, Franklin morreu em sua casa na Filadéfia aos 84 anos de idade.

Veja também: