Home / História Geral / Conflito Árabe-Israelense

Conflito Árabe-Israelense

Há décadas, judeus e árabes reivindicam direitos sobre a região da Palestina. A criação do estado judeu no território da Palestina se deu a partir do movimento sionista, que surgiu no fim do século XX na Europa, na tentativa de devolver aos judeus a região de onde haviam sido expulsos na Idade Antiga.

Após a derrota do Império Turco Otomano na Primeira Guerra Mundial, a região da Palestina ficou sob o domínio dos britânicos, que se comprometeram a ajudar a construir um estado livre e independente para os judeus. Até então, o convívio entre os povos árabes e as comunidades judaicas era relativamente pacífico, tanto que seus representantes chegaram a propor a instituição de um Estado único, no qual todos teriam liberdade religiosa e política. Essa medida, no entanto, não foi efetivada porque o Império Britânico pretendia fixar seu domínio naquele território, o que se tornaria mais fácil com a oposição dos povos.

Entre as décadas de 1930 e 1940, com a ascensão do nazismo e a constante perseguição dos judeus na Europa, a migração dos povos judaicos para a região da Palestina se intensificou consideravelmente. No entanto, as áreas de assentamento de judeus e palestinos não foram delimitadas, dessa forma, dois grupos de características étnicas e religiosas muito distintas se viram obrigados a compartilhar o mesmo território. Nesse período, então, começaram a surgir os violentos conflitos entre árabes e israelenses.

Mapa de Israel e PalestinaDurante a Segunda Guerra Mundial, mais de 6 milhões de judeus foram massacrados pelos nazistas nos campos de concentração. Isso sensibilizou a opinião pública e aumentou o apoio por parte da comunidade internacional à instituição de um Estado judaico.

Assim, a recém-fundada ONU (Organização das Nações Unidas) consentiu, em 1947, a divisão da Palestina em duas partes: 57% do território para o Estado judeu e 43% para o Estado árabe. Embora a decisão não tenha sido aceita pelos árabes que já viviam na região, o Estado de Israel foi proclamado no ano seguinte.

A insatisfação do povo árabe fez com que, no ano de 1948, a Liga Árabe (Egito, Líbano, Jordânia, Síria e Iraque) invadisse Israel com o objetivo de reconquistar o território, dando início à Guerra de Independência. Os árabes, porém, não foram vitoriosos e ainda perderam territórios para os israelenses, o que aumentou para 75% o domínio de Israel. Nesse mesmo período o Egito assumiu o controle da Faixa de Gaza e a Jordânia recebeu a Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

A luta do povo da Palestina passou a ter notoriedade política em 1964, com criação da OLP (Organização para a Libertação Palestina), que tentava recuperar os territórios ocupados por Israel por meio de guerrilhas. Em 1967, a tensão na região deu origem à Guerra dos Seis Dias, que fez com que mais de 500 mil palestinos fugissem para países vizinhos. Nessa época, a Faixa de Gaza, as Colinas de Golã (na Síria), o Sinai (no Egito), a Cisjordânia e Jerusalém Oriental foram ocupados por Israel.

Já no ano de 1973, eclodiu Guerra do Yom Kipour (Dia do Perdão): Egito e Síria atacaram as Colinas de Golã e o Sinai, tentando reconquistar as regiões perdidas em 1967, porém, foram derrotados mais uma vez. A ONU, então, determinou a devolução dessas regiões para os países árabes, o que não foi aceito pelos israelenses. O Estado de Israel, contrariamente, passou a expandir suas colônias pelos territórios árabes que havia ocupado. Ainda assim, a região do Sinai foi devolvida ao Egito anos mais tarde, e, em 1993, foi assinado o Acordo de Oslo, que propunha uma devolução gradativa da Cisjordânia e da Faixa de Gaza aos palestinos.

Há aproximadamente 20 anos, líderes religiosos mulçumanos criaram o Hamas, um grupo fundamentalista que não reconhece o Estado de Israel e defende a criação de um estado islâmico para toda a região da Palestina. O Hamas é tido como terrorista para os israelenses, já os palestinos o consideram uma organização que luta pelo direito desse povo de ter uma pátria.

O último conflito entre árabes e israelenses aconteceu em 2012, quando o chefe militar do Hamas foi morto por um ataque de Israel e, como resposta, integrantes do grupo lançaram 1500 projéteis. No mesmo período, a ONU aprovou a resolução em que a Palestina passa para a categoria de “Estado observador não membro”, com o voto de 138 países.

A paz nessa região parece ser uma realidade muito distante. Hoje ainda existem palestinos refugiados que almejam recuperar seu território, porém, os israelenses não admitem discussões sobre o retorno dessas pessoas. Além disso, a gritante diferença de ponto de vista entre a ANP, o Hamas e o governo israelense também impede que esse conflito chegue ao fim.
Referências

Guia do Estudante, Atualidades. Editora Abril: São Paulo, 2013.

COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral – volume único. São Paulo: Saraiva, 2005.

Por: Mayara Lopes Cardoso

Veja também:

Veja também

Aprendiz em uma corporação de ofício

Corporações de Ofício

Os artesãos na idade média eram pessoas muito respeitadas em sua sociedade. Pois saber fazer algum objeto ...

Comentários