Guerra Civil Espanhola

A Espanha era uma república desde 1931. Nas eleições de 1936, a frente popular composta por anarquistas e radicais programara um ataque às usinas de latifúndios e aos bens do clero. No mês de julho daquele mesmo ano, muitos atos vio­lentos aconteceram: foi assassinado um chefe monarquista, Calvo Sotelo; levantaram-se os militares comandados por Franco (Falange), em reação a uma possível socialização na Espanha, tendo contra si as grandes cidades, como Madri, Bar­celona e Valença.

Fascistas, monarquistas, grandes latifundiários, industriais e o clero passaram a lutar contra democratas, comunistas, anticlericais e operários. Havia começado a Guerra Civil, que se transformaria num conflito internacional e que, opondo fascis­tas e antifascistas, colocava em jogo o equilíbrio europeu.

Desde 1936, navios e aviões alemães e italianos participa­vam do transporte dos revoltosos falangistas do Marrocos pa­ra a Espanha. Mussolini encorajava esses grupos, procurando obter vantagens econômicas na Espanha e assegurar a hege­monia italiana sobre o Mediterrâneo Ocidental; a Alemanha intencionava obter prioridades nas exportações de minérios es­panhóis, indispensáveis a sua indústria de armamentos.

Barcelona e a Guerra Civil
Barcelona na Guerra Civil Espanhola

A França e a Inglaterra, por sua vez, temiam por seus in­teresses no Mediterrâneo, mas, como na crise etíope, mos­traram-se indecisas. Em 1936, aplicaram uma política de não-intervenção que as demais nações aceitaram, mas que para os nazistas e fascistas serviu apenas para camuflar a ajuda ao franquismo.

No fim de 1937, mais de 60 000 camisas-negras desem­barcaram na Espanha, e os alemães despacharam aviões, car­ros de combate e técnicos, transformando o país num campo de manobras onde experimentaram os armamentos que utili­zariam na Segunda Guerra Mundial.

A ajuda estrangeira aos republicanos foi menos expressiva, advinda apenas das Brigadas Internacionais, de origem soviética, e de voluntários franceses — que não poderiam enfrentar os subsídios fasci-nazistas. Consequentemente, Franco foi procla­mado caudilho em agosto de 1937, e Madri caiu a 28 de março de 1939.

A Guerra Civil Espanhola resultou numa derrota simbólica das de­mocracias diante das ditaduras, dividira a Europa em blocos precisos: como Hitler havia previsto, a Itália se aproximara da Alemanha em outubro de 1936, formando o eixo Roma-Berlim.

Por: Renan Bardine

Veja também: