Administrador Especialista e Generalista

Com o mercado de trabalho competitivo e acirrado no final do século XX, e no início do século XXI, muitas pessoas que são profissionais na área de administração se pergunta: serei um administrador generalista, que entende um pouco de tudo, ou serei um administrador especialista, que entende de tudo um só pouco. Neste trabalho de pesquisa, estão algumas abordagens sobre o assunto, e que ajudará em sua escolha.

VOCÊ É UM ESPECIALISTA OU UM GENERALISTA?

Existem pessoas que sabem um pouco de tudo de Internet. Elas possuem ao mesmo tempo boas noções de redação, direção de arte, programação, dos processos de criação e produção de um site ou peça publicitária. Existem também os especialistas – aquelas pessoas que estão focadas somente em um determinado assunto, como programação em php ou arquitetura da informação.

O administrador e o mundoCom o amadurecimento da Internet, estão surgindo muitos profissionais especializados. São, por exemplo, os arquitetos de informação, os programadores especializados em apenas uma linguagem e os diretores de arte que não sabem um comando sequer de flash.

Por outro lado, os profissionais que sabem um pouco de tudo, como os gerentes de projeto, continuam sendo requisitado no mercado. E isso tem dado origem a uma grande dúvida dos profissionais: especializar-se ou tornar-se um multiprofissional?

Antes de tudo, não existe uma resposta para essa dúvida – seria como dizer a você que faculdade fazer para ser bem sucedido no futuro. Existem apenas situações que podem indicar a decisão que mais se adapta ao seu perfil.

Para ajudar nessa decisão difícil, vou fazer uma analogia entre uma construção e a Internet. Imagine que você vai construir uma casa. No mundo ideal, ao construí-la você tem um terreno, um projeto, arquitetos, engenheiros, construtores e fases de desenvolvimento. Quando estiver tudo pronto, você aprova e finalmente vai morar. O processo de criação e produção de materiais para Internet é muito parecido: você tem um local para hospedar ou veicular seus trabalhos, o trabalho de planejamento, criação e produção dos materiais que, depois de aprovados, vão ao ar.

Uma pessoa pode construir uma casa sozinha, mas não pode construir um prédio. O mesmo acontece com um trabalho de Internet: você pode construir um site pequeno sozinho, mas teria muita dificuldade em produzir uma aplicação como Internet banking. E aí estão as diferenças que podem ajudar na sua decisão profissional.

Se você gosta de trabalhar com grandes projetos e grandes clientes, a especialização é o seu caminho. Nas grandes agências e produtoras, cada pessoa tem funções bastante específicas, pois há verba para manter uma estrutura com todos os profissionais necessário.

A primeira desvantagem é que grandes projetos e grandes clientes, assim como os lugares que os realizam, estão em número bastante limitado. Dá para contar nos dedos, por exemplo, quantas agências possuem um profissional que faz a revisão de textos.

A segunda desvantagem é que a especialidade que você escolheu pode ser apenas uma moda que, quando passar deixará você deslocado profissionalmente.

Nas grandes empresas também existe espaço para os multiprofissionais, mas em funções gerenciais – se o seu objetivo é tornar-se um gerente, coordenador ou diretor, você precisa saber um pouco de tudo.

Por outro lado, em projetos com verba reduzida (a maioria), um profissional realiza várias funções: o diretor de arte também pode fazer o flash, o programador pode fazer ao mesmo tempo HTML, flash e o banco de dados.  As produtoras e agências de médio e pequeno porte, que são a maioria das oportunidades de trabalho, precisam trabalhar com os multiprofissionais porque é muito caro manter uma grande equipe de profissionais especializados.

As vantagens de ser um multiprofissional são ter mais facilidade para encontrar oportunidades de trabalho (inclusive freelas) e a possibilidade de conseguir cargos gerenciais.

A desvantagem de ser um multiprofissional é a falta de foco: você dificilmente se tornará o melhor em uma especialidade e pode ter dificuldade em se colocar no mercado por não saber exatamente qual a sua função.

Outra desvantagem é que muitas empresas tiram proveito dos multiprofissionais. Ao usar uma pessoa quando deveria haver uma equipe, é claro que o trabalho sai com uma qualidade inferior.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Com sólida formação generalista, o administrador público propõe políticas nos planos federal, estadual e municipal.

O administrador público atua principalmente no âmbito das instituições públicas e junto às empresas privadas, mas suas ações têm se destacado, também, no universo das organizações não governamentais (ONGs). “ele pode, ainda, buscar uma complementação de sua formação em programas de pós-graduação, em áreas com a economia, as engenharias e a sociologia”, informa o coordenador do curso de Administração Pública da Faculdade de Ciências e Letras (FCL) da UNESP, campus de Araraquara, Dalton Geraldo Guaglianoni.

Sempre de acordo com Guaglianoni, para obter sucesso o profissional deve ser criativo, flexível, comunicativo, despojado de preconceitos e hábil negociador. Precisa também ter espírito crítico, saber ouvir mais do que falar, possuir raciocínio lógico aguçado, ter facilidade com números e ser dotado de elevado senso de justiça. “o administrador público precisa ser mais generalista do que especialista, pautando-se sempre por princípios de igualdade e justiça social”, ele pondera.

Para fazer frente ao crescente processo de municipalização de políticas públicas, o mercado de trabalho, segundo o coordenador, vem apresentando um sensível crescimento da demanda por profissionais da área de administração pública. “os municípios são, portanto, importante possibilidade de colocação para os profissionais da área”, afirma. “as ONGs têm absorvido grande número de administradores públicos” devido a necessidade de uma maior profissionalização do setor, as ONGs têm absorvido grande número de administradores públicos”.

O mercado demanda, cada vez mais, profissionais com visão ampla do mundo e aptos a relacionar diversos elementos que envolvam pessoas, materiais, recursos disponíveis e competência técnica para realizar o objetivo proposto. Essas competências são essenciais, por exemplo, quando se trata de escolher o melhor lugar para construir um posto de saúde ou a elaboração do melhor traçado de uma estrada. O local selecionado, a população beneficiada e a manutenção do serviço em termos de infra-estrutura e recursos humanos são variáveis que não podem ser deixadas de lado.

O distrito federal e as capitais estaduais são os locais onde surgem as maiores oportunidades profissionais. Esses locais abrigam as estruturas administrativas responsáveis pela tomada das mais diversas decisões, que incluem, por exemplo, as numerosas variáveis envolvidas desde o projeto até a execução de uma obra publica “como nessas cidades funcionam grandes estruturas administrativas, é natural que a boa parte dos profissionais da área se concentrem nelas”, afirma Guaglianoni.

Devido a necessidade de uma formação eclética, o currículo do curso inclui disciplinas bem diversas, tais como Teoria da Administração, direito Administrativo, contabilidade pública e marketing. “Essa base sólida permite que os alunos desenvolvam a capacidade de estabelecer elos entre diferentes informações e possam elaborar e propor políticas públicas nos plano federal, estadual e municipal”, conclui o docente da FCL.        


ESPECIALISTA OU GENERALISTA, SER OU NÃO SER? 

Tempos em tempos muda o perfil exigido pelo mercado para determinados profissionais. Bola da vez entre os Administradores é o profissional generalista, embora o especialista continue sendo indispensável. Num mercado complexo e diversificado, o que ser então? Especialista ou generalista? A resposta parece ser generalista com especialidade.

Um profissional generalista é um especialista capaz de interagir, interceder entre áreas de uma organização. “É generalista porque tem competência de costurar os vários setores de uma organização”, define o presidente do CRA-RJ, Wagner Siqueira. Ele alerta para o risco de ser considerado generalista “aquele profissional borboleta, que fica pulando de setor em setor porque sabe um pouquinho de cada área”.

O grande desafio para os cursos de administração e para os docentes é formar esse administrador generalista/polivalente. O presidente do CFA e da Comissão de especialistas do MEC para ensino de administração, Rui Otavio Bernandes de Andrade, ressalta que “o conceito de polivalente do generalista, em que o administrador não apenas domina diferentes técnicas, equipamentos e métodos, mas, acima de tudo, conhece a origem destas técnicas, os princípios científicos e técnicos que embasam os processos produtivos, apreende as implicações do seu trabalho, seu conteúdo ético, compreendendo não só como fazer, mas o que fazer”.

Conjunto de competências para a qualificação real

(competência intelectuais) Características/habilidades: Reconhecer e definir problemas,equacionar soluções, pensar estrategicamente, introduzir modificações no processo de trabalho,atuar preventivamente, transferir e generalizar conhecimentos.

(técnicas ou metódicas) aplicar conhecimentos técnicos, métodos e equipamentos necessários à execução de tarefas especificas e gerenciamento do tempo e espaço de trabalho autoplanejar-se e de autoorganizar-se.

(organizacionais, comunicativas) expressão e comunicação com o seu grupo, superiores e hierárquicos ou subordinados, cooperação, trabalho em equipe, diálogo, exercício da negociação e de comunicação interpessoal.

(social) utilizar todos os seus conhecimentos nas diversas situações encontradas no mundo do trabalho e transferir conhecimentos da vida cotidiana para o ambiente de trabalho e vice-versa. Comportamentais iniciativa, criatividade, vontade de aprender, abertura as mudanças, consciência da qualidade e das implicações éticas do seu trabalho, acarretando o envolvimento da subjetividade do individuo na organização do trabalho.

(políticas) refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção, na esfera pública, nas instituições da sociedade civil, constituindo-se como atores sociais dotados de interesses próprios que se tornam interlocutores legítimos e reconhecidos.


ENTREVISTA: “GENERALISTA OU ESPECIALISTA?”

News: Qual a característica mais importante ao administrador - o profissional generalista, o especialista, o administrador de conflitos, o planejador? Ou todas em doses adequadas a cada desafio?

WS: É certo que prevalece, hoje, no mercado de trabalho, em substituição ao especialista, o perfil profissional do administrador.Generalista/polivalente, como um cidadão do mundo, com uma formação global e humanista, hábil negociador, preditivo em suas análises, planejador inconteste para fazer frente aos novos imperativos conceituais derivados do novo paradigma, que institui e norteia a nova cidade. Neste caso, o conceito de polivalência aproxima-se do conceito de generalista, em que o administrador não apenas domina diferentes técnicas, equipamentos e métodos, mas, acima de tudo, conhece a origem dessas técnicas, os princípios científicos e técnicos que embasam os processos produtivos, apreende as implicações do seu trabalho, seu conteúdo ético, compreendendo não só como fazer, mas o porquê fazer; ou seja, deve dominar o saber-pensar, o aprender-apreender para não ser objeto da modernidade, mas o seu sujeito criativo, marca fundamental do cidadão moderno, capaz de atuar com autonomia crítica e criativa e, principalmente, de ser ator de um projeto moderno e próprio de desenvolvimento.
A capacidade de questionamento crítico e criativo, que perfaz tanto o centro do conhecimento quanto uma das bases da cidadania, forja-se pela via do aprender¬-apreender, do saber-pensar.

News: Qual é a grande escola para os administradores: a empresa familiar, a multinacional ou a empresa pública?

WS: Penso que a grande escola para os administradores, longe da definição pela escolha de uma das categorias acima, situa-se no continuum organizacional que possibilite mutuamente ao administrador e à empresa o alcance de níveis significativos e crescentes de desenvolvimento pessoal, profissional e institucional, seja no espaço da empresa familiar profissionalizada, da empresa pública produtiva, da empresa multinacional, ou de outra qualquer categoria de atividade econômica, em que as empresas de todos os portes incorporem nos seus negócios, entre outras orientações, as seguintes e principais:

  • a integração com a contemporaneidade do mundo implica maior desenvolvimento e apropriação da ciência e da tecnologia, enquanto principais instrumentos da dinâmica do sistema produtivo;
  • a sobrevivência da organização depende de sua capacidade de adaptação ao ambiente externo e interno, portanto, o administrador deve ser o principal agente no processo de mudança da forma de pensar, agir e de decidir os rumos da organização;
  • ter estruturas altamente flexíveis, ao contrário das empresas tradicionais, para enfrentar as turbulências e incertezas dos dias de hoje;
  • a inovação permanente, como fator estratégico e diferencial competitivo para a sobrevivência da organização, ou seja, "approach" de verbas cada vez mais volumosas destinadas à criação de novos produtos, serviços, sistemas e processos em um movimento determinado rumo ao novo;
  • a empresa operando cada vez mais em redes (networks);
  • no mundo do pluralismo e da multiplicidade, deter e alimentar uma marca
  • reconhecida e respeitada será uma estratégia cada vez mais perseguida;
  • sólida cultura, com o alinhamento de valores e princípios, e a determinação de uma visão compartilhada será cada vez mais fator diferenciação competitiva das organizações;
  • o indivíduo responsável pelo seu próprio sucesso Profissional e pelo planejamento de sua carreira, instrumentando-se para o destino e para o futuro;
  • ambiente humano mais propício ao desenvolvimento e à recompensa forma mais justa de seu real valor;
  • formação continua e permanente associada à empregabilidade;

Valorização das potencialidades das pessoas.

A empresa que não trilhar este caminho estará praticando a tática mais rápida para o seu fracasso. Sabe-se que a administração tradicional - aquela de organização jurássica e burocrática - vem dedicando uma parcela de sua energia, tempo e recurso cada vez menor, ao verdadeiro valor das organizações: sua inteligência competitiva ou, usando uma expressão de cunho mais tecnológico, o seu ativo intangível.

News: As empresas no Brasil, nacionais ou multinacionais, passaram por grandes transformações nos últimos dez ou quinze anos. Como foi a atuação dos administradores nesse processo: decisiva ou perderam terreno para engenheiros e outros profissionais?

WS: Muitos cargos intermediários dessa categoria profissional foram eliminados nos últimos anos em conseqüência da redução dos níveis de administração, substituídos ¬pela tecnologia, excluídos dos programas de mudança de "cima para baixo" e marginalizados pelas delegações de poder de "baixo para cima.

Todavia, a redução dos níveis hierárquicos, a delegação de responsabilidade e a reestruturação em torno de processos não eliminaram a necessidade da .administração e dos administradores. O número, a distribuição, os padrões e as carreiras Profissionais dos administradores podem ter mudado, mas os requisitos fundamentais da administração - controle, coordenação e direção - mantêm-se; a produção e distribuição de bens e/ou serviços necessitam da administração da aplicação de recursos essenciais.


“O estilo do administrador dominante”

Por Miguel Zacarias Neto

Resumo - As certezas em administração empresarial estão caindo. Cada vez mais as organizações deverão requerer dos jovens executivos, além das aptidões de conhecimento técnico, atitudes interpessoais, domínio do quadro como um todo e habilidades para integrar todas as funções de uma empresa. O importante, o factual, hoje, na administração empresarial não é saber qual função deveria ser dominante. O ambiente contemporâneo exige que pessoas e processos combinem e alternem as funções de especialista com as de administração geral. Falamos do especialista genérico, aqueles e aquelas capazes de revigorarem uma empresa de visão e de atitudes estreitas. Este perfil demanda versatilidade e capacitação de enxergar e agir na administração geral assimilando com poder de discussão sintético, consistente, criativo e pro-ativo, as mais diversas áreas de influência de uma empresa, além de estar disponível à aproximação e à comunicação, encorajar e responder ao fluxo de idéias de baixo para cima e da adoção de flexibilidade de comportamento.

Aprender de forma criativa é uma das formalidades de executivo deste e do próximo século, e as organizações que entenderem esta "máxima" e investirem em seus talentos, ou em seus recursos humanos, certamente terão em suas mãos a chave para o alongamento e ou sobrevivência de sua organização. Quando falamos em organização, entenda-se toda e qualquer empresa independentemente de tamanho e/ou ramo de atividade em que atua.

A administração, por um lado, exige experiências fundamentadas em conhecimentos sistemáticos, mas a necessidade específica de hoje é de conhecimentos amplamente difundidos. Os jovens executivos com especialização diferente, além de entenderem-se uns com os outros, requerem variedade de conhecimento para que a aplicação de sua especialidade seja eficaz dentro de um conjunto maior de realizações.

Seria o marceneiro que é pedreiro e eletricista, um pouco catimbeiro, amigo e faceiro que convive em harmonia, integrado aos demais parceiros construindo algo com habilidade, flexibilidade; conforme o que lhe parece tecnicamente bem pelos seus conhecimentos específicos e técnicos, em consonância com o mestre-de-obras e engenheiro, mas com a perspectiva, visão e necessidade do usuário daquela construção. Indaga-se, então, é um especialista, um generalista ou um generalista especialista ou um outro modelo?

As origens destas mudanças estão intimamente ligadas às novas formas de gestão do conhecimento e da atitude dos executivos na empresa moderna e influenciada por processos altamente dinâmicos da transnacionalização da informação ou mais comumente conhecida como "efeito globalização ou internética".

Nunca foram e serão tão grandes os desafios aos administradores de empresas, que hoje, passam por processos e procedimentos descontínuos em resposta às alterações muito velozes no contexto da competição globalizada.

As estruturas e culturas verticais - centralizadoras, onipotentes, introvertidas - tendem fortemente a converterem-se em modelos horizontais (equipes) e em times (foco em mercado). A reengenharia dos processos passa por cima das funções remodelando a organização prevalecendo a gestão.


PROBLEMAS BASILEIROS EM DEBATE: ENTREVISTAS

No curso oferecido pela Faculdade de Ciências e letras (FCL) da UNESP, campus de Araraquara, os alunos de Administração Pública discutem, em disciplinas optativas, como Economia Brasileira, Planejamento e Administração de Empresas Públicas, diversas facetas dos problemas brasileiros.

A partir do terceiro ano, o aluno cumpre 240 horas de estágio supervisionado. Esse estágio pode ser feito tanto no município de Araraquara como em cidades próximas, como Ribeirão Preto, Rio Claro ou São Carlos. Prefeituras e órgãos estaduais e federais instalados nesses municípios costumam oferecer um razoável número de vagas. Durante esse período, o estudante deve elaborar projetos que serão avaliados pelos professores.

O Centro Acadêmico de Administração Pública da FCL organiza, anualmente, a "Semana de Administração Pública", na qual são discutidas as principais tendências da área. Também são realizadas visitas técnicas periódicas a Brasília como formar talentos consultor diz que conhecimento das características individuais ajuda a criar times vencedores.

Por Lázaro Evair de Souza.

O administrador de empresas Jorge Matos, um carioca de 40 anos, conhece bem os meandros da alma humana. Afinal, já analisou o perfil de cerca de 20 mil pessoas. Baseado num sistema de estudo da personalidade, criado na década de 1920 pelo norte-americano William Marston, o especialista aperfeiçoou um programa denominado Desenvolvendo a Competitividade Pessoal. Composto de 24 questões, o método é bastante útil em testes vocacionais de estudantes e principalmente para formação e capacitação de equipes em empresas.

O teste se aplica a todo tipo e porte de empreendimento, pois a matéria-¬prima de análise é o ser humano, fator que independe do tamanho da organização', comenta.

Toda a base teórica e parte das técnicas de aplicação do método foram condensadas no livro Talento para a Vida, escrito por Matos em parceria com a psicóloga Vânia Portela, sua sócia na empresa Human learning Consultores Associados. Nesta entrevista a PEGN, ele fala também sobre as características dos empreendedores de sucesso.

Baseado em sua experiência em análise de perfis, qual a característica básica de uma pessoa empreendedora?

MATOS: É o tipo de personalidade que apresenta necessidade inexorável de realizar coisas. É o sujeito que nunca está satisfeito, nunca fica parado, busca constantemente novas tarefas. Ele precisa estar fazendo algo novo ou ter uma idéia nova todos os dias. Para conseguir seus objetivos procura pessoas e, como possui grande poder de persuasão, lhe é fácil convencê-¬Ias e motivá-Ias para segui-Io na sua empreitada.

Quais talentos são indispensáveis para um indivíduo abrir e tocar, com sucesso, um negócio?

MATOS: Agressividade, espírito desbravador, ambição, gosto pelo poder e pela autoridade, habilidade para fazer várias coisas ao mesmo tempo e um sentimento de nunca querer ficar à mercê de outros. Além desses talentos, o candidato a empreendedor normalmente deve ser persuasivo, de fácil relacionamento com pessoas, trabalhar bem as questões de insegurança, ter facilidade em construir redes de relacionamentos, ser um generalista e se preocupar pouco com normas e detalhes. Em suma: é um sujeito que tem a visão da floresta. Ah! Tem também de ser um pouco 'cara-de-pau'.

Como assim, 'cara-de-pau'?

MATOS: É isso mesmo. Sem uma boa dose de cara-de-pau não se vende nada. De pouco vale você ter um excelente produto se, ao bater na primeira porta para vender e receber um não na cara, você desistir. Tem gente que se deprime com as adversidades. O verdadeiro empreendedor sabe que o obstáculo, a porta na cara, faz parte do processo de venda e não se angustia com isso. Vai para a próxima porta. Parte para o próximo não.

Ele tem então de se acostumar com os nãos?

MATOS: Não. Ele precisa é estar consciente, e o empreendedor de verdade está, de que o fracasso é apenas uma das etapas do processo de venda. Se ele conhece bem o negócio em que atua e sabe que para vender seu produto são necessárias, por exemplo, 20 tentativas, não há motivos para se desesperar na décima quinta. Ele não pode sofrer ou se angustiar com algo que tecnicamente já está previsto.

Então alguém que se angustia diante das adversidades jamais deve montar um empreendimento?

MATOS: Não necessariamente. Ele pode muito bem se juntar a um sócio ou contratar alguém que o complemente, alguém com características diferentes das suas. Se o indivíduo é um especialista, pode faltar-lhe alguém que tenha suficiente motivação e até uma certa irresponsabilidade para colocar aquele produto no mercado. A recíproca também é verdadeira: um empreendedor corre o risco de perder tudo por não ter ao seu lado um parceiro capaz de lhe dar suporte técnico, analítico e administrativo para consolidar seu projeto.

A palavra de ordem nesse caso é encontrar o seu avesso?

MATOS: Exatamente. É preciso buscar o inverso dele para se completar. Encontrada tal pessoa, ele necessita também achar alguém parecido com ele para alavancar mais fortemente seu negócio. Mas, antes de fazer tudo isso, o indivíduo precisa ter a certeza de que se conhece em profundidade.

Conhecendo melhor os talentos próprios e dos outros fica mais fácil formar equipes?

MATOS: Acreditamos ser essa tarefa a base de tudo numa organização. Só que isso não é fácil. Existem hoje diversas ferramentas que ajudam em tal empreitada. Uma delas é o programa Desenvolvendo a Competitividade Pessoal, aperfeiçoado por nós com base no experimento em cerca de 20 mil pessoas. Ele permite não só conhecer cada indivíduo como também definir o time ideal para tocar um determinado projeto, identifica entre as pessoas de uma empresa quais as que se encaixam melhor na tarefa a ser realizada pela equipe, aponta quem tem perfil bom para liderar, antecipa quais demandas os liderados farão ao líder e até informa como será a relação entre eles. Quando se conhece bem as pessoas, elas rendem mais e os negócios melhoram.

E tal método se aplica a uma pequena empresa?

MATOS: Ele se encaixa em todo tipo de estrutura, pois a matéria-prima básica de análise é gente. E gente, com seus problemas e perfis, é igual, quer esteja numa microempresa ou num grande grupo. Como ele funciona? O princípio básico é aumentar a competência do empresário na tarefa de escolher e capacitar pessoas. Com a ajuda de um programa de computador, o método levanta o talento primordial dos indivíduos. A partir daí, o empreendedor pode saber, com exatidão, o que cada um faz melhor. De posse de tal informação é possível a ele aperfeiçoar o que seus funcionários têm de melhor, formar times que trabalharão de maneira mais harmônica, alinhar cargos de acordo com as personalidades, de maneira que o funcionário produza mais e melhor, ou até contratar um sócio para a empresa.

É possível também aperfeiçoar aptidões no empreendedor ou nos seus funcionários?

MATOS: Na medida em que se conhece em profundidade as principais características do indivíduo e se reconhece as lacunas existentes entre ela e o contexto em que atuam, fica muito mais fácil fazer correções. Se você sabe onde estão seus pontos fortes e fracos, assim como os da sua equipe, fica fácil identificar, nos seus empregados, fatores positivos e negativos, e desenvolver ações no sentido de corrigir tais lacunas por meio de treinamento, de forma a reduzir ou até eliminar as deficiências. É possível também fazer combinações de pessoas, de maneira a forjar equipes nas quais as deficiências individuais sejam compensadas pelas virtudes do grupo.

Na prática, como é a aplicação desses conceitos sobre aptidões das pessoas?

MATOS: É comum, nas empresas, notar que algumas pessoas não rendem bem numa determinada função e quando, por motivo aleatório, mudam para outra, se descobrem. O que o método faz é sistematizar tais trocas e descobertas a partir das análises dos perfis. Dessa forma, podemos tirar gente de atividades técnicas internas para executar funções de vendas ou vice-versa. Com isso, ganham os dois lados: o empreendedor, que conseguirá tirar o máximo dos seus funcionários; e estes, por atuarem exatamente nas áreas em que possuem as melhores aptidões, conseguirão melhorias salariais e maior estímulo na execução das tarefas.


CONCLUSÃO

Concluímos com essa pesquisa que existem oportunidades para todos, sendo um administrador especialista, você pode ser referência de conhecimento na sua especialidade e um profissional bastante disputado no mercado. Tornando–se generalista, você tem mais oportunidades no mercado, tem uma visão de projeto como um todo e pode conseguir cargos gerenciais de destaque com esses conhecimentos. Independente do caminho que escolher, faça de tudo para ser o melhor naquilo que faz.

Por: Renan Roberto Bardine



Comente:



Receba atualizações do site:

© Todos os direitos reservados à Cola da Web.com
Siga-nos:
O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.