Genética

Conceitos básicos de genética

Para compreensão da genética, é fundamental conhecer alguns conceitos usados no seu estudo.

Cromossomos

São constituídos por uma longa molécula de DNA enrolada em espaços regulares correspondentes aos genes. O local específico de um gene recebe o nome de lócus (grego: local da informação); o plural é loci.

Gene

Unidade de transmissão hereditária. Corresponde a uma sequência do DNA responsável pela síntese de uma proteína.

Genes alelos

São aqueles que ocupam o mesmo loco (lócus) em cromossomos homólogos e determinam o mesmo caráter.

Cromossomos homólogos

Aqueles que carregam os mesmos alelos, apresentando variantes para os mesmos genes.

Conceitos de genética.
Esquema indicando algumas partes de um cromossomo.

Cromossomos homólogos são provenientes dos progenitores (pais biológicos) e formam pares no núcleo de células diploides. A espécie humana apresenta 46 cromossomos divididos em 23 pares de cromossomos homólogos. Apresentam a mesma sequência de genes, relacionados com as mesmas características genéticas.

Genótipo

É o conjunto de genes de um indivíduo, responsável pela expressão do caráter, ou seja, de suas características. Corresponde ao seu patrimônio genético.

Em genética, usamos o termo “normal” para designar os genótipos esperados em um cruzamento, e o termo “anomalia” para designar os genótipos de doenças, síndromes ou não esperados, fora do padrão, pois esses genótipos podem dificultar a sobrevivência dos indivíduos portadores. Ou seja, essa classificação é usada em termos de adaptabilidade dos indivíduos na natureza.

No entanto, é importante apontar que, do ponto de vista social, as diferenças de genótipos e fenótipos são normais e que os seres humanos criam meios para que, mesmo as pessoas com alterações genéticas, possam sobreviver e ter uma vida plena.

Fenótipo

Refere-se aos aspectos externos (morfológicos ou funcionais) do indivíduo, resultado da interação do genótipo com o meio ambiente. É a manifestação do caráter ou de suas características.

Caráter ou característica

É o fenótipo do indivíduo determinado pelo seu genótipo. Exemplos: cor da flor, altura da planta. Em organismos diploides, no mínimo um par de genes determina cada característica.

Caráter dominante

Gene que manifesta o mesmo fenótipo, quando em dose dupla ou mesmo na presença do alelo recessivo. Geralmente é representado por letra maiúscula.

O genótipo AA ou Aa determina lobo da orelha livre, porque o alelo A (lobo livre) é dominante sobre o alelo a (lobo aderente).

Conceito de caráter dominante em genética.
Lobo da orelha aderente e lobo da orelha livre. Esse caráter, na espécie humana, é determinado por um par de genes com dominância completa.

Existem diferentes tipos de dominância, como se vê a seguir.

  • Dominância completa é aquela que, num indivíduo heterozigótico, a característica que se manifesta é apenas a dominante, sem nenhum traço da característica recessiva. Nesse cenário existem apenas dois tipos de fenótipo para os indivíduos — dominante ou recessivo.
  • Dominância incompleta é aquela que fará o indivíduo heterozigótico apresentar um fenótipo nem dominante nem recessivo, mas intermediário.
  • Codominância é a situação em que o indivíduo heterozigótico é descendente de dois homozigóticos dominantes antagônicos, e esse descendente vai apresentar as duas características simultaneamente.

Caráter recessivo

Gene inibido pelo alelo dominante, manifesta-se quando em dose dupla. Geralmente está representado por letras minúsculas.

Gene aa (lobo da orelha aderente) é caráter recessivo para a espécie humana.

Homozigoto

Indivíduo possuidor, para dado par de alelos, de dois genes iguais. Genes AA ou aa — o homozigoto é chamado dominante ou recessivo.

Heterozigoto

Indivíduo possuidor, para dado par de alelos, de um gene diferente do outro. É representado por genes Aa.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também