Home » História » Conquista Espanhola e a queda do Império Asteca

Conquista Espanhola e a queda do Império Asteca

Resumo

Este texto procura discutir a colonização espanhola empreendida na região da meso-américa (Atual México), em decorrência da expansão marítima e comercial ocorrida na Europa no século XV, caracterizada pelo renascimento comercial e urbano e o surgimento dos estados nacionais. Pretende-se avaliar o contato entre esses dois povos (Europeus e Astecas), e as relações que eles mantiveram durante o período da conquista espanhola.

Este artigo pretende apontar as várias causas que possibilitaram a conquista espanhola sobre a civilização Asteca, que na época dessa conquista, dominavam uma grande área da meso-américa, sendo considerados o povo mais civilizado e poderoso dessa imensa região.

Mediante análise de obras como: “A conquista da América: A questão do outro”, de Todorov e “A Civilização Asteca” de Soustelle e demais textos que abordam o assunto, iremos traçar algumas considerações sobre o choque dessas duas grandes civilizações, analisando as causas que possibilitaram a vitória dos exploradores.

Europa século XV

A expansão marítima e comercial européia do século XV foi a retomada do desenvolvimento econômico da última fase a Idade Média, caracterizada pelo renascimento comercial e urbano. Durante a guerra da reconquista, que foi a luta pela expulsão dos árabes da Península Ibérica, formaram-se as monarquias feudais e Castela foi uma delas. A união definitiva dos reinos ibéricos, que formaram a Espanha, deu-se em 1469, com o casamento de Fernando, rei de Aragão, e Isabel, rainha de Castela, os chamados reis católicos.

Em 1498, após quase um século de preparação, uma frota portuguesa, sob o comando de Vasco da Gama, chegou à Índia. As viagens ao oriente proporcionavam lucros altíssimos o que fez o comércio se intensificar sensivelmente. Esse acontecimento provocou uma mudança no eixo do comércio europeu. Antes de Bartolomeu Dias ultrapassar o Cabo Boa Esperança, a rota do comércio se fazia por terra passando por Veneza. A partir da descoberta do novo caminho para a Índia, os países que têm costas para o Atlântico ficaram em vantagem. O Atlântico tornou-se a mais importante área de comércio do mundo. Portugal, Espanha, Holanda, Inglaterra e França tornaram-se nações privilegiadas.

Lutando para expulsar os muçulmanos da Europa, os espanhóis realizaram a unificação do território da Espanha. Com a queda de Granada, em 1492, completou-se o processo de expulsão dos árabes e de criação da monarquia. Só então, com quase um século de atraso em comparação a Portugal, os espanhóis começaram a sua participação nas Grandes Navegações. Um mapa do florentino Toscanelli sugeria ao genovês, Colombo, a possibilidade de atingir as Índias pelo Ocidente. Acreditando nessa avaliação, apresentou seu projeto ao rei de Portugal, que lhe negou apoio. Foi então em busca da Espanha, e após insistentes solicitações, conseguiu o patrocínio de Fernando de Aragão e Isabel de Castela. Foi então que a expedição partiu rumo ao oeste, sob o comando de Colombo. Após 61 dias de navegação e uma escala nas Canárias, atingiram a ilha de Guanaani (San Salvador) nas Bahamas e, em seguida, Cuba e São Domingos. Cristóvão Colombo descobrira um novo continente, mas não se apercebera disso; acreditava ter chegado às Índias.

Logo os espanhóis deram inicio a conquista e a exploração do referido continente, que se mostrou rico em ouro e prata. No ano de 1519, os espanhóis iniciaram a ocupação do continente americano, invadindo o México numa expedição liderada pelo fidalgo espanhol, Fernão Cortez contra os Astecas.


A Civilização Asteca

Os Astecas ou Mexicanos dominavam a maior parte da meso-américa quando houve o contato com os espanhóis. Era considerado o povo mais civilizado e poderoso da América Pré-colombiana.

Porém não foi sempre assim, no início foram por muito tempo considerados semibárbaros, pobres e sem terra. Permaneceram por muito tempo à margem das civilizações do planalto central. Segundo a história desse povo eles vivam em Aztlán a noroeste do México.

As crônicas nativas qualificam-nos como azteca chichimeca, “bárbaros de Aztlán”. Em outras palavras, eles partilham ainda do modo de vida das tribos guerreiras, nômades e caçadoras conhecidas pelo nome de Chichimecas (bárbaros), que mantinham sua subsistência graças à caça e à coleta nas zonas áridas e nas montanhas. (SOUSTELLE, 1993 p. 10)

Tempos depois (em 1168), os Astecas começam uma longa jornada rumo ao vale do México aonde chegaria aproximadamente um século depois. A caminho do vale do México esse povo entrou em contato com outros povos, que se deslocavam para o sul, ora guerreando ora pacificamente. No entanto não se tratava de uma migração contínua, por várias vezes eles se fixaram em determinadas regiões chegando a permanecer durante anos.

Ainda quando os Astecas encontrava-se dirigindo lentamente para o México Central, desenvolvia-se nessa região um processo cultural surpreendente, em virtude de as tribos que se fixaram no local, terem adotado uma vida sedentária, desenvolvendo a agricultura, a língua, os ritos e a forma de governo das cidades toltecas tardias. Últimos a chegar a esse universo, os Astecas passaram por inúmeras atribulações.

Um dos fatores que possibilitou o avanço dos Astecas foi o contato que tiveram com as demais tribos que já se encontravam instaladas no Vale do México.

A consolidação do império Asteca está relacionada com a formação de uma tríplice aliança, ou seja, a tríplice aliança de Tenochtitlán (México), Texococo e Talcopan. Rapidamente, o papel militar predominante no interior dessa liga concentrou-se nos Astecas, enquanto Texococo se transformou na metrópole das artes, da literatura e do direito. A tríplice aliança tornou-se, com efeito, o império Asteca. Os aliados iniciaram um período de expansão territorial, e a confederação das três cidades tinha um caráter predominantemente militar.

O funcionamento do estado se baseava muna ampla rede burocrática formada por funcionários profissionais, tais como sacerdotes, inspetores do comércio e coletores de impostos. Os Astecas organizavam-se em torno do pagamento de tributos.¹

Todas as cidades deveriam renunciar qualquer política externa e militar independente e estavam obrigadas a aceitar que nelas celebrasse o culto da divindade asteca Uilzilopochtli.

A civilização Asteca se baseou do ponto de vista econômico, na agricultura e no comércio. Como os demais indígenas agricultores, os Astecas ao se tornarem sedentários, alimentavam-se de milho, feijão, abóbora e outros, produtos cultivados graças às condições climáticas favoráveis ao cultivo desses produtos da zona temperada. Com uma população relativamente grande no Vale do México, fez com que os Astecas conquistassem outras tribos como também comercializassem com povos vizinhos.

Quando chegaram ao vale do México, os Astecas era uma sociedade homogênea e igualitária, essencialmente guerreira, seus membros reconheciam somente a autoridade dos Tributos e da contribuição militar por parte das tribos submetidas, em sua maioria, todas as cidades que se encontravam sob o domínio Asteca. Pagavam tributos de uma a quatro vezes por ano a depender do tipo de mercadoria que esta fornecia. Para o controle desses tributos, existiam funcionários imperiais que cuidavam da arrecadação e do transporte, sendo assistidos por escribas que cuidavam do registro desses tributos.

Entre o fim do século XIII e o início do século XIV, produziu-se uma profunda mutação sob o duplo efeito da influência cultural e política exercida sobre os astecas pelos povos vizinhos e também das próprias conquistas destes últimos. Da mesma forma que Tenochtitlán, que de aldeia tribal se havia transformado em uma sociedade hierarquizada, regida por estruturas complexas e ordenada por um Estado dispondo de um aparelho administrativo e judiciário. O nível de vida das diversas categorias populacionais e sua respectia posição no interior da sociedade diferiam amplamente entre si. (SOUSTELLE, 1993 p. 30)

 A base da sociedade Asteca era a família de caráter patriarcal e geralmente monogâmica. Um grupo de famílias compunha o calpulli que se tratava de uma unidade social complexa que se encarregava de diversas funções como a organização de trabalhos, cultos religiosos e outros. Acima dos calpulli estava a estrutura estatal centrada no monarca. ²

Os Astecas tinham a reputação de serem os indígenas mais religiosos do México. Do seu passado os Astecas conservaram suas divindades astrais que foi enriquecida através dos contatos que tiveram com outros povos ao longo de sua história.³ A transmissão da cultura Asteca se dava de forma oral, sobretudo através da educação que se dividia em duas instituições: (telpochcalli) para os plebeus (calmécac) para os nobres. Tratava-se de um sistema de ensino severo e disciplinado, baseando-se principalmente no estudo da história e religião nacional, na formação moral e militar.

Os Astecas foram notáveis arquitetos, construíram nas suas cidades grandes templos, palácios e pirâmides. Desenvolveram técnicas avançadas como a utilização de palanques e rampas para transportar blocos de pedras, construíram maquetes, represas e obras hidráulicas, usavam o sistema de irrigação e rodízio de plantação. Foram escultores, pintores e ceramistas, faziam tiaras, mantas, trabalhavam com plumas, jóias, etc. Além disso, foram grandes conhecedores da medicina, conheciam cerca de 400 espécies diferentes de remédios de origem vegetal, animal e mineral. Fabricavam o papel com a casca da figueira brava, e não conheciam o alfabeto, sua escrita era através de desenhos e símbolos.

Ruínas de um palácio Asteca

Uma das características que mais marcavam a sociedade Asteca era a divisão em castas. A nobreza era formada por membros da família real, os chefes dos calpulli, os chefes militares e algum plebeu que tivesse realizado algum serviço de mérito ao estado. Os macehualtin (plebeus) eram os lavradores, comerciantes, artesãos que constituíam o grosso da população. Os mayeque (servos) trabalhavam nas terras do estado e da nobreza. Haviam também os escravos que além de serem usados como força de trabalho, eram também utilizados para sacrifícios.

A medida que se expandia seu império foram anexados avidamente deuses e ritos de outras tribos. A civilização asteca era politeísta, acreditava em deuses vingativos, cuja ira só poderia ser aplacada por meio de sacrifícios humanos normalmente de crianças e prisioneiros de guerra.             

Os astecas também tinham conhecimento de Astronomia e da Matemática, chegaram a elaborar um calendário que dividia o ano em 365 dias. Eles desconheciam o ferro, a roda, os animais de carga e o arado, mas haviam desenvolvido a arte da tecelagem.

Com certeza os Astecas foram, dentre as civilizações pré-colombianas,os que deixaram mais traços de sua organização social, política, religiosa e econômica. Do deu apogeu, ainda hoje vislumbramos através das ruínas de suas grandes construções.


A conquista Espanhola e a queda do Império Asteca: As razões da vitória

A ocupação espanhola numa primeira etapa estendeu-se somente às ilhas de São Domingos, Porto Rico e Cuba, os primeiros colonizadores desconheciam e existência do México do seu imenso território e suas civilizações. Em 1517, uma expedição Espanhola, liderada por Francisco Hernández de Córdoba, desembarcou na península de Yucatán, onde foi duramente repelida, sendo que dos 110 integrantes da expedição, 57 morreram, inclusive o próprio Francisco. No ano seguinte Juan de Grijalva, comandando quatro navios, decobriu a ilha de Cozumel, custeou o litoral de Yacatán e, em seguida o golfo do México. Assim pela primeira vez os europeus entraram em contato com províncias do Império Asteca.

A expedição de Cortez em 1519 foi a terceira a explorar a costa mexicana, e este ao saber da existência do Império Asteca inicia uma lenta progressão ruma ao interior. De acordo com o livro “A civilização Asteca” de Soustelle, essa expedição contava com 11 navios que levavam 508 soldados, 16 cavalos e 14 peças de artilharia. Ao mesmo tempo, o império Asteca estendia-se aproximadamente por uma superfície de mais de 200.000 km² e tinha uma população de aproximadamente cinco a seis milhões de habitantes, altamente evoluídos econômico, político e socialmente.

Hernán Cortez

No entanto, diante dos fatos acima citados que nos mostra uma pequena quantidade de exploradores frente a uma grande civilização (considerada a mais brilhante do mundo pré-colombiano), como foi possível essa conquistada, quais fatores teriam possibilitado, em tão pouco espaço de tempo tal conquista, e realizada por uma pequena quantidade de exploradores?

Ao respondermos esse questionamento, veremos que foram muitas as causas que possibilitaram uma conquista espanhola sobre a civilização Asteca.  Além da superioridade tecnológica gritante que os Espanhóis possuíam em relação aos Astecas; com cavalos, armas de fogo e de ferro, contra arcos e flechas e armas de sílex e madeira; também há que se levarem em conta outros fatores, talvez até mais importantes do que as armas em si.

A figura de Montezuma com certeza tem um papel importante nesse contexto. Cortez ao chegar à Cidade do México é bem recebido e após algum tempo decide prender o soberano Asteca e faze-lo prisioneiro, Montezuma, no entanto, nada faz para evitar essa situação. O que teria provocado tal reação? Montezuma tinha um comportamento ambíguo, e esse comportamento talvez tinha além dos motivos culturais razões pessoais.

Os índios e os espanhóis praticavam a comunicação de maneiras diferentes.

Sabemos graças aos textos da época, que os índios dedicavam grande parte do seu tempo e forças à interpretação das mensagens, e que essa interpretação tem formas extremamente elaboradas, relacionadas às diversas espécies de adivinhação. (TODOROV. 1996 p. 61)

A primeira delas era a adivinhação cíclica. Os Astecas dispunham de um calendário religioso composto de treze meses com duração de vinte dias, sendo que cada dia possuía um caráter propicio ou nefasto. Uma segunda forma era a adivinhação, esta pontual, que tem forma de presságios e ainda quando estes tardavam existia o adivinho profissional, que recorria por meio de grãos de milho, água e fios de algodão.

Toda a história dos Astecas, tal como é contada em suas crônicas, é feita de realizações de profecias anteriores, como se um acontecimento não pudesse ocorrer se não tivesse sido previamente anunciado. Eles acreditavam que todas as previsões do futuro se realizariam. Segundo vários relatos oriundos de populações indígenas, a chegada dos espanhóis é sempre precedida por presságios, e a vitória deles é sempre anunciada como certa.

Quando os mensageiros vêm até Montezuma informar-lhe da chegada dos espanhóis, sua interpretação se faz no âmbito de comunicação com o mundo, e não da comunicação com os homens, ou seja, é aos deuses que ele pede conselhos sobre o comportamento que deve ser tomado em relação aos invasores. Os espanhóis por sua vez, só ouvem os conselhos divinos quando estes coincidem com as sugestões de seus informantes ou com seus próprios interesses, como comprovam os relatos de vários cronistas.

Montezuma sabia colher informações e melhor organizar seus exércitos para a batalha, quando seus inimigos eram as demais tribos existentes no vale do México, com a chegada dos espanhóis, esse sistema de coleta de informações acerca do inimigo tornou-se inútil, isso devido ao fato da identidade dos espanhóis ser diferente e seu comportamento imprevisível o que abalou todo o sistema de comunicação. Diante disso, Montezuma tornou-se incapaz de produzir mensagens apropriadas e eficazes.

A invasão espanhola caracterizava-se como uma situação nova, desconhecida uma situação onde a arte da improvisação era muita mais importante que o ritual e Cortez, saiu-se muito bem frente a essa situação.

De fato, a maior parte das comunicações dirigidas aos espanhóis impressiona pela ineficácia. Para convencê-los a deixar o país, Montezuma envia-lhes ouro, todas as vezes; mas nada podia convence-los mais a ficar. (TODOROV. 1996 p. 84)

Ao falarmos Império Asteca, isso nos dá uma impressão de que este constituía um estado homogêneo, no entanto, não era bem assim, o México de então não é esse estado homogêneo e sim um conglomerado de populações subjugadas pelos astecas que ocupavam o topo da pirâmide.

Um fator importante são as brigas internas entre as diversas populações que ocupam o solo mexicano. Ao iniciar sua jornada rumo ao centro desse império, Cortez se depara com várias tribos e ao manter contato com esses índios, percebe que muitas delas estavam submetidas aos Astecas não por vontade própria, mas por terem sido submetidas militarmente. E estas tribos por sua vez, viam Cortez como um mal menor muitas vezes como um libertador, pois viam nele a possibilidade de se verem livres do domínio Asteca. Ao longo da campanha Cortez se aproveita dessa situação e acaba comandando um exercito de Tlaxcaltecas e outros índios aliados numericamente se comparável aos dos mexicanos, nesse exército os espanhóis são apenas a força de comando.

Uma outra razão foi que os espanhóis e os Astecas não faziam o mesmo tipo de guerra. Pelo menos no início, os astecas conduzem uma guerra submetida à ritualização e ao cerimonial: o tempo, o lugar, são previamente decididos. O combate tinha hora certa para começar e acabar, e seu objetivo maior não era matar o inimigo mas fazer prisioneiros de guerra, enquanto que os Espanhóis lutavam para matar o maior número de indivíduos, o que é muito mais fácil e rápido do que a captura em massa.

Os Astecas não conhecem e não compreendem a guerra total de assimilação que os espanhóis estão fazendo contra eles; para eles, a guerra deve acabar num tratado, estabelecendo o montante dos tributos que o perdedor deverá pagar ao vencedor. (TODOROV. 1996 p. 89)

O contato com os espanhóis, expuseram os índios a uma série de doenças desconhecidas por eles, dentre essas uma forte epidemia de varíola que dizimou grande parte da população asteca, que por não conhecerem a enfermidade, não conheciam meios para combatê-la.

Um outro fator muito importante na conquista do México,  é que ao contrário dos primeiros colonizadores que vinham apenas em busca de riquezas, Cortez foi o primeiro a possuir uma consciência política, e até mesmo histórica de seus atos. Inicialmente sua expedição começa com uma busca de informações, e não de riquezas, sendo que uma das suas primeiras ações é procurar um intérprete.

Cortez compreende relativamente bem o mundo asteca que se descobre diante de seus olhos, certamente melhor do que Montezuma compreende as realidades espanholas. E, contudo, essa compreensão superior não impede os conquistadores de destruir a civilização e a sociedade mexicanas; muito pelo contrário, tem se a impressão de que é justamente graças a ela que a destruição se torna possível. (TODOROV. 1996 p. 123)

Todos esses fatores, em maior ou menor grau, mas todos juntos, contribuíram para a conquista do Império Asteca, tornando-a possível. Embora um dos fatores que mais se destacou, foi que no contato entre esses dois povos (Europeus e Astecas), o colonizador europeu soube compreender o povo Asteca, enquanto que estes não fizeram o mesmo, e aproveitando dessa situação, foi que se tornou possível tal conquista. 

Referência bibliográfica

CÁCERES, Florival História da América. São Paulo, Moderna. 1992

SOUSTELLE, Jacques. A civilização Asteca. Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro 1983

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Matins Fontes. 1993

Autoria: Uiliam


Veja também:



Comente!

Receba novidades

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o