Home Biologia > Animais > Comunicação Animal

Comunicação Animal

Há inúmeras formas de comunicação no reino animal. As baleias emitem sons continuamente e alguns são captados a dezenas de quilômetros. Os golfinhos também apresentam uma forma de linguagem.

Publicidade

Comunicar-se

Os animais são capazes de se comunicar com outros seres de seu meio e podem interferir em seu comportamento. A comunicação é executada pelos mesmos sistemas de relação e coordenação.

Em alguns animais há órgãos especialmente adaptados à comunicação, como a siringe das aves (órgão de canto) e as pregas vocais dos mamíferos (órgãos da voz humana). Os animais, no entanto, podem se comunicar por ultrassons (inaudíveis aos humanos) ou produzindo substâncias. Os exemplos de sistemas de comunicação são bastante variados.

A capacidade de estabelecer comunicação não é restrita aos animais que vivem em sociedade ou em agrupamentos gregários.

Comunicação dos golfinhos
Golfinhos. Muitas evidências mostram que os golfinhos têm um complexo sistema de comunicação baseado na emissão e recepção de sons e ultrassons.

Comunicação química

Os feromônios são substâncias produzidas por glândulas exócrinas de determinados animais que, ao serem liberadas no meio externo, influem no comportamento de outros indivíduos da mesma espécie. Podem ser captadas por meio do olfato ou da superfície do corpo; é possível, ainda, que essas substâncias sejam ingeridas com os alimentos.

Feromônios nas abelhas

As abelhas produzem vários feromônios distintos. As rainhas secretam uma substância com duas funções: impedir o desenvolvimento ovariano das abelhas operárias, mantendo-as estéreis (cada colmeia tem apenas uma rainha, a única fêmea fértil), e atrair os zangões durante o voo nupcial, a única ocasião em que elas se acasalam. Durante toda sua vida, a rainha chega a produzir cerca de 1 SOO ovos diariamente. Outro tipo de feromônio, secretado pelas abelhas operárias, informa outras operárias do encontro de uma fonte de alimento.

Comunicação gestual

Comunicação gestual dos lobos.Esse tipo de comunicação não necessita de palavras; frequentemente, um simples gesto é suficiente para que o interlocutor compreenda a mensagem. A face dos mamíferos é a parte do corpo que contém mais músculos individuais e também é uma das regiões com muitas terminações nervosas, Na face reside boa parte da comunicação gestual.

Os invertebrados também se comunicam por meio de movimentos do corpo. Para fabricar mel, as abelhas operárias saem em busca de pólen das flores dos arredores; para isso, enviam algumas exploradoras, que reconhecem o terreno e localizam os agrupamentos de flores mais produtivos. De volta à colmeia, realizam complicadas “danças” e comunicam sara suas companheiras a direção exata em que as flores se encontram. Isso é muito importante por dois motivos: primeiro, porque a informação é apresentada na forma de -m ângulo, durante a dança (trata-se de um conceito complexo); segundo, porque as abelhas são animais invertebrados e seu sistema nervoso é menos desenvolvido que o dos vertebrados.

Publicidade

Em muitas ocasiões, o animal utiliza o corpo todo para se comunicar. Várias espécies de aves apresentam danças de corte no período de acasalamento. O macho normalmente :em plumagem colorida e realiza uma série de movimentos que podem chamar a atenção da fêmea. Obtendo êxito, a fêmea corresponderá, unindo-se a ele na dança, que pode ter duração de várias horas em algumas espécies.

Comunicação sonora

O som proporciona a comunicação de mensagens precisas. Latidos, rugidos, zumbidos, gorjeios, cantos de grilos e de baleias são sinais que indicam algo concreto. As aves, durante a corte, emitem cantos específicos que chamam a atenção das fêmeas e comunicam aos demais machos que não se aproximem,

Essas formas de comunicação não constituem uma linguagem em sentido estrito. A espécie humana apresenta linguagem, formada por sons complexos. Alguns chimpanzés em cativeiro chegam a aprender a linguagem de sinais dos surdos-mudos, mas não articulam palavras. A linguagem humana é um sinal da hominização, isto é, da aquisição de Habilidades complexas, típicas da espécie.

Há símios que são capazes de aprender alguns sinais da linguagem dos surdos-mudos ou de reconhecer palavras. Nenhum, porém, pode falar, uma capacidade exclusiva da espécie humana.

Ultrassons

Há muitos animais capazes de emitir e captar ultrassons, isto é, sons cuja frequência é tão alta que supera a capacidade da audição humana. Os exemplos mais conhecidos são os golfinhos, que utilizam esses sons para se comunicar; os morcegos usam os ultrassons como meio de orientação na escuridão.

Emitem ultrassons que encontram diferentes obstáculos, sendo então refletidos. O animal recebe o eco, cuja intensidade é menor que a da emissão.

Em função da diferença de intensidade, o morcego é capaz de detectar a posição do obstáculo ou de sua presa.

Por: Paulo Magno da Costa Torres.

Veja também: