Home » História » Cristóvão Colombo e o Descobrimento da América

Cristóvão Colombo e o Descobrimento da América

Enquanto Portugal tentava chegar às índias, contornando o litoral africano, um genovês, Cristóvão Colombo, buscava financiamento para chegar às índias contornando a Terra, entretanto, acabou por engano descobrindo a América.

O irmão de Colombo, Bartolomeu, trabalhava como cartógrafo do reino português e, graças a ele, Colombo conviveu com os melhores do mundo nos campos da geografia, cartografia, astronomia e arte náutica.

Em 1485, ele apresentou ao rei D. João II o projeto de atingir as índias via Ocidente. O plano foi recusado, pois Portugal estava firmemente resolvido a chegar às índias via Périplo Africano.

Com a recusa, Colombo ofereceu seus serviços à Inglaterra e à França. Em vão. Restava a Espanha.

Retrato de Cristóvão ColomboMas a Espanha dessa época, 1486, estava envolvida na reconquista de Granada.

Em 1488, Colombo retornou a Portugal, onde foi recebido pelo rei. Infelizmente, para Colombo, Bartolomeu Dias contornou o sul da África - Cabo da Boa Esperança -, abrindo o caminho para as índias.

Nada mais restava a fazer em Portugal. Colombo retornou à Espanha.

Os projetos de Colombo foram submetidos à análise de uma comissão da Universidade de Salamanca, que acabou por refutar o projeto, baseando-se nas Escrituras e em Santo Agostinho e afirmando que a "Terra é plana e é impossível chegar ao Oriente pelo Ocidente". Se contestasse essa afirmação, Colombo corria o risco de ser condenado pela Inquisição.

  Navio de Cristóvão Colombo
Gravura do navio de Colombo

Em 02/01/1492 os reis católicos finalmente retomaram Granada e entraram triunfalmente na cidade. Colombo também compareceu, aproveitando o momento de euforia e acenando com promessas de riquezas e expansão da fé. Colombo finalmente conseguiu apoio ao seu projeto.

Em 03/08/1492, do porto de Paios saíram a nau "Santa Maria", comandada por Colombo, e as caravelas "Pinta" e "Nina", comandadas pelos irmãos Pinzon, em direção às índias, navegando rumo ao poente, para demonstrar que o "ponto de chegada seria o mesmo da partida".

Imagem da chegada de Cristóvão Colombo à América
Chegada de Colombo à América

Em 12 de outubro de 1492, Colombo aportou na ilha de Guanaani, que foi batizada de San Salvador, na América Central.

Durante mais de três meses ele percorreu a região, de ilha em ilha.

Entretanto, não havia sinal algum das "riquezas incalculáveis", dos "telhados de ouro", das "jóias deslumbrantes", das "cidades jamais sonhadas", descritas pelo viajante Marco Pólo.

Mesmo assim, diante de habitantes nus, sem palácios, Colombo acreditava ter atingido o reino de Cipango (Japão) e, portanto, as índias. Desse erro geográfico, os nativos americanos acabaram sendo conhecidos como índios.

Voltando à Espanha, mesmo sem riquezas fabulosas e especiarias, Colombo foi muito bem recebido pelos reis e conseguiu um novo financiamento para uma outra viagem em busca dos "telhados de ouro" de que falara Marco Pólo.

Batismo dos índios que colombo trouxera da América
Recebido triunfalmente pelos reis católicos ao retornar "das índias", Colombo trouxe como presente seis nativos - índios - para serem batizados.

Realizou mais duas viagens, sem, entretanto, chegar às índias.

Nesse período, Vasco da Gama atingira as índias, em 1498, e Cabral tomara posse do Brasil, em 1500.

Em 1503, sua protetora, a rainha Isabel, morreu. Três anos mais tarde, sem prestígio e sem honras oficiais, Colombo morreu em Valladolid.

Segundo a historiografia, coube a Américo Vespúcio a constatação de que essas terras formavam um novo continente, que leva o nome América em sua homenagem.

Por: Renan Bardine


Veja também:



Comente:



Home » História » Cristóvão Colombo e o Descobrimento da América » Home » História » Cristóvão Colombo e o Descobrimento da América

Receba atualizações do site:

© Todos os direitos reservados à Cola da Web.com
Siga-nos:
O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.