Home > História Geral > Império Babilônico

Império Babilônico

O Império Babilônico compreende dois períodos distintos. O primeiro deles estende-se de 1728 a.C. a 1513 a.C. e o segundo, de 614 a.C. a 539 a.C. No intervalo entre eles, o império é arrasado por sucessivas invasões e domínios estrangeiros.

A origem da civilização babilônica remonta à 3.000 a.C., com a chegada de povos semitas à Mesopotâmia, região entre os rios Tigre e Eufrates, no atual Iraque. Em 2.330 a.C. os semitas estabelecem como cidade hegemônica Akad, que dá nome aos acádios (seus descendentes), e ampliam seus domínios. Aproveitam-se da guerra entre as cidades-Estadosumérias de Lagash e Urdo e avançam sobre a Mesopotâmia meridional, Elam e parte da Ásia Menor, formando os Estados de Isin, Larsa e Babilônia.

O 1º Império Babilônico, uma monarquia hereditária, surge em 1.728 a.C., sob o reinado de Hamurabi (?-1.686 a.C.), sexto rei da primeira dinastia babilônica. Babel torna-se a capital do império e pólo econômico-cultural. Hamurabi cerca a capital com muralhas, impulsiona a agricultura e restaura os templos. Além disso, manda transcrever obras literárias mesopotâmicas para o acadiano e institui impostos em benefício das obras públicas. É autor do código jurídico mais antigo da História (o Código de Hamurabi), que determina penas para infrações baseado na Lei de Talião, “olho por olho, dente por dente”.

Com a morte de Hamurabi, o império sofre o impacto de sucessivas invasões e, em 1.513 a.C., é arruinado pelos hititas e assírios.
O poder da Babilônia renasce com a destruição dos assírios pelos medos, povo oriundo das margens do Mar Cáspio. Aliados dos medos, os caldeus aproveitam-se da vitória contra os assírios e recuperam o domínio babilônico a partir de 614 a.C. Nesse ano, Nabopalasar funda uma nova dinastia e inicia o 2º Império. O reinado do seu filho, Nabucodonosor (604 a.C.-562 a.C.), tem início em 604 a.C. Torna-se o principal soberano dessa segunda fase e transforma Babilônia na “rainha da Ásia”. Líder militar de grande energia e crueldade, ele aniquila os fenícios e obtém a hegemonia no Oriente Médio, com exceção do Egito. Na segunda metade do século VI a.C., conquista Jerusalém e realiza a primeira deportação de judeus para a Mesopotâmia, no episódio conhecido como o cativeiro da Babilônia. Com sua morte, após 42 anos de poder, o reino entra em declínio e, em 539 a.C., a Babilônia é conquistada por Ciro, rei dos Persas (559 a.C.-529 a.C.). Ele obtém uma aliança com as classes dominantes (comerciantes e sacerdotes), que aceitam a dominação estrangeira em troca da manutenção de seus privilégios.

China: Com dimensões continentais, a China é o país mais populoso do planeta. É famoso por sua cultura milenar, suas cidades e edifícios e pela Grande Muralha, construída entre 215 e 210 a.C. contra o avanço dos mongóis

Alexandre, o Grande: Rei da Macedônia (356 a.C.-323 a.C.). Responsável pela unificação do mundo antigo sob a cultura grega. Filho do rei Felipe II e Olímpia, nasce em Pela, na Macedônia, região no norte da Grécia. Sob a influência do filósofo grego Aristóteles, seu preceptor dos 13 aos 16 anos, passa a apreciar Filosofia, Medicina e Ciências. Assume o trono aos 20 anos, após o assassinato do pai. Durante seus 13 anos de reinado, Alexandre, também conhecido como Magno (do latim, grande), cria o maior império territorial conhecido até então. Estabelece completo domínio sobre Grécia, Palestina e Egito , avança através da Pérsia e da Mesopotâmia e chega à Índia. Organiza o Império Macedônico  em nove reinos, ou diádocos, considerados propriedades privadas. Funda mais de 70 cidades, entre elas Alexandria , localizada no delta do Rio Nilo , no Egito. Essas cidades funcionam como mercados de intercâmbio comercial com China, Arábia, Índia e interior da África. Suas conquistas e a criação dos reinos diádocos permitem a difusão cultural grega no Oriente. A fundação da Biblioteca de Alexandria, com 700 mil volumes, transforma a cidade num centro irradiador da cultura helenística, incentivando o florescimento da Geografia, Matemática, Astronomia, Medicina, Filosofia, Filologia e Artes. Morre aos 33 anos, na Babilônia.

Autoria: João Manoel Jordem

Veja também:

Veja também

Figura representativa da política do Big Stick na América

Política do Big Stick

No final do século XIX acontecia um tremendo fortalecimento das relações dos Estados Unidos com ...