Sais

As substâncias mais abundantes na natureza são os sais, quase sempre resultantes da reação entre ácidos e bases. Os mais conhecidos são o cloreto de sódio (sal marinho), nitrato de sódio (salitre), sulfato de cálcio (gesso) e carbonato de cálcio (mármore e calcáreo).

Os sais são composto iônicos, sendo, portanto, eletrólitos; são formados por uma reação entre um ácido e uma base.

Nessa reação, conhecida por reação de salificação, ou de neutralização, além do sal forma-se também água.

ÁCIDO + BASE ⇒ SAL + ÁGUA

Assim, por exemplo, o sal mais conhecido de todos, o cloreto de sódio, usado em cozinha, pode ser obtido por uma reação entre ácido clorídrico (HCI) e o hidróxido de sódio (NaOH):

HCI + NaOH ⇒ NaCI + H2O

Em solução aquosa, os sais sempre dão pelo menos um cátion diferente do H+ ou um ânion do OH. Assim, o cloreto de sódio, por exemplo, dá o cátion Na+ e o ânion CI.

Sal: eletrólito iônico formado por uma reação entre um ácido e uma base.

Propriedades funcionais dos sais

Sal grossoAs principais propriedades funcionais dos sais são:

– Geralmente possuem sabor salgado;
– Conduzem corrente elétrica, quando em solução aquosa;
– Podem reagir com ácidos, com bases, com outros sais e com metais.

Reações com sais

– Sal reagindo com ácido resulta em outro sal e outro ácido. Exemplo:

AgNO3 + HCI ⇒ AgCI + HNO3

– Sal reagindo com base resulta em outro sal e outra base. Exemplo:

K2CO3 + Ca(OH)2 ⇒ CaCO3 + 2KOH

– Sal reagindo com sal, resulta em dois novos sais, por uam reação de dupla troca. Exemplo:

NaCI + AgNO3 ⇒ NaNO3 + AgCI

– Sal reagindo com metal resulta em outro sal e outro metal, através de uma reação de simples troca. Exemplo:

K + NaCI ⇒ Na + KCI

Tipos de sais

Os sais podem ser normais, básicos e duplos. Aqui estudaremos apenas os sais normais.

Os sais normais podem ser:

– Sais  oxigenados – os que derivam dos oxiacidos;
– Sais não-oxigenados – os que derivam dos hidrácidos.

Cloreto de sódio (NaCl)

– Alimentação – É obrigatória por lei a adição de certa quantidade de iodeto (NaI, KI) ao sal de cozinha, como prevenção da doença do bócio.
– Conservação da carne, do pescado e de peles.
– Obtenção de misturas refrigerantes; a mistura gelo + NaCl(s) pode atingir -22°C.
– Obtenção de Na, Cl2, H2, e compostos tanto de sódio como de cloro, como NaOH, Na2CO3, NaHCO3, HCl, etc.
– Em medicina sob forma de soro fisiológico (solução aquosa contendo 0,92% de NaCl), no combate à desidratação.

Este sal é intensamente usado na alimentação e também na conservação de certos alimentos; além disso, é um dos componentes do soro caseiro, usado na combate à desidratação. No sal de cozinha, além do cloreto de sódio existe uma pequena quantidade de iodeto de sódio (Nal) e de potássio (Kl). Isso previne o organismo contra o bócio ou “papo”, doença que se caracteriza por um crescimento exagerado da glândula tireóide, quando a alimentação é deficiente em sais de iodo.

Nitrato de sódio (NaNO3)

– Fertilizante na agricultura.
– Fabricação da pólvora (carvão, enxofre, salitre).

Conhecido como salitre do Chile, esse sal é um dos adubos (fertilizantes) nitrogenados mais comuns.

Carbonato de sódio (Na2CO3)

– O produto comercial (impuro) é vendido no comércio com o nome de barrilha ou soda.
– Fabrição do vidro comum (maior aplicação): Barrilha + calcáreo + areia ⇒ vidro comum
– Fabricação de sabões.

Bicarbonato de sódio (NaHCO3)

– Antiácido estomacal. Neutraliza o excesso de HCl do suco gástrico.

NaHCO3 + HCl ⇒ NaCl + H2O + CO2

O CO2 liberado é o responsável pelo “arroto”.

– Fabricação de digestivo, como Alka-Seltzer, Sonrisal, sal de frutas, etc.

O sal de frutas contém NaHCO3 (s) e ácidos orgânicos sólidos (tartárico, cítrico e outros). Na presença de água, o NaHCO3 reage com os ácidos liberando CO2 (g), o responsável pela efervecência:

NaHCO3 + H+ ⇒ Na+ + H2O + CO2

– Fabricação de fermento químico. O crescimento da massa (bolos, bolachas, etc) é devido à liberação do CO2 do NaHCO3.

– Fabricação de extintores de incêndio (extintores de espuma). No extintor há NaHCO3 (s) e H2SO4 em compartimentos separados. Quando o extintor é acionado, o NaHCO3 mistura-se com o H2SO4, com o qual reage produzindo uma espuma, com liberação de CO2. Estes extintores não podem ser usados para apagar o fogo em instalações elétricas porque a espuma é eletrolítica (conduz corrente elétrica).

É usado em medicamentos que atuam como antiácidos estomacais. É também empregado como fermento na fabricação de pães, bolos, etc., uma vez que libera gás carbônico aquecido. o gás carbônico permite o crescimento da massa. É, ainda, usado para fabricar extintores de incêndio de espuma.

Fluoreto de sódio (NaF)

– É usado na prevenção de cáries dentárias (anticárie), na fabricação de pastas de dentes e na fluoretação da água potável.

Carbonato de cálcio (CaCO3)

– É encontrado na natureza constituindo o calcário e o mármore.
– Fabricação de CO2 e cal viva (CaO), a partir da qual se obtém cal hidradatada (Ca(OH)2):

CaCO3 ⇒ CaO + CO2
CaO + H2O ⇒ Ca(OH)2

– Fabricação do vidro comum.
– Fabricação do cimento Portland: Calcáreo + argila + areia ⇒ cimento Portland
– Sob forma de mármore é usado em pias, pisos, escadarias, etc.

Componente do mármore, é usado na confecção de pisos, pias, etc. O carbonato de cálcio (calcário) é também empregado na fabricação do vidro comum e do cimento.

Sulfato de cálcio (CaSO4)

– Fabricação de giz escolar.

O gesso é uma variedade de CaSO4 hidratado, muito usado em Ortopedia, na obtenção de estuque, etc. É um sal usado na fabricação do giz e do gesso de porcelana.

Veja também:

Veja também

ferrugem

Oxidação e Redução

Na classificação das reações químicas, os termos oxidação e redução abrangem um amplo e diversificado ...