Home > História Geral > O contato entre brancos e índios na América

O contato entre brancos e índios na América

Logo de início, os índios receberam cor­dialmente os europeus em geral. Entretanto, a cobiça dos brancos por ouro, prata e artigos exóticos logo mudaria essa relação pacífica, promovendo um violen­to etnocídio das populações nativas. Além da destruição física propriamente dita, os nativos americanos tiveram sua cultura, seus usos e seus costumes destruídos pelos europeus, que, em nome da “civilização” e da “religião”, lhes impuseram novos idiomas e uma nova fé.

O contato com os astecas

Uma antiga profecia asteca afirmava que um dia o deus Quetzalcoatl, a serpente emplumada, que era retratado como um homem de pele clara e de barba, viria, em pessoa, pelo mar.

Quando os espanhóis chegaram saindo das águas, com vestimentas brilhantes (armaduras), de pele e olhos claros e barbudos, os astecas acreditaram que a profecia estava se concretizando.

Índios visualizando a chegada de um navio espanhol

Para agradar a esse deus, o imperador Montezuma II o recebeu com presentes e festas, mas o espanhol Fernão Cortez, impressionado com a grandiosidade dos templos e com a cidade, tratou logo de conquistar aquela região cujo povo conhecia e dominava a arte da fundição aurífera.

O povo já ouvira falar que aqueles “deuses” possuíam “raios que matavam” (arcabuzes) e ficaram aterrorizados com a visão daqueles homens brilhantes montados em “monstros que soltavam fumaça pelo nariz” (cavalos, animais desconhecidos até então).

Numa demonstração de força e ousadia, Cortez exigiu vinte bravos guerreiros astecas. Ao ter o pedido atendido, Cortez decepou as mãos daqueles valentes guerreiros na frente do imperador Montezuma.

Em seguida, os espanhóis iniciaram a destruição da cidade e Montezuma, um so­berano prisioneiro, pregara uma política de conciliação com os invasores. O povo asteca reagiu à invasão como pôde e, num desses confrontos, Montezuma foi morto.

Seu sucessor, Cuauhtémoc, enfrentou os espanhóis, que haviam conseguido apoio de tribos rivais, e foi derrotado em 13 de agosto de 1521. Ao se tornar prisioneiro dos espa­nhóis, foi barbaramente torturado durante três anos, até que Cortez resolveu enforcá-lo.

Placa que eterniza o feito de Cuauhtémoc
Nas ruínas de Tenochtitlán, no centro da Cidade do México, uma placa eterniza o feito de Cuauhtémoc, o último imperador asteca. Em 13 de agosto de 1521, heroicamente defendido por Cuauhtémoc, caiu Tlatelolco em poder de Fernão Cortez. Não foi triunfo nem derrota. Foi o doloroso nascimento do povo mestiço que é o México de hoje.

Com apenas 11 navios, 500 soldados, 16 cavalos e 10 canhões, Fernão Cortez conquistou o Império Asteca, que, na época, possuía cerca de 15 milhões de habitantes.

Para realizar tal proeza, os espanhóis con­taram com cavalos e canhões, que os nativos não conheciam, com as disputas internas e as revoltas de outros povos dominados pelos aste­cas, mas que não aceitavam essa subordinação.

Praça das Três Culturas
Esta praça denomina-se Praça das Três Culturas e representa a cultura asteca (ruínas), a catedral erguida pelos espanhóis com as pedras do Templo Maior da capital asteca e os modernos edifícios atuais.

O contato com os maias

Após a conquista do México, Fernão Cor­tez enviou Pedro Alvarado para a região de Yucatán, em 1523.

Os maias que os espanhóis encontraram nem de longe lembravam a civilização cujas ruínas encantaram e encantam estudiosos e turistas.

Aterrorizados pelas armas de fogo e pelo cavalo, os descendentes maias sucumbiram ao poder espanhol. Além da belicosidade es­panhola, os nativos foram derrubados por epidemias desconhecidas por eles, como a va­ríola.

Mesmo conquistados e aviltados, os des­cendentes maias preservaram variações da língua maia, especialmente na península de Yucatán e na Guatemala. Ninguém sabe por que os maias abandonaram suas cidades e ninguém consegue explicar também como eles conseguiram resistir até hoje, mantendo tradições milenares.

Descendentes maias na Guatemala
Guatemala – O colorido das vestimentas é a marca registrada dos descendentes maias.

O contato com os incas

Em 1531, Francisco Pizarro partiu para o Peru para anexar o Império Incaico à Espa­nha. Contava com cerca de 180 homens, 37 cavalos e algumas armas de fogo.

O chefe supremo inca – Sapa-Inca – de­tinha os poderes militar, religioso e político, mas a sua sucessão não era muito bem esta­belecida e a disputa pelo poder desencade­ava lutas sangrentas entre os candidatos ao título.

À época da chegada dos espanhóis, o Império Inca estava sendo disputado entre os irmãos Atahualpa e Huáscar. Atahualpa tornou-se o Sapa-Inca após derrotar o ir­mão.

Quando Pizarro chegou aos altiplanos an­dinos, encontrou-se com Atahualpa na cidade de Cajamarca e lá o inca foi feito prisioneiro dos espanhóis.

Pizarro exigiu um fabuloso resgate pela vida do imperador, assim como Cortez havia feito com a prisão de Montezuma, no México, em que ele recebeu 800 kg de ouro asteca.

Os homens de Pizarro exigiram como res­gate uma sala de ouro e prata. A sala possuía 6,70 m de comprimento, 5,20 m de largura e 2,70 m de altura. No total, os espanhóis rece­beram mais de 5 toneladas de ouro! Mesmo assim, a vida de Atahualpa não foi poupada.

A prisão e morte do imperador inca der­rubou qualquer resistência aos espanhóis, de imediato. Os nativos abandonaram as cidades e os povoados e iniciaram a reação ao domí­nio espanhol.

O último imperador andino foi Tupac Amaru, que efetivou a última grande revol­ta contra o domínio espanhol. Executado em 1572, seu nome tornou-se símbolo da luta pela liberdade. No século XVIII, seu descen­dente João Gabriel Tupac Amaru liderou uma rebelião indígena contra os espanhóis. Após violentos enfrentamentos, Tupac Amaru foi preso, torturado e morto em Cuzco, em 1781. O nome Tupac Amaru foi proibido em público e o uso de ornamentos da nobreza inca tam­bém foi proibido.

A conquista da América Andina contou com a violência bélica (cavalo, espadas e canhões), com a violência cultural (imposi­ção dos valores europeus sobre os nativos) e ainda com o imaginário popular (os incas, ao verem os espanhóis brancos, barbudos e de armaduras, acreditaram que era o deus Viracocha, o filho do Sol). Além disso, os es­panhóis conseguiram a adesão da classe do­minante. O povo agora trabalharia não para o rei, mas para a Espanha.

Lago Titicaca
O lago Titicaca, 3.800 m acima do nível do mar, era o lago sagrado onde viveu Viracocha, um homem de pele branca e de barba.

Conclusão

A conquista do território americano e a sua conseqüente exploração por parte dos europeus provocaram a desagregação e a destruição das culturas nativas existentes no continente.

As terras americanas foram sistematica­mente tomadas pelos brancos, que aqui funda­ram suas vilas e cidades em nome dos reis euro­peus. As comunidades caçadoras coletoras, como os nativos brasileiros e norte-americanos, foram sendo empurradas cada vez mais para o interior, para darem lugar às plantações dos brancos.

Nas regiões da Mesoamérica e Andina, os espanhóis dominaram civilizações extrema­mente organizadas e urbanizadas e explora­ram a mão-de-obra nativa nas minas de ouro, prata e sal.

Apesar de toda a violência perpetuada pelos colonizadores e exploradores europeus, a cultura nativa ainda resiste na língua, nos costumes, no artesanato, na prática da agri­cultura em andenes e no tipo físico.

Passados mais de 500 anos, os povos indí­genas ainda continuam sendo desrespeitados e explorados. No Brasil, as terras indígenas são continuamente invadidas por fazendeiros ou garimpeiros; nos EUA, populações nativas, acabaram confinadas em reservas indígenas. Por toda a América pode-se perceber que os primeiros habitantes desta terra vivem pra­ticamente abaixo da linha de pobreza. Na região de Maras, perto de Cuzco, os índios ainda trabalham nas salinas, extraindo o sal das montanhas, como na época do Império Incaico.

Carregando sacos de 70 kg nas costas, sendo queimados e cegados pelo sol que se espalha na brancura do sal, potencializando seus raios, exploram um produto que, à época dos espanhóis, valia tanto quanto o ouro e a prata e hoje vale quase nada.

Se, por um lado, nós falamos português, espanhol, francês ou inglês e somos cris­tãos, por outro lado comemos batata, milho, mandioca, pimenta. Se, por um lado, índios foram obrigados a aprender a língua e a ado­tar os costumes dos europeus, por outro lado os europeus acabaram por adotar muito dos costumes e da alimentação dos povos que eles dominaram, demonstrando a dinâmica da história, em que vencidos e vencedores deram origem a uma nova cultura, um novo povo.

Fonte: Apostia COC

Por: Renan Bardine

Veja também

Figura representativa da política do Big Stick na América

Política do Big Stick

No final do século XIX acontecia um tremendo fortalecimento das relações dos Estados Unidos com ...