Home > História Geral > Pérsia – Império Persa

Pérsia – Império Persa

A unificação política do Planalto Iraniano e a criacão do Império Persa foi obra de Ciro, rei da Pérsia, que logrou anexar o Reino da Média (555 a.C.). Em seguida, Ciro derrotou Creso, rei da Lídia, e conquistou o Segundo Império Babilônico, permitindo que os hebreus retomassem à Palestina.

Em seu reinado, procurou instaurar uma certa unidade econômica no império e tratou os povos submetidos com benevolência, deixando-os com seus próprios costumes, língua e tradição. Foi visto pelos hebreus como um libertador do jugo dos caldeus.

Cambises, filho e sucessor de Ciro, conquistou o Egito na batalha de Pelusa (525 a.C.), vencendo o faraó Psamético III. Morreu quando se preparava para voltar à Pérsia, a fim de sufocar uma revolta.

A leste da Mesopotâmia, nas terras elevadas do Planalto iraniano, viviam medos e persas, povos de origem indo-européia que desenvolveram uma intensa atividade pastoril, devido à inexistência de grandes rios como o Tigre e o Eufrates. No início, houve a preponderância dos medos sobre os persas, quando Ciáxares construiu um poderoso reino. Com o declínio da hegemonia medá, Ciro, rei dos persas, uniu os dois povos e fundou o Império Persa, o maior até então organizado na Ásia Ocidental. Esse império desapareceu quando da expansão macedônica, comandada por Alexandre Magno.

Império Persa
Mapa do Império Persa

Em 522, Dario I subiu ao poder; com ele, o Império Persa atingiu o apogeu. Seus domínios estendiam-se desde a Trácia, na Europa, até a Ásia Central. Dano consolidou o despotismo real, dando à sua pessoa um caráter semi- divino. Dividiu o império em satrápias, cuja administração civil e militar era confiada aos nobres escolhidos; não obstante, tais sátrapas eram vigiados por funcionários reais (os “olhos e ouvidos do rei”), que percorriam as províncias fiscalizando a ação dos dirigentes. Houve estímulos ao comércio e o florescimento de várias capitais (Susa, Persépolis e Pasárgada), pois a Corte persa se deslocava periodicamente.

Dano envolveu-se em uma disputa pela hegemonia comercial nos mares Egeu e Negro e, apoiado por seus aliados fenícios, deu início às Guerras Médicas, sendo derrotado pelos atenienses na batalha de Maratona.

A derrocada do grande Império Persa teve início no reinado de Xerxes, que também foi derrotado pelos gregos (batalha de Salamina); o fim de sua independência política veio com a derrota e morte de Dano III ante a investida dos gregos e macedônios, comandados por Alexandre Magno.

A economia e a sociedade do Império persa

O ambiente econômico do Império teve seu período de apogeu sob o reinado de Dario I, que procurou estimular o comércio e a agricultura. Com a introdução de um padrão monetário que ficou conhecido com o nome de dárico, cunhado em ouro ou prata, de peso fixo e com a efígie do rei (inovação trazida da Lídia), o comércio interno foi incrementado de maneira espetacular. A construção de estradas, bem como um eficiente policiamento efetuado por tropas reais, permitiram um tráfego maior de caravanas que demandavam a Mesopotâmia, provenientes dos confins da Ásia. Os correios reais facilitavam as comunicações e dizia-se que “na capital podia-se comer o peixe pescado no mar no mesmo dia”.

O Império Persa nasceu do conflito entre as tribos pastoras e agricultoras. Quando o persa Ciro se impôs pela força, a nobreza agrária e guerreira também se sobrepôs. O povo, constituído de artesãos, agricultores e pastores, que podiam ser recrutados para a guerra, ocupava uma posição superior aos escravos.

Entre os persas, o poder da camada sacerdotal era menor do que na maioria das civilizações da Antigüidade Oriental.

A religião dualista do Império persa

Antes mesmo do processo de unificação dos persas, realizado por Ciro, um personagem semi- lendário deu aos persas uma forma peculiar de religião: o dualismo.

Esse personagem, conhecido como Zoroastro ou Zaratustra, escreveu o Zend-Avesta, estabelecendo os princípios gerais da religião persa. Apesar de distorcido por seus seguidores, o zoroastrismo teve grande repercussão em certas regiões da Ásia e ainda é praticado, se bem que com modificações.

Baseado na existência dos princípios opostos do bem (representado pelo deus Aura-Mazda) e do Imal (Ahriman), afirmava que ambos viviam em constante luta pelo controle das ações humanas. Os homens, agindo corretamente, estariam ajudando o bem a vencer o mal. Zoroastro previa que no final dos tempos Aura-Mazda venceria e os que ficassem ao lado do mal seriam destruídos.

O dualismo persa acabou por influenciar o Cristianismo, no que tange à dicotomia entre Céu e Inferno. Previa a vinda de um Messias e se apresentava na condição de religião revelada. A religião persa sofreu influência da Mesopotâmia, acabando por adotar fórmulas de horóscopos e a predição do futuro através da posição dos astros. O culto de Mitra (auxiliar de Aura-Mazda) chegou a influenciar os próprios romanos, que o representavam pelo Sol.

A cultura Persa

Os persas procuraram fora das suas fronteiras os elementos que marcaram suas construções. Influências egípcias e mesopotâmicas fizeram-se sentir na arquitetura e a esculturas persas e os restos de seus palácios evidenciam esse ecletismo cultural.

Os palácios do Império Persa possuíam alicerces de pedra, vastos terraplanos, paredes de tijolos, colunas finas e elegantes, com capitéis esculpidos com cabeças de touro ou de cavalo. O teto era forrado com madeira pintada. Muros recobertos de baixos-relevos ou ladrilhos esmaltados caracterizam as principais construções existentes.

Veja também:

Veja também

Figura representativa da política do Big Stick na América

Política do Big Stick

No final do século XIX acontecia um tremendo fortalecimento das relações dos Estados Unidos com ...