Reinos

Reino Plantae

O reino Plantae é composto por organismos eucariontes pluricelulares autótrofos. São comumente conhecidos por vegetais ou plantas e somam milhares de espécies distribuídas em praticamente todos os ambientes do planeta.

Existem plantas terrestres e aquáticas. As terrestres vivem fixas no substrato; as aquáticas flutuam ou vivem submersas na coluna de água, aderidas ou não a um substrato.

Características das plantas

As plantas são seres vivos eucariontes, pluricelulares, com tecidos diferenciados e com nutrição autótrofa fotossintetizante. A imensa maioria é de meio terrestre e incapaz de se deslocar ativamente.

As células das plantas apresentam-se revestidas por parede celular. A parede celular é um reforço de celulose externo à membrana plasmática e permeável à água. Sua função é aumentar a resistência mecânica e garantir formato mais constante à célula.

O corpo das plantas mais complexas é formado por raiz, caule e folhas.

  • As folhas das plantas normalmente são verdes. Nelas as plantas realizam fotossíntese, base de sua nutrição.
  • Muitas plantas apresentam flores e frutos, relacionados com sua reprodução.
  • O caule sustenta as folhas e as separa do solo, permitindo que obtenham luz solar. Em seu interior há vasos condutores que possibilitam o intercâmbio de materiais entre folhas e raízes.
  • A raiz fixa a planta no substrato e capta água e sais minerais do solo.

As plantas produzem seu alimento a partir de matéria orgânica, empregando luz solar como fonte de energia. Esse processo recebe o nome de fotossíntese. Para realizar fotossíntese, as plantas necessitam de luz, dióxido de carbono, água e sais minerais. Esse processo requer muita energia.

A fotossíntese é realizada em cloroplastos, orgânulos microscópicos que se encontram no interior de algumas células vegetais. Os cloroplastos contêm a clorofila, que lhes confere sua cor verde, característica das folhas.

Os alimentos orgânicos produzidos nas folhas por meio da fotossíntese são distribuídos pela planta e empregados em sua nutrição.

Classificação das plantas

Podemos dividir o Reino das Plantas em dois grandes grupos: o de plantas vasculares, com vasos que levam a seiva das raízes até as folhas, e avasculares, que não possuem estes vasos. Também podemos dividi-las entre plantas com sementes e plantas sem sementes.

Entre as plantas avasculares temos as briófitas (musgos), que também não apresentam semente. Já nas plantas vasculares existem as pteridófitas (samambaias), que não apresentam sementes; as gimnospermas (pinheiros) e as angiospermas (plantas com frutos), ambas com sementes.

Briófitas

As briófitas fazem parte do grupo menos complexo do reino Plantae, são plantas muito pequenas e restritas a locais com bastante umidade.

Briófitas não atingem grandes tamanhos devido à ausência de vasos condutores de seiva. Possuem pequenas raízes chamadas de rizoides, pequeno caule denominado caulículo e folhas primitivas chamadas de filoides.

Estão sempre em ambientes úmidos para que seja mais fácil a absorção de líquidos, mesmo sem raízes verdadeiras nem vasos condutores. As briófitas também precisam de água para a sua reprodução, que é feita por meio de estruturas masculinas e femininas.

Dentro do grupo das briófitas, além do musgo, também existem as hepáticas, que são pequenas plantas que possuem folhas no formato de fígado.

O grupo das briófitas é muito importante na formação de uma paisagem. Elas têm o papel de pioneiras, ou seja, são os primeiros organismos a colonizar um local, podendo se estabelecer em solos mais pobres ou até em rochas.

Pedras cobertas por musgos em uma cachoeira.
Musgos

Pteridófitas

O grupo das pteridófitas é representado pelas samambaias e pelas avencas. São plantas que não possuem sementes, nem flores e frutos, mas possuem vasos condutores de seiva.

A maioria delas está situada em regiões de clima tropical. Elas possuem raiz, caule e folhas que são alimentadas pelos vasos condutores com água, açúcares e sais minerais.

Assim como as briófitas, as pteridófitas se reproduzem por alternância de gerações, tipo de reprodução caracterizada por ter uma fase sexuada e outra assexuada. Os pontinhos que vemos nas folhas das samambaias são onde os esporos estão guardados, estruturas responsáveis pela reprodução.

Folhas de uma samambaia.
Samambaia

Gimnospermas

Nas gimnospermas observa-se uma grande invenção das plantas: a semente. Graças a ela, as plantas podem se dispersar facilmente e conquistar locais favoráveis.

O termo “gimnosperma” significa, etimologicamente, “semente nua”. São assim denominadas porque produzem sementes verdadeiras mas que não são protegidas por fruto, como ocorre nas angiospermas.

Foram as primeiras plantas a ficarem completamente independentes da água para reproduzirem-se. Além dos pinheiros, as araucárias também são representantes das gimnospermas. A maior árvore que temos registro é uma gimnosperma: uma sequoia californiana de 115 metros de altura.

Vários pinheiros ao fundo de um lago.
Pinheiros

Angiospermas

Essenciais para a vida em meio terrestre, as angiospermas são as plantas mais abundantes e as que abrangem maior número de espécies. Apresentam flores, sementes e frutos.

As angiospermas possuem a estratégia mais evoluída de reprodução. Elas apresentam estruturas reprodutivas exclusivas chamadas flores, cuja função é assegurar a reprodução da planta mediante a formação de sementes; e uma proteção para suas sementes chamada fruto, cuja função é proteger as sementes e contribuir para sua dispersão, permitindo a colonização de novas áreas.

Vários pés de maças em época de colheita.
Macieiras

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: