História

Consequências da Expansão Romana

Durante a república romana, os romanos empreenderam vários conflitos com os povos vizinhos. Como resultado, foram incorporando novos territórios. Após a conquista dos da Península Itálica, Roma ampliou seu interesse por novos territórios para aumentar o controle sobre o comércio no Mar Mediterrâneo, o que levou a cidade ao conflito com Cartago, importante potência comercial e marítima, localizada no norte da África. Os confrontos entre Roma e Cartago ficaram conhecidos como Guerras Púnicas e, ao final, os romanos saíram vitoriosos.

A expansão territorial romana provocou uma série de transformações na república. A fim de facilitar o escoamento da produção e manter o controle sobre seu vasto Império, os romanos construíram estradas, interligando os diversos pontos de seu território e, por isso, chegou-se a dizer que “todos os caminhos levam a Roma”.

Observe o mapa do mundo romano e as principais rotas marítimas e terrestres, por onde produtos de todas as partes iam e vinham, em incessante atividade mercantil.

Mapa da Roma Antiga.
Roma Antiga: principais rotas marítimas e terrestres.

As regiões anexadas a Roma eram obrigadas a pagar-lhe altos impostos. Populações escravizadas substituíram a mão de obra livre, gerando uma massa de desempregados nos campos e nas cidades. Pequenos proprietários arruinados abandonavam suas terras em direção às cidades, contribuindo para o aumento das tensões sociais.

Consequências econômicas

Roma tornou-se uma república escravista e uma potência mercantil marítima. Os patrícios passaram a concentrar cada vez mais riquezas. A cada conquista, mais terras iam para as suas mãos.

Da mesma forma, essas guerras constantes favoreceram o surgimento de um novo grupo da sociedade – “os homens novos”, que eram plebeus enriquecidos com atividades mercantis, com o fornecimento de materiais para os exércitos e com a coleta de impostos. Enquanto isso, os pequenos proprietários viam suas terras passarem para as mãos patrícias como pagamento de dívidas.

As guerras também começaram a fornecer mão de obra escravizada, que passou a substituir os trabalhadores livres.

Consequências sociais

Entre a aristocracia, o luxo tornou-se comum, em razão das riquezas oriundas das conquistas, dos saques das cidades conquistadas, da cobrança de impostos abusivos sobre as províncias e da exploração do trabalho escravo. Em igual medida, os pobres se tornavam cada vez mais pobres. Sem terra e trabalho, viam na cidade uma alternativa de vida. Mas, ao chegar nela, eles somente faziam crescer ainda mais a quantidade de desempregados.

As populações marginalizadas moravam em casebres de madeira, sem as mínimas condições higiênicas, sujeitas às epidemias de tifo, de disenteria e de tuberculose. Para acalmar os desempregados, Roma instituiu a “política do pão e circo”, que reunia grandes multidões em estádios para fornecer-lhes vinho e pão enquanto elas passavam o tempo assistindo aos espetáculos oferecidos pelo Estado. Enquanto assistia às atividades circenses e ao combate dos gladiadores, o povo se alienava, isto é, esquecia-se de seus problemas.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: