Geografia

Regiões da Ásia

A Ásia é o continente de maior extensão do planeta. Seus mais de 44 milhões de Km2 de superfície abrangem quase um terço das terras emersas. A região é formada por uma grande massa continental e numerosas ilhas.

A Ásia é também o continente mais populoso, tem cerca de 4,5 bilhões de habitantes, que correspondem a mais de 60% da população mundial.

Em razão de sua enorme extensão territorial e das diferenças naturais, populacionais e econômicas, a Ásia é dividida em 6 regiões com características próprias, fato que facilita nossos estudos.

Mapa das regiões da Ásia.

1. Ásia Central

A Ásia Central abrange as terras do interior do continente, uma faixa de grandes desertos e estepes que engloba os países Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão.

Localiza-se a leste do mar Cáspio, onde predominam climas áridos e vegetação de estepes. Seu relevo caracteriza-se por planícies e elevados planaltos na porção leste, sendo bastante montanhoso na divisa com o Oriente Médio.

População e economia

A população, em sua maioria muçulmana, é escassa e concentra-se nas margens dos rios e lagos.

Tradicionalmente, sua principal atividade era a pecuária; a partir do século XX, as atividades principais passaram a ser a exploração de petróleo, a mineração de ferro e carvão e a indústria. Ainda subsistem comunidades dedicadas ao pastoreio nômade, como no Quirguistão.

O mapa político da região mudou muito em 1991, com o desmembramento da antiga União Soviética e a independência das ex-repúblicas soviéticas.

2. Ásia Setentrional

A Ásia Setentrional compreende a parte asiática da Rússia.

População e economia

Seus habitantes são principalmente cristãos ortodoxos. É uma região pouco povoada porque o clima é muito frio; de fato, alguns de seus rios permanecem congelados durante meses. É o caso do rio Lena, que passa por enchentes devido ao degelo na primavera.

É uma região rica em florestas de coníferas (taiga) e carvão. Durante séculos, a taiga permaneceu quase desabitada. Somente os caçadores e os pastores de renas a visitavam, mas, a partir do século XX, importantes indústrias madeireiras passaram a se estabelecer na Sibéria ocidental e a instalar uma infraestrutura composta por estradas, linhas férreas, oleodutos e represas. Mesmo assim, a população permanece escassa.

A região também possui reservas significativas de petróleo e gás natural, fator de relevância para a economia russa.

3. Oriente Médio

Berço dos mais antigos impérios da humanidade, o Oriente Médio, localizado o sudoeste da Ásia. Essa região é constituída por grandes planaltos, climas áridos e desertos, com exceção da planície da Mesopotâmia, formada pelos rios Tigre e Eufrates.

População

É uma área pouco habitada, devido a suas condições climáticas. Contudo, em muitos de seus países ocorrem os maiores crescimentos naturais da população, como consequência das bancas taxas de mortalidade e da natalidade elevadíssima

Embora ainda existam povos nômades, a maior parte da população concentra-se nas grandes cidades, como no caso do Kuait, Líbano e Israel, onde mais de 90% da população é urbana, e na Arábia Saudita, cujo índice chega a 87%.

Economia

Nesta área se localizam alguns dos principais países produtores de petróleo do mundo, como Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuait e Emirados Árabes Unidos. Todos eles, juntamente com os outros membros da Opep, fornecem cerca de 40% do petróleo mundial e dispõem de 78% das reservas de petróleo bruto da Terra.

Em compensação, outros países, como o lêmen, encontram-se entre os mais pobres do mundo, com uma renda per capita inferior a oitocentos dólares, bem abaixo dos 23 mil nos Emirados Árabes Unidos.

Instabilidade política

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, o sudoeste da Ásia transformou-se em uma das regiões mais instáveis do mundo. Os conflitos ocorrem no Irã, no Golfo Pérsico e na Palestina. Na maioria das vezes, mesclam-se fatores geoestratégicos. como o controle do petróleo, às rivalidades locais e dos conflitos religiosos entre cristãos, judeus e muçulmanos xiitas e sunitas.

4. Ásia meridional

Constituída pelos países da porção sul do continente, abrange Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh, Butão, Myanmar e Sri Lanka. Destaca-se a Cordilheira do Himalaia, unidade de formação recente e de grande instabilidade geológica, ou seja, é uma área onde podem ocorrer terremotos e atividade vulcânica, que influenciam de maneira contundente o modo de vida e a economia das sociedades nela inseridas.

População

Aproximadamente 1,7 bilhão de pessoas vive na Ásia meridional, localizada na península Indostânica, onde estão India, Paquistão e Bangladesh, três dos oito países mais populosos da Terra.

A distribuição territorial da população é muito irregular. A maioria vive junto aos rios e no litoral, particularmente junto às fozes de rios. Assim, as densidades mais altas estão em Bangladesh e nos vales do Ganges e do Indo.

Ainda que a maioria da população seja rural, aqui se localizam Calcutá, Mumbai, Nova Delhi, Karachi e Daca, cinco das maiores aglomerações urbanas do mundo, verdadeiros formigueiros humanos com mais de 10 milhões de habitantes e inúmeros problemas de infraestrutura, emprego, moradia e saneamento.

As religiões predominantes são o hinduísmo, na Índia e no Nepal, o islamismo, no Afeganistão, Paquistão e Bangladesh, e o budismo, em Butão e Sri Lanka.

Entretanto, em todos os países há importantes minorias religiosas, que envolvem vários milhões de habitantes e estão na raiz de numerosos conflitos latentes.

Economia

A maior parte da população dedica-se à agricultura, principalmente ao cultivo de arroz, que é o alimento tradicional e básico da população local.

O setor secundário também é importante. Desde 1970, a industrialização cresceu muito na região, especialmente na India, onde superou os 20% da produção nacional, alçando o país à condição de uma das principais economias emergentes no início do século XXI,

O setor terciário ainda é pouco desenvolvido em todos os países. Entretanto, nos últimos anos, o desenvolvimento comercial vem sendo incentivado, graças à elevação da produção industrial e à existência de um gigantesco mercado de consumidores.

As relações comerciais ocorrem principalmente com os países do Sudeste Asiático, Japão, China, Estados Unidos e a União Europeia. O comércio intrarregional representa apenas 4% do volume total. Esse baixo nível de intercâmbio deve-se às más relações existentes entre a Índia e o Paquistão, os dois gigantes da região, que disputam há mais de meio século o controle da região da Caxemira.

As monções

Seu clima é quente e úmido graças à influência das massas de ar que atuam no verão, denominadas ventos de monções.

O clima de monções durante o inverno apresenta os ventos que sopram do norte em direção ao sul do continente; portanto, o ar se revela seco e muito frio. Durante o verão, os ventos sopram do oceano Índico, do sul para o continente, e são úmidos, o que causa chuvas torrenciais.

Em razão do baixo desenvolvimento da região, o período chuvoso normalmente é acompanhado por estragos e mortes significativos.

5. Ásia oriental

A Asia Oriental compreende os territórios situados na costa do Pacífico. É uma região densamente habitada, formada por China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Mongólia, Japão e Taiwan.

Apresenta montanhas de formação recente, principalmente no Japão, onde a presença do Círculo de Fogo do Pacífico ocasiona vulcanismo e terremotos. A China conta com formações geológicas distintas em seu território, com montanhas, planícies e planaltos, além de áreas desérticas. É uma região de grande ascensão econômica.

População

Nessa região se encontra o país com a maior população do planeta: a China, com cerca de 1.4 bilhão de habitantes. Trata-se da terceira nação do mundo em extensão territorial, superada apenas pela Rússia e pelo Canadá.

A maior parte da população concentra-se nas planícies aluviais e na zona litorânea, e as regiões menos povoadas são os desertos e os planaltos do interior.

A população é predominantemente rural, exceto no Japão e em Taiwan. Porém, como no Oriente Médio, existem grandes aglomerações urbanas que superam os 10 milhões de habitantes, sobretudo Tóquio, Osaka, Seul, Xangai e Beijing (Pequim). São cidades altamente sofisticadas e desenvolvidas, que continuam a atrair a população rural, pois concentram uma elevada demanda de trabalho.

Economia

A economia baseia-se na indústria e nos serviços, sobretudo na China e no Japão, que são a segunda e terceira respectivamente potências econômicas do mundo. O crescimento econômico desses países tem sido extraordinário desde a Segunda Guerra Mundial, devido, entre outros fatores, à forte participação do Estado, a uma política comercial agressiva e ao uso de tecnologia de ponta.

O desenvolvimento econômico dos chamados “tigres” ou “dragões asiáticos” – Coreia co Sul, Cingapura, Hong Kong (China) e Taiwan – também foi um fenômeno sem precedentes. Esses países conseguiram, em tempo recorde, sair de um quadro de subdesenvolvimento para ingressar na lista dos mais importantes produtores e exportadores mundiais.

6. Sudeste Asiático

O Sudeste Asiático é formado pela península da Indochina e por numerosas ilhas. Engloba os Estados de Mianmar, Tailândia, Camboja, Laos, Vietnã, Malásia, Cingapura, Indonésia, Brunei e Filipinas.

População

É uma região densamente habitada, sendo a Indonésia o país mais populoso da região. Com mais de 220 milhões de habitantes, tem a quarta maior população do planeta. Embora a população seja principalmente rural, existem grandes aglomerações urbanas, como as de Jacarta (Indonésia), Bangcoc (Tailândia) e Ho Chi Minh (Vietnã). Essas cidades estão longe de ser desenvolvidas e não conseguem sequer oferecer serviços básicos aos cidadãos. Em geral, o Sudeste Asiático apresenta índices de pobreza muito elevados.

Quanto à religião, os budistas predominam na Indochina, e os muçulmanos, nas ilhas, exceto nas Filipinas, onde 85% dos habitantes são católicos.

Economia

Os países do Sudeste Asiático têm economia essencialmente agrícola. No Vietnã, 60% dos habitantes ocupam-se no setor primário. Destacam-se o cultivo de arroz, alimento básico da população, e as plantações de café, tabaco e cana-de-açúcar. Também são muito importantes as explorações florestais e a atividade pesqueira, que desempenha papel fundamental para suprir as necessidades alimentares desses países.

A indústria, em expansão, e a exploração dos abundantes recursos do subsolo estão nas mãos do capital estrangeiro, principalmente o japonês.

Tem apresentado nos últimos anos uma expansão em sua economia por conta dos investimentos realizados na educação e na entrada de multinacionais em seus territórios, atraídos pela mão de obra abundante e barata.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: