Home Biologia > Animais > Crustáceos

Crustáceos

O grupo dos crustáceos (do latim crusta, carapaça dura) é composto por caranguejos, siris, camarões, lagostas, cracas e outros. Existem desde formas microscópicas, abundantes no plâncton, até formas maiores, adaptadas a nadar e a andar no fundo do mar.

Publicidade

Características

A maioria das mais de 35 mil espécies conhecidas é marinha, mas existem crustáceos que vivem em água doce e até alguns, como o tatuzinho-de-jardim, que habitam a terra úmida. Os crustáceos possuem dois pares de antenas. O par mais curto tem função olfativa e o par mais longo, função tátil.

Os crustáceos também apresentam olhos compostos, que se situam, geralmente, na extremidade de dois pedúnculos (por isso são chamados de olhos pedunculados), o que lhes possibilita ampla exploração do ambiente. Um par de mandíbulas ao redor da boca e outros apêndices e acessórios são utilizados na obtenção de alimentos.

Imagem de um crustáceo.
Imagem de um camarão. É possível observar as antenas, outros apêndices próximos à boca e o par de olhos pedunculados.

O caranguejo paguro, ou bernardo-eremita, possui o abdome mole, por não ter exoesqueleto na parte posterior do corpo. Para se proteger, ele ocupa o interior de conchas de moluscos abandonadas.

Respiração

Os crustáceos possuem respiração branquial. Por meio de estruturas que normalmente se desenvolvem na base dos apêndices torácicos, são capazes de absorver o oxigênio da água, o qual é transportado pelo sangue até as células.

O tatuzinho-de-jardim possui brânquias modificadas que permitem as trocas gasosas diretamente com o ar, desde que em ambiente bem úmido. As brânquias localizam-se em uma cavidade que reduz a perda de água por transpiração.

Reprodução

A maioria dos crustáceos possui sexos separados, geralmente com fecundação externa e desenvolvimento indireto. Os ovos, em geral, são incubados na face ventral do abdome das fêmeas e, quando eclodem, liberam uma larva natante e de vida livre.

Reprodução dos crustáceos.
Imagem de um caranguejo fêmea com
ovos na face ventral do abdome.

Em alguns caranguejos, é possível diferenciar macho e fêmea por observação das pinças. O macho apresenta uma das pinças maior que a outra.

Publicidade

Podemos identificar o sexo de siris e caranguejos observando as diferenças do abdome. Os machos apresentam o abdome mais estreito que o das fêmeas.

Curiosidades sobre os crustáceos

Uma dúvida frequente que temos quando vamos à praia é se aquele crustáceo que observamos é um siri ou um caranguejo. Para essa diferenciação, devemos ficar atentos ao formato do corpo e às patas.

Os siris apresentam cefalotórax achatado e o último par de patas com forma de remos, ou seja, adaptadas para nadar. Os caranguejos têm um cefalotórax robusto e as patas traseiras são iguais às demais.

Diferença entre siri e caranguejo.
Imagem de um siri (à esquerda) e um caranguejo (à direita). Note o último par de patas, em forma de remo no primeiro e, em forma de garra, no segundo.

Quilópodes, como lacraias, e diplópodes, como piolhos-de-cobra, têm respiração traqueal. As lacraias são animais caçadores, de hábitos noturnos, carnívoros e predadores. Atacam insetos, minhocas e até pequenos vertebrados, como camundongos e aves em seus ninhos.

Apresentam duas garras recurvadas, localizadas na parte ventral anterior do corpo, perto da boca. Por meio dessas garras, elas inoculam o veneno em suas presas, matando-as.

A lacraia é um crustáceo.
Lacraia. Em destaque, os ferrões inoculadores de veneno.

Os piolhos-de-cobra são inofensivos. Alimentam-se de matérias orgânicas mortas vegetal e animal. Quando ameaçados, enrolam-se e podem descarregar uma substância fétida para afugentar os predadores.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: