Home História Brasil > Coluna Prestes

Coluna Prestes

 A Coluna Prestes foi um movimento militar ocorrido de 1925 a 1927, que fazia oposição à República Velha e as classes dominantes do período. Teve início no governo de Arthur Bernardes que era um grande advogado e político brasileiro, sendo Presidente de Minas Gerais (1918-1922) e Presidente do Brasil (1922-1926).

Antecedentes:

O Brasil, no século XX, vivia sob o domínio das oligarquias rurais, principalmente dos grandes produtores de Café, o maior produto de exportação brasileiro. Os militares começaram a questionar esse poder e a influência que esses produtores tinham sob o governo, e principalmente exigir um maior investimento nas forças armadas.

O Tenentismo ganhou notoriedade no Rio de Janeiro, no início da década de 20. Esse termo designa um movimento liderado por militares de baixa patente e que tinha como objetivo propor reformas políticas no Brasil. Dentre estas reformas se destacam o fim do voto de cabresto, a instauração do voto secreto e a reforma da Educação Pública.

Em 1924 surgiu uma nova rebelião, desta vez, em São Paulo. Luis Carlos Prestes organizava um grupo também no Rio Grande do Sul. Em abril de 1925 as duas frentes de oposição, a Paulista liderada por Miguel Costa, e a Gaúcha liderada por Carlos Prestes, se encontraram em Foz do Iguaçu e partiram em caminhada pelo Brasil. O que ficou conhecida como “Coluna Prestes”.

A Coluna Prestes:

Esta caminhada percorreu cerca de 25.000 quilômetros, em dois anos percorreu 11 estados, e teve cerca de 1500 homens.

Caminho percorrido pela Coluna Prestes no Brasil
O mapa assinala o roteiro da Coluna Prestes, saindo do Rio Grande do Sul até ingressar na Bolívia, em 1927. Como se percebe, uma Coluna paulista oriunda de Revolução de 1924 juntou-se aos rebeldes gaúchos, na altura do Estado do Paraná.

Em toda cidade que passava a “Coluna” recebia o apoio dos populares e do desgosto dos Coronéis, que eram o alvo das críticas dos militares. Porém estavam sempre sendo vigiados, e acompanhados, por homens representantes do governo. Tinham ordens de não entrar em conflito com ninguém, pois acreditavam que isso prejudicaria a imagem do movimento.

Ter esse contato direto com a população brasileira por onde passava, ajudou a denunciar toda a situação política brasileira que vinha acontecendo. A princípio o movimento não teve grande repercussão, mas posteriormente ajudou a balançar todas as bases do governo oligárquico, e abriu caminho para a Revolução de 1930. E Prestes foi considerado o símbolo do movimento, conhecido como “Cavaleiro da Esperança”.

O movimento se desfez quando chegou à fronteira do Brasil com a Bolívia. Muitos militares se exilaram por ali mesmo. Já Prestes foi para a Rússia, onde, posteriormente, retornou como um dos líderes do PCB (Partido Comunista Brasileiro).

Por: Pedro Augusto Rezende Rodrigues

Veja também: