Home / História Geral / Colonização Inglesa

Colonização Inglesa

A colonização inglesa

Depois das tentativas frustradas dos Caboto realizando as primeiras viagens para a América na época dos primeiros reis Tudor, Valter Raleigh fundou, em 1585, a colônia da Virgínia, no litoral atlântico dos Estados Unidos, uma área que os ingleses já defendiam como sua possessão. Essa colônia, cuja denominação é uma homenagem a Elizabeth I, chamada de Rainha Virgem, foi o primeiro estabelecimento colonial inglês na América e resultou em fracasso.

No século XVII, durante o reinado dos Stuart, foram criadas as companhias de comércio, que teriam o monopólio do comércio e colonização do Novo Mundo, além de propriedades concedidas pelos reis. Em 1606, a London Company procurou reocupar a Virgínia. Na mesma época a Plymouth Company, cuja concessão abrangia o Norte dos Estados Unidos, deu início à ocupação da Nova Inglaterra; em 1620, o navio Mayflower desembarcou um pequeno grupo de colonos puritanos, que fugiam das perseguições políticas e religiosas na Inglaterra. Esse núcleo daria origem à colônia de Massachussets.

As Treze Colônias

A partir da colônia de Massachussets, núcleo da Nova Inglaterra, formaram-se as colônias de Rhode Island (1644), Connecticut (1662) e New Hampshire, reconhecida em 1679. Ao mesmo tempo, tinha início a ocupação do Sul: em 1632, Lord Baltimore fundou a colônia de Maryland — refúgio para os católicos perseguidos na Inglaterra; em 1663, surgia a Carolina, que no século XVIII seria dividida em duas colônias (Carolina do Sul e Carolina do Norte).

A Geórgia, no extremo Sul da ocupação inglesa, só foi povoada em 1729 por presos por dívidas que para lá eram enviados. As colônias do centro, Nova York, New Jersey, Delaware e Pensilvânia, surgiriam um pouco depois, uma vez que a coroa inglesa transformou essa faixa do território em terra de ninguém, visando evitar conflitos entre nortistas e sulistas. No processo de estabelecimento das colônias centrais, destacou-se a figura de Wlliam Penn, fundador da Pensilvânia e de Delaware.

Desde cedo, a colonização da faixa atlântica dos EUA apresentou diferenças essenciais: no Norte e no Centro desenvolveram-se as colônias de povoamento, enquanto Sul, as colônias de exploração.

A Administração Inglesa

As treze colônias da América do Norte organizaram-se com base no self government — autogoverno — constante na legislação liberal inglesa, que reconhecia os direis fundamentais dos homens livres. Por essa razão, os colonos ingleses desfrutavam de grande autonomia política e administrativa, no âmbito de suas colônias.

Os governadores de cada colônia eram nomeados pela coroa inglesa; mesmo assim, na maioria das vezes, eram homens das próprias elites locais. Seus poderes eram limitados pelas Assembléias (Conselhos) locais e seus salários pagos pelos colonos.

No plano econômico, cabia à Metrópole o monopólio comercial, a criação de moedas e leis que afetassem a indústria e a navegação, o que não impediu o desenvolvimento dos triângulos comerciais pelos colonos da Nova Inglaterra.

Veja também:

Veja também

Figura representativa da política do Big Stick na América

Política do Big Stick

No final do século XIX acontecia um tremendo fortalecimento das relações dos Estados Unidos com ...