Home Filosofia > Estoicismo

Estoicismo

O estoicismo é uma das linhas mais fecundas da filosofia helenística. A doutrina estoica estende-se ao longo de seiscentos anos, entre os séculos IV a.C. e II d.C. Seu fundador foi Zenão de Cítio (c. 335-263 a.C.), que nasceu na ilha de Chipre.

Publicidade

O estoicismo pode ser dividido em três períodos: antigo, médio e romano. No antigo destacaram-se Zenão de Cítio (c. 335-263 a.C), Cleanto de Assos (c. 331-232 a.C.) e Crisipo de Solis (c. 280-207 a.C.). No médio, Panécio de Rodes (c. 185-109 a.C.) e Posidônio de Apameia (c. 135-51 a.C). Os nomes mais importantes da época romana foram Sêneca de Córdoba (c. 4-65), Epiteto de Hierápolis (c. 55-135) e Marco Aurélio (c. 121-180).

A lógica estoica

Ao lado do Organon, de Aristóteles, a lógica estoica é uma das contribuições de grande interesse no desenvolvimento da lógica contemporânea. A diferença é que, para Aristóteles, trata-se mais de uma lógica de termos, ao passo que os estoicos desenvolvem uma lógica proposicional, baseada não tanto em nomes, mas no modo de dizê-los nas proposições.

Eles diferenciavam o signo ou significante (semainon), a coisa significada (semainómenon), e o significado (lekton) ou aquilo que se diz. O significante e a coisa são materiais, mas o significado é imaterial, algo entre a realidade das coisas e a realidade das palavras.

Morte de Sêneca, pintura de Rubens.
Pintura Morte de Sêneca. Sêneca foi uma das figuras mais importantes do estoicismo romano.

A ética: eudaimonia

A ética estoica estabelece a felicidade ou eudaimonia como princípio fundamental.

Publicidade

A expressão maior da virtude é viver conforme a natureza e isso é motivo de felicidade. Essa concordância é racional e coincide com a razão ou logos da vida e da natureza, entendida como o universo inteiro, com sua harmonia e plenitude (Diógenes Laércio, VII, 87).

Esse ponto marca uma importante diferença entre estoicismo e epicurismo. Enquanto este último afirma o sentido da vida, aceitando exclusivamente as condições do “aqui e agora”, o estoicismo defende uma identificação com um logos que reside além da natureza humana. A concordância é feita envolvendo o indivíduo em uma harmonia universal.

A felicidade, assim, é estabelecida em níveis mais teóricos do que a concreta projeção nos limites do próprio corpo, como os epicuristas pretendiam. Ser feliz é, pois, ser virtuoso e entender o momento supremo do homem na adequação com o logos, a razão universal, isso proporciona autonomia. Quem a consegue é sábio. O homem independente entende o além das coisas e contrapõe-se ao ignorante.

A física estoica

Uma das ideias centrais do estoicismo é a unidade do real. A natureza e a razão são uma só coisa. O desenvolvimento da vida e da natureza está cheio de racionalidade e coerência, mas somente é real o que tem corpo, mesmo que haja um pneuma ou sopro universal que tudo preenche e que pode identificar-se com a divindade.

ESTOICISMO: PERÍODOS E NOMES

Estoicismo antigo

  • Zenão de Cítio (c. 335-263 a.C.)
  • Cleanto de Assos (c. 331-232 a.C.)
  • Crisipo de Solis (c. 280-207 a.C.)

Estoicismo médio

  • Panécio de Rodes (c. 185-109 a.C.)
  • Posidônio de Apameia (c. 135-51 a.C.)

Estoicismo romano

  • Sêneca de Córdoba (c. 4-65 d.C.)
  • Epiteto de Hierápolis (c. 50-135 d.C.)
  • Marco Aurélio (c. 121-180 d.C.)

Por: Roberto Braga Garcia