Home História do Brasil > Milagre Econômico

Milagre Econômico

O crescimento econômico brasileiro, ocorrido durante os anos de 1969 e 1973, alcançou grandes níveis e ficou conhecido como “milagre econômico”.

Publicidade

Antecedentes:

Os governos de Getúlio Vargas e de Juscelino Kubitschek tiveram grandes investimentos em infra-estrutura e por conta disso foram feitos grandes empréstimos. Getúlio tinha uma política mais protecionista e encara as empresas internacionais como exploradoras. Já o governo de Juscelino buscou o capital estrangeiro para fazer investimentos que proporcionariam o equipamento das industriais nacionais.

O tempo em Juscelino esteve no poder, com o discurso 50 anos em 5, serviu para aumentar muito a divida externa do país, dobrando-a. Além disso o déficit na balança comercial tornou-se, também, motivo de preocupação, inclusive por parte dos investidores estrangeiros. A inflação também alcançou níveis elevadíssimos e todos esses conjuntos de fatores possibilitaram que o FMI (Fundo Monetário Internacional) passou a intervir na economia brasileira fazendo algumas exigências.

Os anos seguintes foram marcados por uma crise política além da crise econômica que o Brasil já estava passando. Jânio Quadros, o sucessor de Juscelino, renunciou em 1961, abrindo caminho para o governo João Goulart. Este último foi caracterizado pela grande entrada de empresas multinacionais no Brasil. Em 1964 Jango foi deposto e os militares tomaram o poder.

Governo Militar:

Assim que os militares assumiram o poder foi colocado em prática o Programa de Ação Econômica do Governo (PAEG), que tinha como objetivo combater a inflação e realizar reformas estruturais no país que permitiriam o crescimento. Dito e feito. Com o fim da estabilidade política, os investidores, e os recursos estrangeiros retornaram em peso ao Brasil. Com tanto investimento a economia conseguiu se estabilizar.

Em 1967, Delfim Neto, encarregado da economia do país, passou a investir nas empresas estatais, nas áreas de siderurgia, petroquímica, geração de energias, dentre outras. As medidas surtiram efeito. Os investimentos nas empresas estatais renderam muitos lucros e gerou milhões de empregos.

Quando Emilio Garrastazu Médici assumiu a presidência, o “milagre econômico” estava acontecendo. O processo de industrialização havia chegado forte no Brasil, gerando muitos lucros e muitos empregos. Também é válido dizer que neste período foram construídas as chamadas “obras faraônicas”, fazendo alusão as grandes obras de infra-estruturas e considerada de pouco importância útil. Porém ao longo do tempo a maioria dessas obras, como Itaipu e a Ponte Rio Niterói, provaram ser importantes, e necessárias, até os dias de hoje.

Publicidade

Consequências:

Como heranças deste período, podemos citar o crescimento das desigualdades sociais aliados também a um crescimento da divida externa brasileira. A classe média também teve grande importância no período, pois teve aumentos consideráveis em sua renda.

Por: Pedro Augusto Rezende Rodrigues

Veja também: