Home » Literatura » O que é Literatura

O que é Literatura

A Literatura tem grande importância em nossa vida, principalmente nas escolas onde ela é bastante estudada. E por ela ser importante é necessário que se tenha um conceito sobre ela. Com o intuito de defini-la analisaremos a obra "O que é Literatura" de Marisa Lajolo, que como o próprio nome sugere poderemos senão defini-la ao menos obter maior esclarecimentos sobre a mesma.

Resenha

LAJOLO, Marisa. O Que é Literatura São Paulo, Ed. Brasiliense, 17ª ed. 1995.

As perguntas sobre literatura ultrapassaram séculos, porém as respostas são sempre provisórias, pois, a cada tempo surgem novos conceitos. Há quem diga que literatura é tudo aquilo que se escreve. Existem em nossa volta bibliotecas lotadas de livros, revistas, mas será tudo literatura?

Segundo a autora, existem escritores, poetas, que deram soberania a outros escritores e até leitores para chamar ou não suas obras de literatura. De acordo com ela, tanto pode ser, como não ser literatura, os poemas que guardamos com carinho, os romances que sequer foram publicados, peças de teatro esquecidas pelo tempo, ou mesmo aqueles livros que nenhum professor indica, mas que gostamos de ler, tudo depende do sentido que temos ao interpretá-los. Algumas pessoas definem literatura como sendo algo que a gente escreve, mas precisa que outros a leiam, precisa de um envolvimento social pelo qual a obra deve passar antes de chegar a ser vendida.

A autora cita na pág. 17 que "a literatura iguala-se a qualquer produto produzido e consumido em moldes capitalistas". Ela pretende com isso fazer que entendamos que uma obra para ser considerada literatura é preciso que tenha certa tradição cultural, precisa de um aval de setores especializados. A escola é um setor importante, pois a séculos vem sendo avalista dos livros que circulam por aí, isso porque analisam e indicam a leitura dos mesmos aos alunos.

Marisa Lajolo aponta na pág. 22que, o questionamento sobre literatura é sério, pois a séculos existem pessoas empenhadas em defini-la para poder ter maior domínio sobre textos lidos, mas nos faz entender que para entrar nesta discussão é preciso ter ingresso, e, para ter esse ingresso, precisa que se tenha poder aquisitivo compatível com o mesmo. Estes ingressos são livros que precisam ser adquiridos, estudados e avaliados para se chegar a alguma decisão.

Segundo a autora, já foram analisados vários critérios para identificar literatura, como: o tipo de linguagem, os textos, e até mesmo a identificação do autor sobre a obra, mas uma completa a outra e dificilmente se chegará a um consenso. Há inclusive polêmica sobre o assunto, pois quando se acredita estar definida eis que surgem novas obras, novos perfis, que vão se inovando, e o conceito quase definido volta a estaca zero.

"As definições propostas para literatura importam menos do que os caminhos percorridos para chegar a elas" (pág.27). Com isso podemos entender que os caminhos não são fáceis de serem percorridos, pois são uns tanto ambíguos.

A autora faz citação do dicionário Aurélio, (pág.28) onde diz que nele há dez conceitos sobre literatura. Talvez por isso pensamos ser literatura tudo o que se escreve, pois segundo Aurélio, ela deriva do latim: littera, que significa letra. Aos olhos de nossa cultura ter-se domínio sobre a escrita já é meio caminho andado, visto que, no vestibular a parte que vale mais pontos é a escrita (redação).Na Era Medieval as poesias tinham caráter oral, e só se torna literatura a partir do momento que foram registradas.

Nos dias atuais podemos ver as poesias da Época Medieval sendo transformadas em músicas na MPB. Existe, portanto um intercâmbio social na literatura, pois ela se manifesta a partir da linguagem, levando ao máximo sua ambigüidade.

A autora nos faz entender que a literatura não é apenas transmissora de informações, ela cria em cada ser aquilo que os sentidos o levam a interpretar. Através da leitura podemos vivenciar aquilo que lemos e criar dentro de nós a imagem proposta pelo texto. Tanto pode ser verídica como pode ser ficção. Os personagens tanto podem ter existido como podem ser criados pelo autor, na literatura tudo é possível, porém, mesmo na ficção existe um fundamento real, onde o autor se apoiou para criar a ficção.

Roberto Acízelo de Souza, em seu livro Teoria da Literatura, (cap.1 pág.6), diz que "a literatura é objeto de uma problematização, de um questionamento,apto a revelar a superficialidade da atitude para a qual ela corresponde apenas a uma noção difusa e culturalizada". Nota-se, com isso, que a literatura traz discussões ao tentar defini-la, ela é difusa porque não corresponde a um conceito definido.

As páginas 48 a 51 nos fazem compreender que se estudarmos a literatura desde que foi concebida veremos que mesmo com certos conflitos há um comum acordo sobre sua origem letrada. Acredita-se que o conceito sobre literatura tenha surgido antes de Cristo, na Grécia Antiga. Herdamos a cultura grega que permanece até hoje nas telenovelas, como, a história de Hércules ou Édipo, porém, foi depois de Cristo que a literatura passou a ter conceitos diferentes. A Sociedade Medieval criou padrões rígidos que chegam até nós através de textos literários que ainda hoje sobrevivem.

"Os textos que a tradição reserva o nome de literatura, embora nascendo de uma elite e a ela dirigidos, não costumam confinar-se às rodas que detém o poder" (pág.64). A autora quis dizer com isso que mesmo os que têm condições de adquirir livros não o fazem, não valorizam a leitura.

"Pulando muitos séculos que sucederam a Idade Média, chegamos ao mundo moderno da Renascença..." a partir daí a vida se modernizou, a literatura clássica dá lugar ao Romantismo. O Romantismo emocionou muitos leitores, mexendo com seus sentimentos, coisa que acontece até hoje para muitos. Outro fator romântico muito importante foi a valorização do romance que até então não tinha o devido valor. Apesar da literatura romântica provocar suspiros, saudades, com a modernização e a tecnologia, a obra literária romântica perdeu seu poder, "murchou". É a realidade que ganha forma, é o real que aparece nos livros, os realistas não aceitam o passado, passa a ser ao invés de sentimentos, instintos, é como se a ciência recusasse os sentimentos. A literatura realista aposta na reprodução do real, e nos leva a crer que o objetivo da literatura é encenar a linguagem, e seu poder de criação e imaginação que se queria, fosse o real.

Marisa Lajolo conclui sua obra fazendo uma crítica aos brasileiros dizendo "somos um povo telespectador; não somos nem nunca fomos um país de leitores". Com isso ela mostra o quanto o brasileiro se deixa levar pela televisão, deixando de lado a leitura que como sabemos, é indispensável na vida de uma pessoa culta.

Conclusão

Depois de estudar, pesquisar, analisar o tema proposto, chego a conclusão de que são inúmeros os conceitos sobre literatura, mas é praticamente impossível defini-la, mesmo porque como já foi dito ao longo deste texto, para cada tempo existe um conceito.

A autora cria um certo suspense em cada capítulo do livro, pois quando se pensa estar definida a literatura surge novo conceito, cria-se nova expectativa de resposta. E, ao finalizar a leitura fica bem claro que não existe uma palavra única que possa definir Literatura.

Indicação da Obra:  

Este livro é essencial para quem deseja adquirir mais conhecimentos sobre a literatura, especialmente para professores, e para quem está cursando ou pensa fazer o curso de Letras, como também para todos que atuam nesta área.

Autoria: Vagner Teixeira


Comente:



Receba atualizações do site:

© Todos os direitos reservados à Cola da Web.com
Siga-nos:
O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.