Home Literatura > Realismo em Portugal

Realismo em Portugal

O Realismo começou em Portugal em 1865 com a Questão Coimbrã. Nela, havia um embate entre os jovens portugueses, cheios das ideias francesas, inglesas e alemãs, e aqueles que eram a favor do Romantismo, escola antecessora do Realismo.

Um desdobramento da Questão Coimbrã foi a discussão entre Antonio Feliciano de Castilho e Antero de Quental, poeta que defendia a responsabilidade da poesia, enquanto o outro defendia sua naturalidade.

Publicidade

As manifestações literárias do Realismo português

As manifestações realistas são prosa e poesia. Na poesia, destaca-se Antero de Quental: ele era contrário à poesia ultrarromântica e se empenhava em defender uma poesia com intuito social, com responsabilidade, usada como instrumento na busca filosófica pela verdade.

Cesário Verde é outro nome importante: sua linguagem é espontânea, seu tom coloquial e ele utiliza cores, sons e imagens, antecipando recursos que seriam usados por Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa. Há também diferença na abordagem de temas como a mulher, o amor e a cidade, sendo uma abordagem menos lírica.

Na prosa destaca-se Eça de Queirós, cujos romances traziam marcações do determinismo e impressionismo, com o intuito de realizar críticas ao clero e à burguesia. Seu estilo era direto, fazendo muito boa descrição dos lugares e também do comportamento humano.

Publicidade

As características do Realismo português

É possível apontar como características do Realismo o objetivismo, o conceito de “não-eu”, o universalismo, o materialismo, a preocupação com o presente, determinismo, cientificismo, a negação da burguesia e ao clero, sendo anticlericais.

Retrato de Eça de Queirós
Eça de Queirós

Objetivismo e o “não-eu”

Há grande reflexo do contexto histórico nas características do Realismo. O objetivismo é uma das características mais marcantes, encontrado nas produções realistas como a negação ao subjetivismo romântico. O homem é mostrado como alguém interessado naquilo que está fora dele, diante dele, o que constitui o conceito do “não-eu”.

Materialismo e preocupação com o presente

Uma das características do Realismo é o materialismo, fazendo com que seja negada a metafísica e o sentimentalismo. Diferente do Romantismo, a volta ao passado e o nacionalismo não são mais importantes: o foco agora é a valorização do presente.

Determinismo e cientificismo

Os autores realistas são influenciados por Hypolite Taine e adeptos do determinismo, que diz que o homem é influenciado pelo momento, pelo meio e pela raça. Há também grande avanço da ciência, o que influencia a estética realista e traz como característica o cientificismo.

A negação ao clero e à burguesia

Analisando as obras literárias do Realismo é claramente identificada a negação ao clero e à burguesia, sendo que a negação da burguesia acontece a partir da chamada célula-mãe da sociedade: a família. Essa é a explicação para haver tantos triângulos amorosos nas obras realistas: a negação da família.

Por: Gabriel Ferreira

Veja também: