Enxofre

Gases de Enxofre

DESCRIÇÃO DO ENXOFRE

Produto utilizado diretamente no caldo misto para o processo de Fabricação de Açúcar Cristal, que tem a finalidade reduzir a cor do caldo e controlar a formação de substâncias coloidais.

Os ônibus usam óleo diesel como combustível, cuja combustão gera inúmeros poluentes agressivos à saúde, sobretudo o dióxido de enxofre (SO2). Os efeitos na saúde são bronquites, dores de cabeça, inflamações na pleura e câncer dos pulmões. O SO2, é um dos responsáveis pela chuva ácida, que devolve ao solo e às águas a poluição lançada no ar.

A chuva ácida afeta a saúde, prejudica a agricultura e danifica automóveis e fachadas de prédios. O efeito estufa, ou aquecimento global do planeta, pode derreter parte das calotas polares, elevar o nível dos mares e inundar os países mais baixos. É provocado pela emissão de gases poluentes, entre os quais o dióxido de carbono (CO2), gerado pela queima de combustíveis fósseis e pelas queimadas de florestas, e o SO2. Os ecologistas reivindicam a dessulfurização - procedimento químico adotado em vários países do mundo, e que retira o enxofre do diesel.

No Brasil, há inclusive uma justificativa econômica para a adoção deste procedimento: poder-se-ia substituir o enxofre importado, usado por indústrias químicas e como corretivo de solos, pelo enxofre retirado do diesel, além de haver ganhos para a saúde e para o planeta. Esse procedimento praticamente não é adotado no Brasil e, só depois de muita luta a Petrobrás implantou o Programa de Diesel Metropolitano. Trata-se de uma seleção de óleos de mais baixo teor de enxofre para os ônibus e caminhões das capitais com maior poluição atmosférica. O padrão máximo que o Brasil tolera de concentração de enxofre no óleo diesel é de 0,5 parte por 100, enquanto a Alemanha utiliza um padrão dez vezes mais restritivo: 0,05 parte por 100, seguindo as recomendações da Convenção sobre Alterações Climáticas do RIO-92 e devido às pressões dos ambientalistas europeus. A partir de 1997, o padrão para as cinco maiores metrópoles do Brasil passou a ser de 0,3 parte de enxofre por 100, mas o controle e o monitoramento do ar são precários.


CARACTERÍSTICAS GERAIS

Produto químico de coloração amarelo esverdeado, forma física de cristais de forma rômbica ou monoclínica, pequenas pedras ou pó, facilmente inflamável, comercializado à granel.

Sulfitação

A Sulfitação consiste em promover o contato do caldo com o gás anidrido sulfuroso (SO2). Sua absorção ocorre nas colunas de sulfitação e tem por finalidade:

  • redução do pH, auxiliando a precipitação e remoção de proteínas do caldo;
  • diminuição da viscosidade do caldo e consequentemente do xarope, massas cozidas e méis;
  • formação de complexos com os açúcares redutores, impedindo a sua decomposição e controlando a formação de compostos coloridos em alcalinidade alta;
  • preservação do caldo contra alguns microrganismos;
  • prevenção do amarelecimento do açúcar cristal branco, por algum tempo, durante o armazenamento;

Nota: Para a produção de Açúcar tipo VVHP não é utilizado a etapa de sulfitação.

Dentre todas as funções da sulfitação, a mais importante fica por conta de sua ação inibidora da formação de cor. 

Operacionalmente é feito o registro de pH do caldo sulfitado para controle e são usuais valores entre 4,7  e 5,2.

A queima do enxofre é realizada em forno rotativo, onde  pequenas quantidades de enxofre são introduzidas no forno, que apresenta grande superfície de combustão, fundindo-se pelo próprio calor de combustão e passa à câmara, completando-se a oxidação, o ar é introduzido entre o forno e a câmara. Esse aparelho possui dispositivo que evita a sublimação do enxofre, o gás que sai desse forno entra em uma coluna com bandejas perfuradas e em contra corrente com o caldo, que sai por baixo da coluna já sulfitado.

O gás sulfuroso é obtido pela combustão direta do enxofre sólido. Como esta reação se processa com excesso de ar e sendo este ar úmido, pode ocorrer a reação complementar de formação de gás SO3, precursor da formação de ácido sulfúrico. 

A reação complementar se processa idealmente entre 400 e 500°C, portanto, o resfriamento rápido do gás de combustão a valores abaixo de 200°C, logo após a sua formação, minimiza a formação de SO3, que além de permitir a formação de ácido sulfúrico (H2SO4) responsável por corrosão das partes metálicas dos equipamentos, permitirá, em reação com a cal, a formação do sulfato de cálcio (CaSO4), o qual é mais solúvel do que o sulfito de cálcio (CaSO3), sendo o primeiro e principal causador de incrustações nos evaporadores. A formação de SO3 acarreta: aumento dos teores de sais no caldo e consumo adicional de enxofre.

O processo deve então ser conduzido no sentido de favorecimento da formação do SO2, que na reação com a cal formará sulfito de cálcio (CaSO3), muito menos solúvel que o sulfato de cálcio (CaSO4) e que, por isso, precipitará, sendo removido na decantação.

Veja também: Estudo do Ciclo do Enxofre


Comente:



Receba atualizações do site:

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o