Home » História » Formação e Desintegração da URSS

Formação e Desintegração da URSS

A história da humanidade sempre foi marcada pela ascensão, hegemonia e queda de grandes impérios, nas mais diversas regiões do globo, como exemplos destes podemos citar o Império Egípcio, Babilônico, Romano, SIRG (Sagrado Império Romano Germânico), Inca , Asteca, Árabe, Otomano, Alemão e mais recentemente o Império Russo que atinge seu colapso com o fim da URSS em 1991.

As conquistas destes impérios sempre foram marcadas por inúmeras guerras deflagradas por disputas territoriais, diminuição, incorporação e extermínio de etnias, ou seja, por imposição forçada de um determinado grupo (mais forte bélicamente ) contra outros mais vulneráveis.

Com o grande Império Russo não foi diferente, na presente pesquisa vamos verificar todas as etapas  que vão desde a formação do Estado Russo no século IX, todo seu processo de expansão territorial ( para a Sibéria, Cáucaso e Báltico), passando por fatos importantes de sua história  como a Revolução Bolchevique de 1917 que implantou o socialismo real,  sua participação na 1ª Guerra Mundial , formação da URSS em 1922, participação na 2ª Guerra Mundial, guerra fria, fatores que levaram a crises econômicas e políticas, perestróika, glasnost, CEI e atualidades como a explosão de graves conflitos étnicos envolvendo chechenos e outras minorias que fazem parte da Federação Russa e que lutam por independência.

Não há dúvida em que a desintegração da URSS foi o principal fato geopolítico do final do século XX, fato este que gerou profundas modificações em todo leste europeu e mudou a ordem mundial que agora possui apenas os EUA como grande superpotência.

Devido a todos estes fatores é imprescindível que compreendamos toda a dinâmica que levou a ascensão e queda do “Império Vermelho”  e seus reflexos no mundo. 


1) Formação e Expansão territorial da Rússia

Não se pode falar da Rússia atual sem antes entender o processo de territorialização e todos os caminhos que levaram a formação da URSS, sua ascensão e posterior extinção. Pois a Rússia de hoje é reflexo deste processo já que sempre esteve na liderança do bloco socialista e é a maior herdeira da antiga URSS.

Para tanto, vamos fazer um pequeno retrocesso histórico que vai desde a expansão territorial até atual situação político-econômica da Rússia.

Formação Territorial 

O longo processo de expansão territorial russo se estende desde o século IX até o inicio do século XX. Partindo de uma pequena faixa de terra localizada, de forma bem genérica, entre os mares Báltico e Negro, grupos russos se expandiram para todas as direções. A expansão trouxe como conseqüência a conquista e a submissão de muitos povos pelos russos e a constituição de um estado com nítidas características de heterogeneidade étnica.

A constituição do Estado russo ocorreu em 862. Por volta do século XIII veio o domínio mongol que dura mais de 150 anos. Com a libertação contra os mongóis começa um grande processo expansão territorial e com a chegada ao poder do czar Pedro o Grande, Moscou se torna centro do império e a conquista expande-se para o leste ( Sibéria), região do Cáucaso e a região do  Báltico.

Com o czar Alexandre II veio a conquista do território da Ásia Central e extremo oriente até a costa do mar do Japão, ampliando assim as saídas marítimas do império. Para assegurar a posse do território a Rússia constrói neste período as ferrovias Transcaucasiana  e Transiberiana, que estimularam a industrialização na metade do séc. XIX, principalmente os setores siderúrgicos, metalúrgicos e de extração mineral, além de integrar as vastas regiões, as ferrovias ajudaram a manter o poder centralizado.

Quando eclodiu a 1ª Guerra Mundial, o Império russo se apresentava como um do protagonistas do conflito. A guerra só contribuiu para o fim do Império russo que foi derrubado antes mesmo do fim da guerra, em 1917 pela revolução Bolchevique.    

Revolução Russa 

No final do século XIX e início do XX a Rússia passava por graves problemas sociais e ainda sofria reflexos da guerra contra o Japão ( 1904-1905) e 1ª Guerra mundial iniciada em 1914, as quais renderam pesadas percas materiais e humanas. Todos estes fatores contribuíram para a insatisfação do povo russo em meados da década de 10.

Neste quadro várias forças políticas se manifestaram, entre elas destacavam-se a dos socialistas marxistas , divididos em dois grupos: os bolcheviques ( maioria) chefiados por Lenin  e os mencheviques que juntas se opunham ao governo do czar Nicolau II lutando por reformas sociais e econômicas. Em março de 1917, o czar abdicou. Em outubro do mesmo ano liderados por Lenin, a Rússia adotou o regime socialista de economia planificada e centralizada, sendo o governo liderado pelo partido bolchevique posteriormente transformado em Partido Comunista da União Soviética ( PCUS).
Com o desaparecimento do Império Russo e com o surgimento da URSS iniciava-se um novo momento para a humanidade que gerou expectativas quanto ao surgimento de um novo mundo e de um novo homem. Os eventos históricos ocorridos nas décadas seguintes deixaram dúvidas quanto essas expectativas.

As bandeiras levantadas pelos revolucionários bolcheviques objetivavam acabar com todas as injustiças cometidas durante o regime dos czares. No entanto o novo regime conservou e reproduziu traços marcantes do antigo, a ponto de seus líderes chegarem a ser comparados muitas vezes aos czares que eles haviam deposto.

Acredita-se que algumas idéias originadas de Lenin para romper definitivamente com o passado e criar um “novo  país” não puderam ser postas em prática em virtude da guerra civil que eclodiu no país em 1918 e durou até 1921.

A guerra Civil

A guerra civil opôs os bolcheviques, que buscavam sedimentar sua autoridade no país, a forças ligadas ao antigo regime, conhecidas como “exército branco”, que relutavam em admitir a derrota do czarismo. Geralmente sob o comando de ex- oficiais czaristas e ajuda de tropas de vários países – entre eles a França, Grã-Bretanha e Japão, que pretendiam promover a volta ao capitalismo e abocanhar territórios pertencentes a URSS- , os “brancos” chegaram a ocupar diversas regiões na tentativa de formar um governo paralelo ao bolchevique. Essas forças, no entanto, foram gradativamente batidas e as áreas libertadas pelo Exercito Vermelho passaram definitivamente a fazer parte da URSS.

Formação da URSS

Com o fim da guerra civil, a Rússia pôde por em prática seus ideais socialistas. Instalou-se pela primeira vez no mundo e de forma institucional, o regime socialista.

Empenhada em solucionar seculares problemas socioeconômicos, a Rússia situou-se como um modelo para países que enfrentavam dificuldades semelhantes, especialmente para os que recebiam sua influência direta cultural e política, em virtude da proximidade geográfica. A partir daí, a expansão do socialismo passa a ter conotação geopolítica-ideológica, fator que definiu, em 1922, a criação da URSS, abrangendo os territórios antes pertencentes ao Império Russo.

Eram, portanto, 15 Estados formando a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, com a direção do partido comunista centralizado em Moscou ,numa área territorial de aproximadamente 22 milhões de Km2 de extensão.

Economia Soviética

O governo soviético criou um grupo de trabalho denominado Gosplan ( Comissão do Plano Geral do Estado), com o objetivo de planificar e centralizar a economia. De inicio estabeleceu-se um plano econômico de emergência, elaborado para vigorar no período de transição do capitalismo , ou economia planificada. Esse plano ficou conhecido como NEP ( Nova Política Econômica).

Em 1929, quando Stalin se consolidou no poder , a NEP foi abandonada e substituída pelo Planejamento Econômico centralizado , onde o Estado por meio do planos Qüinqüenais, planejava investimentos, quantidade e qualidade de produção, distribuição e preços.

No curto espaço de doze anos ( de 1928 a 1940), a ex-União Soviética conheceu um grande desenvolvimento industrial . Recuperou, com vantagem a posição perdida às vésperas da revolução de 16\917. De Quinta nação mais industrializada, no início do século, passou para o terceiro lugar, em 1940 , perdendo somente para os EUA e a Alemanha.

Participou da Segunda Guerra Mundial, ao lado dos aliados, vencendo a Alemanha nazista. Após a guerra, torna-se uma superpotência e passou a competir com os Estados Unidos pela liderança mundial.        


2) 2° Guerra mundial, Inicio da guerra fria e bipolarização  

A participação da URSS na II Guerra Mundial tem início em 1941, quando seu território foi invadido pelas tropas alemãs. Este acontecimento foi decisivo para levar a União Soviética a se unir às forças contra o (Reino – Unido, França...) na luta contra o Nazi-facismo. Durante vários meses os alemães impuseram severas derrotas aos soviéticos. Porém, a partir de 1942 acontece uma reviravolta. Os alemães começam a recuar devido resistência dos soviéticos e ao rigoroso inverno com temperaturas 30º abaixo de zero.

Em 1943 os soviéticos derrotaram os alemães na batalha de Stalingrado. Daí por diante as tropas nazistas foram sendo afastadas do território soviético.

A partir dessa vitória a União Soviética se fortalece em 1945 emerge como a segunda maior potência mundial.

Durante a Guerra a União Soviética mostrou ao mundo o seu poderio militar.

Em um curto período a URSS:

  • Contribui efetivamente para a derrota do nazi-facismo;
  • Readiquiriu, na conferência de Yalta e em Postdam territórios que havia perdido por ocasião da I Guerra Mundial;
  • Expandiu seu território e ampliou sua área de influência, submetendo vários países do leste europeu que viviam sob regime socialista; Polônia; Techoslováquia; Hungria; Romênia; Iugoslávia; Bulgária; Albânia e mais tarde a Alemanha Oriental.

Ao final do conflito mundial a economia da URSS estava arruinada e o número de mortes somava cerca de 20 milhões. Apesar disso ela emerge como uma grande potência do planeta.

Guerra Fria

No Pós-Guerra, EUA e URSS, surgem como as duas superpotências mundiais entrando em rivalidade na busca pela hegemonia mundial.

A partir desse momento ficaram bastante tensas as relações entre os Estados Unidos e a União Soviética que passaram a disputar áreas de influência internacional. Iniciava-se assim o período que ficou conhecido como Guerra-Fria que estendeu-se de 1947 (com a Doutrina Truman) até fins da década de 80.

O mundo foi bipolarizado, ou seja, dividido em 2 blocos que se diferenciaram geopolíticas ideologicamente: o Bloco Ocidental, liderado pelos Estados Unidos.Era composto pelos países capitalistas; O Bloco Oriental, conhecido como Cortina de Ferro era dominado pela URSS, compunha-se dos países socialistas.

A tensão entre as potências EUA e URSS era grande. Para os norte-americanos a União Soviética e o socialismo representavam a negação de todos os seus princípios políticos; ditadura ao invés de Democracia; planejamento econômico centralizado ao invés da liberdade de escolha e do pensamento; e a sujeição do individuo ao estado.

O confronto entre EUA e URSS foi intenso, estendendo-se pelos planos da economia, tecnologia e armamentos. Procurando sempre superar forças um do outro, ambos mergulharam em uma acirrada corrida armamentista. Houve grande investimento em tecnologia, indústrias bélicas (como as de aviões, submarinos, helicópteros, mísseis...) industria aeroespacial e especialmente Industria Nuclear.

Já quando lançaram as bombas sobre Hiroshima e Nagasaki os Estados Unidos pretendiam mostrar a URSS seu poderio militar.

O mundo viveu um período de grande tensão, pois caso as potências se confrontassem diretamente suas armas nucleares se encarregariam de não deixar sobreviventes. Seria o fim da história. Durante esse período o que garantiu a paz foi justamente à premissa da mútua destruição assegurada.

Mas os conflitos entre EUA e URSS ocorriam de maneira indireta. Quando Estados Unidos URSS disputavam áreas de influência, o confronto se dada nas regiões pretendidas. Foi como aconteceu na Guerra da Coréia e a Guerra do Vietnã.

As duas superpotências também disputaram a corrida espacial. A União Soviética lança o primeiro satélite artificial em órbita da Terra o Sputinik em 1957m e o primeiro homem a viajar na órbita da terra Iuri Gagarin em 1961. Os Estados Unidos lançam seu 1º satélite artificial Explorer em 1958. Na década de 60 e 70 a competição espacial se intensificou.

A União Soviética rivalizou com os Estados Unidos na busca pela hegemonia mundo durante toda o período da Guerra Fria.

A Industrialização sob uma economia planificada  

A União Soviética, em sua maior expansão territorial, no pós-guerra passou a ser composta por quinze repúblicas, ocupando um território de 22,4 milhões de quilômetros quadrados; englobando mais de uma centena de povos.

Enquanto o mundo se guiava pelos padrões tecnológicos, da 2º Revolução Industrial, a economia soviética funcionou bem. A URSS cresceu em termos tecnológicos se fortaleceu militarmente. Até então seu modelo de economia estatizada e planejada funcionou bem.

A industrialização foi beneficiada pelos recursos do subsolo, principalmente o carvão e a linhita. Isso favoreceu a instalação de poderosas usinas termelétricas localizadas em áreas carboníferas, nas Ucrânia e em Moscou e diversas usinas hidrelétricas. Também há imensos recursos em minerais ferrosos e não ferrosos.

A partir do ingresso da URSS na 2º Guerra Mundial, foi priorizada a indústria bélica. Isso aconteceu no 3º plano qüinqüenal.

O quarto plano qüinqüenal (1946-1950) foi direcionado para a recuperação da economia reconstrução das fábricas e das obras de infra-estrutura destruídas pela guerra. Investiu-se na construção de barragens, ferrovias, redes de transporte etc.

Os planos que vieram a seguir continuaram a priorizar o setor industrial pesada e bélico. Principalmente industrias como a siderúrgica, a petrolífera a de maquina e equipamentos. O setor bélico destacava-se na produção de: aviões, navios, submarinos, helicópteros, carros de combate, bombas, mísseis, metralhadoras, fuzis, canhões, obuses etc.

A União Soviética por um grande período ditava juntamente os Estados Unidos, ritmo das pesquisas cientificas ciência e tecnológica.

Destacou-se nas indústrias aeroespacial, nuclear, de informática, na tecnológica bio-industrial, engenharia genética e outros ramos da pesquisa avançada.

Do pós-guerra até os anos 70 a União Soviética conseguiu acompanhar e por diversas vezes liderar os níveis tecnológicos e produtivos, mantendo-se como potência não só militar, mas econômica.


3) O declínio da URSS

Os movimentos separatistas que tiveram início nas republicas Bálticas (Lituânia, Estônia e Letônia) foram decisivos para desencadear uma desintegração em série das republicas soviéticas.

A grande diversidade étnica existente no leste europeu também tiveram uma grande parcela de contribuição para que essa desintegração acontecesse, mas a principal causa desses movimentos separatistas e movimentos nacionalistas era o descontentamento da população em relação ao sistema de governo existente.

A população começou a perceber que à distância que os separava dos ocidentais estava ficando cada vez maior e atribuíram esses retardos tecnológicos ao modelo econômico utilizado pelos governantes ultraconservadores que não apostaram na economia de mercado, não abriram mão do uni-partidarismo, preferiram sempre estar com o poder centralizado nas mãos do estado, enfim não contribuíram em quase nada para que um país de tão grandes dimensões não tivesse mergulhado em tão profunda crise tecnológica e econômica.

O descontentamento da população gerando movimentos nacionalistas também desencadeou uma série de conflitos no leste europeu , a maioria das repúblicas soviética partiu em busca de sua independência. Poucas republicas conseguiram sua independência sem derramamento de sangue.

Foi nesse contexto que em 1985 MIKHAIL GORBACHEV assume o governo e tenta reverter à situação, tentando fortalecer as republicas soviéticas e evitar a desintegração.

GORBACHEV inicia a dura transição da economia planificada para a economia de mercado. Inicia um período de reformas na URSS implantando a Glasnost e a Perestroika, que nada mais eram senão a abertura ou transparência política e a abertura da economia. A intenção era regularizar a situação econômica e política do país. Com essa abertura econômica, a URSS estava aceitando investimentos estrangeiros no país, coisa que até então não era possível. Outra tentativa para que não ocorresse esta desintegração foi à autorização à criação de outros partidos político além do PCUS. Apesar das tentativas de GORBACHOV em manter as republicas unidas, isso não foi possível, uma a uma as repúblicas soviéticas foram conquistando a sua independência. A URSS organizou até 30 de Dezembro de 91 quando se formou a CEI e a Rússia deixando o país então de ter um poder central único exercido pelo estado para construir sociedades democráticas.

O que é a CEI?

A CEI não é um país, como era a URSS, nem foi criada para substituir essa grande potência. É uma organização de cooperação entre antigas repúblicas que passaram muitos anos ligados pelo governo central de Moscou, porém dessa vez cada qual tem assegurado a sua soberania.

Essa organização cuja sede se localiza em Minsk, capital da Belarus, previa, por ocasião de sua fundação, além da cooperação econômica, a centralização das Forças Armadas e o uso de uma moeda comum, o rublo. Entretanto as repúblicas ainda não chegaram a um acordo para a integração político-econômica. Várias questões impendem o funcionamento amplo da CEI.

Ela é uma comunidade composta pela maioria das ex-republicas soviéticas. Trata-se de um aglomerado de países que mantém laços independentes, mantendo relações de cooperação, embora sob a hegemonia da Rússia, que na pratica, substituiu a União Soviética no cenário internacional.


4) A nova Rússia e a ordem mundial 

Desde a grave crise econômica que enfrentou ao longo dos anos 90, o país vem perdendo o status de potencia mundial. Seu quadro econômico já vinha se deteriorando desde a época da União Soviética. O fracasso da Perestroika e a desastrada transição para a economia de mercado lançaram o país em profunda recessão.

Os desequilíbrios ocorridos neste período (1991-1999), levaram muitos investidores a retirar o seu dinheiro do país. Assim, em agosto de 1998, teve inicio uma forte crise financeira, que levou op governo russo a decretar a moratória da divida externa.

Essa atitude afetou o mercado financeiro mundial, provocando queda nas bolsas de valores e fuga de capitais também em outros mercados emergentes, como o Brasil. O FMI e outras instituições internacionais concederam um empréstimo de emergência ao governo russo, mas a situação continuou se agravando. Os capitais continuaram em fuga, até mesmo o dinheiro emprestado, o que forçou o governo a desvalorizar o rublo e aumentar as taxas de juros. A conseqüência disso foi o aumento do desemprego, o aumento da pobreza que já estava grande e o aumento da concentração de renda no país.

Essa transição caótica da União Soviética para a economia de mercado propiciou as condições ideais para a penetração generalizada do crime organizado nas atividades empresariais da Rússia e das demais republicas. Também induziu a proliferação de atividades criminais originarias da Rússia e da ex-União Soviética, tais como o trafico de armas, materiais nucleares, metais raros, petróleo, recursos naturais e a moeda. As organizações criminosas internacionais associaram-se a centenas de redes das máfias pós-sovieticas, muitas delas organizadas em torno de determinadas etnias, para lavar dinheiro, adquirir propriedades de valor e assumir o controle de negócios lucrativos, tanto legais como ilegais. Para se ter uma idéia da influencia destas máfias, em 1997 estimou-se que 41.000 empresas industriais, 50% dos bancos e 80% das joint ventures, tinham algum tipo de conexão criminosa. Alem disso, a economia informal (sem registros) representa 40% da economia russa.

Conflitos Etnicos

Os conflitos étnicos que passaram a ocorrer com grande freqüência depois da desintegração da União Soviética, a partir do final dos anos 80, devem ser entendidos levando-se em conta os seguintes aspectos:

  • Grande parte das fronteiras internas da URSS não foi bem definida historicamente;
  • Nas ultimas décadas, o crescimento demográfico dos grupos não russos, especialmente o dos muçulmanos da Asia Central, foi muito mais elevado que o do grupo russo;
  • Apesar de o grupo russo estar concentrado na Republica russa, cerca de 25 milhões de russos estão espalhados por quase todas as outras regiões do país;
  • Existem cerca de 45 milhões de não russos vivendo fora de seus territórios étnicos originais.

Como conseqüência desses fatores (especialmente os dois últimos) conclui-se que nenhuma das republicas que faziam parte da URSS era totalmente homogênea do ponto de vista étnico.  Em vista de tudo isso, os conflitos que ocorreram na URSS e que ainda ocorrem em regiões que dela fizeram parte, podem ser classificados em pelo menos quatro parte :

  • O primeiro deles opõe uma minoria não russa contra o poder central estabelecido em Moscou, muito influenciado pelos russos. EX: Letônia, Lituânia e Estônia.
  • O segundo tipo de conflito é aquele que envolve minorias não russas lutando entre si.Ex : região do Cáucaso.
  • O terceiro tipo é aquele em que as duas formas de conflitos citados anteriormente ocorrem ao mesmo tempo. Ex: Republica da Geórgia.
  • O quarto tipo de conflito é aquele no qual segmentos de um mesmo grupo étnico lutam entre si para alcançar o poder numa determinada republica. Ex: também na Geórgia.

Os conflitos de caráter étnico sempre preocuparam Gorbatchov, que chegou a afirmar, em 1989, que o sucesso ou o fracasso da Perestroika dependeria decisivamente de como o agudo e complexo problema das nacionalidades fosse resolvido. No final de 1991, depois da queda de Gorbatchov e do esfacelamento da URSS, o problema continuava sem solução.

Não há duvida de que a própria sobrevivência da Comunidade de Estados Independentes esta vinculada, em grande medida, a uma resolução para esse intrincado problema das nacionalidades.

Considerações Finais

O objetivo do presente trabalho foi de  expor os principais pontos pertinentes que envolveram todo o processo de formação da Rússia, desde a formação do Império Russo, a passagem para a URSS e a conseqüente desintegração ocorrida  em meados da década de 90. Procurou-se desta forma, abordar os principais fatores geopolíticos e geo-economicos que influenciaram, no decorrer das décadas, todas as transformações que este país sofreu e que ainda sofre, fruto da sua recente desintegração, cuja grande maioria dos problemas ainda estão ausentes de solução, como por exemplo, os problemas sociais causados pelo grande impacto da adoção de economia de mercado e de uma indefinição política e territorial acerca das diversas etnias existentes.

Por: Irineu Júnior
 

Veja também:



Comente!

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o