Home Português > Categorias da descrição gramatical

Categorias da descrição gramatical

José Carlos de Azeredo em Iniciação à sintaxe do português pretende fazer uma análise crítica do modelo tradicional no qual é visto a sintaxe, assim como, sugere rumos de análise que visam a um melhor desempenho tanto do professor de português quanto do aluno em sala de aula.

Publicidade

Portanto, pretende-se fazer aqui uma resenha descritiva do quarto capítulo da obra mencionada, que tem como título Categorias da descrição gramatical e divide-se em oito subtítulos, sendo o primeiro Frase e Oração, onde o autor defende que frase é o menor texto possível e a oração, centrada em um verbo, articulada com o sujeito e o predicado. Azeredo também menciona as interjeições como possuidoras de sentido completo, conforme o contexto em que são utilizadas, assim como, as frases imperativas, exclamativas e interrogativas.

Já o segundo subtítulo, Hierarquia gramatical, mostra que na língua portuguesa existe uma hierarquia entre as unidades do sistema que é representado em ordem crescente por morfema, vocábulo, sintagma, oração e período. Para fazer uma análise gramatical é necessário conhecer essas unidades e suas regras de combinação. Azeredo afirma que o nível dos morfemas e dos vocábulos é estudado pela morfologia, enquanto a oração e o período são estudados pela sintaxe, deixando órfão o nível dos sintagmas que, para o autor, são os verdadeiros constituintes da oração, pois é através deles que as orações se formam.

Vale ressaltar que se as sequências que não podem ser substituídas por unidades simples no interior das orações também são sintagmas. Como mencionado, existem algumas regras de combinação entre os níveis hierárquicos, assim a unidade de nível mais inferior pode combinar com uma de nível superior, como em um período – a maior unidade da estrutura gramatical – que será divido em três sintagmas, como em “O prisioneiro desatou o nó das cordas com os dentes”, sendo “o prisioneiro” o primeiro sintagma, “desatou o nó das cordas” o segundo e “com os dentes” o terceiro sintagma.

Porém, vale lembrar que o sintagma nem sempre resultará da junção de vocábulos, pois este nem sempre resultará da união de morfemas. Assim, cada unidade cria um contexto para a presença de outra. Para encerrar o segundo subtítulo, Azeredo cita o conceito de período firmado por Lyons (1979), onde o mesmo afirma ser esta a “unidade gramatical entre cujas partes constituintes se podem estabelecer as dependências e limitações distribucionais, mas que não pode por si mesma ser colocada em nenhuma classe distribucional”.

Intitulado de As classes gramaticais, o terceiro subtítulo traz a informação de que as classes gramaticais, tradicionalmente, são definidas pelas suas propriedades semânticas, sintáticas e morfológicas. Há, entretanto, dois grupos de uma língua, sendo o das palavras nocionais e o dos instrumentos gramaticais. Os vocábulos peixe, comer, inseto, cair e lagoa são palavras nocionais, enquanto, esses, que, os, na, são instrumentos gramaticais, pois, ao uni-los, temos “esses peixes comem os insetos que caem na lagoa”. Assim, dentro dessas classes fundamentais temos os nomes, os conectivos, as locuções conjuntivas, o artigo e os numerais.

Publicidade

O quarto subtítulo dispõe sobre As classes de sintagmas estabelecidas por sintagma nominal (SN), sintagma verbal (SV), sintagma adjetivo (SAdj), sintagma preposicional (SPrep) e sintagma adverbial (Sadv), entretanto, essas classes serão abordadas somente no quinto capítulo do livro, não cabendo aqui estudá-las.

Quanto ao tópico A Transposição, o quinto subtítulo, explica ser “um processo sintagmático de formação de sintagmas ou constituintes de distribuição distinta das entidades a partir das quais se formam”, portanto, são chamados de transpositores àqueles elementos que materializam a transposição.

Alguns sintagmas, como SNs, SAdjs e SAdvs, são formados por transposição, segundo Azeredo. “Os sintagmas transpostos conservam os constituintes oracionais e estes as funções que exercem no interior da oração”, portanto, neles é possível encontrar sujeitos e objetos, predicadores e modificadores.

A fim de esclarecer A Oração, o sexto subtítulo dispões de alguns conceitos de oração e período, afirmando que o primeiro é a unidade gramatical centrada em um verbo e o segundo é a unidade gramatical formada de, no mínimo, uma oração e que também pode funcionar como frase. Entretanto, o último conceito coincide com o primeiro, apenas se diferenciando que quando duas ou mais orações se ligam coordenativamente. Assim, toda oração possui um predicado, formado de um verbo predicador ou de um verbo transpositor, influenciando na análise da oração em dois constituintes, o sujeito e o predicado.

O sétimo subtítulo, Predicadores, afirma ser este indispensável à existência de uma oração, tendo como componente lexical o predicador. Portanto, aquele que reúne componentes lexicais e gramaticais é chamado de verbo predicador que pode ser transitivo ou intransitivo.

O último subtítulo, Os Processos Sintáticos, expõe que palavras, sintagmas e orações se associam no discurso e para que haja coesão textual são utilizados transpositores, pronomes pessoais, demonstrativos e possessivos, advérbios, concordância e outros. Essas associações podem se estabelecer entre os constituintes da oração (sintáticas) e entre as orações (discursivas stricto sensu), assim, se essa ligação é sintática, aparecerá por meio de subordinantes; se é discursiva stricto sensu, através de coordenantes; e se é discursiva lato sensu, será expressa por operadores discursivos. Assim, Azeredo encerra o quarto capítulo de Iniciação à sintaxe do português.

Bibliografia

AZEREDO, José Carlos de. Iniciação à sintaxe do português. 6.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. p.30-53.

Por: Miriã Lira

Veja também: