Home Química > Química Orgânica > Separação de Misturas

Separação de Misturas

São poucas as substâncias encontradas puras na natureza. Entre elas, há o ouro e o cobre. Para as substâncias serem obtidas de forma pura, é necessária a utilização de métodos de separação de misturas.

Para separar uma mistura, é preciso, em primeiro lugar, observar se ela é heterogênea ou homogênea e, em seguida, escolher o processo mais adequado para fazer a separação.

Publicidade

Muitas vezes, dependendo da complexidade da mistura, exige-se um conhecimento prévio de algumas propriedades das substâncias presentes, como, temperatura de fusão, temperatura de ebulição, se a mistura se dissolve na água ou não etc.

Veja a seguir os processos de separação mais comuns.

SEPARAÇÃO DE MISTURAS  HETEROGÊNEAS

Todas as fases são sólidas

Catação – Os fragmentos são catados com a mão ou pinça. Ex.: separar arroz do feijão.

Publicidade

Ventilação – Separação do componente mais leve por corrente de ar. Ex.: separar a casca do arroz.

Levigação – Separação do componente mais leve por corrente de água que arrasta o componente menos denso. Ex.: separação de minérios.

Separação de misturas por levigação.
No garimpo, o ouro é separado por levigação.

Flotação – Separação por um líquido de densidade intermediária entre dois sólidos de densidades diferentes. O sólido menos denso flutua no líquido. Ex.: separação do ouro do seu minério com o auxílio de mercúrio líquido.

Dissolução fracionada – Separação por meio de um líquido que dissolve apenas um componente e não dissolve os outros. Necessita de um método auxiliar para retirar o líquido adicionado, geralmente filtração e evaporação. Ex.: mistura de areia e sal.

Separação magnética – Apenas um componente é atraído pelo ímã, geralmente ferro, níquel e cobalto. Ex.: areia com limalha de ferro

Fusão fracionada – Separação por aquecimento da mistura até a fusão do componente de menor P.F.

Cristalização fracionada – Adiciona-se um líquido que dissolva todos os sólidos. Por evaporação da solução obtida, os componentes cristalizam-se separadamente.

Peneiração ou tamização – separa-se grãos menores de maiores com o auxílio de uma peneira (conhecido também como tamis). O grãos maiores ficam retidos na peneira e os menores passam pela malha. Ex.: separar areia de pedregulhos.

Pelo menos uma das fases não é sólida

Sedimentação – Separação de duas ou mais camadas devido a diferentes densidades, sendo que a fase mais densa se deposita no fundo do recipiente em que se encontra.

Decantação – Após a sedimentação a fase líquida é escoada ou retirada por intermédio de um sifão.

Separação de misturas.
Etapas iniciais da decantação, mostrando a sedimentação do barro.

Sifonamento – necessita que se estabeleça um diferença de altura entre o frasco que contém a mistura e a ponta do sifão para que haja escoamento da fase superficial da mistura.

Filtração – Separa a fase líquida ou gasosa da sólida por meio de uma superfície porosa que retém o sólido. Usam-se papel filtro ou filtro de porcelana. Ex.: coar o café, filtrar a água, aspirar o pó com aspirador.

Separação de misturas por filtração.
Filtração.

Funil de decantação – separa dois líquidos imiscíveis (não se misturam entre si) com o auxílio de um funil de decantação (chamado também de pera de decantação). Ao se abrir a torneira o líquido mais denso escoa separando-se do outro líquido. Ex.: água e azeite

Centrifugação – Decantação acelerada por um centrífuga. É utilizado quando as partículas sólidas são muito pequenas, o que demoraria para decantar. A centrífuga origina uma força que desloca as partículas para o fundo dos tubos do aparelho.

Câmara de poeira – passar um mistura sólido-gás no interior de uma câmara subdividida em tabiques (chicanas) onde a poeira fica retida o gás sai purificado. Ex.: ar com poeira.

Sublimação – é possível separar sólidos que sublimam a temperatura ambiente ou com leve aquecimento. Ex.: separar iodo de outros sólidos

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HOMOGÊNEAS

Destilação simples (sólido + líquido)
Por aquecimento, só o líquido entra em ebulição, vaporiza-se e a seguir condensa-se, separando-se do sólido.
Ex.: destilar solução de permanganato de potássio.

Separação de misturas por destilação simples.
Destilação simples de uma solução aquosa (água) de sal de cozinha.

Destilação fracionada (líquido + líquido)
É utilizada quando temos líquidos que tenham diferentes pontos de ebulição (P.E.) que passam através de uma coluna de fracionamento. Por aquecimento, os líquidos vaporizam-se e a seguir condensam-se, separadamente, à medida que vão sendo atingidos os seus P.E.
Ex.: fracionamento do petróleo

Separação de misturas por destilação fracionada.
Destilação fracionada. A coluna de fracionamento permite a separação de líquidos miscíveis e com razoável diferença de temperaturas de ebulição.

Liquefação fracionada (gás + gás)
Por resfriamento da mistura, os gases se liquefazem separadamente, à medida que vão sendo atingidos os seus P.E. Ex.: mistura de O2 e N2

Aquecimento simples (gás + líquido)
Por aquecimento abaixo do PE do líquido, o gás dissolvido é expulso. Ex.: água com CO2

Evaporação – o componente líquido é separado do sólido após se deixar evaporar o líquido presente. Ex.: separar o sal da água do mar.

Autoria: Fernanda Medeiros

Veja também: