Quincas Borba – Machado de Assis

Machado de Assis é tido como o introdutor do Realismo no Brasil quando publica Memórias Póstumas de Brás Cubas, em 1881, romance que é colocado ao lado dos posteriores: Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó e Memorial de Aires.

Quincas Borba foi publicado entre 16 de junho de 1886 a 15 de setembro de 1891 na revista Estação. Segundo estudos literários, esta obra é a continuação do romance que a precede: Memórias Póstumas de Brás Cubas, marco inicial do Realismo no Brasil. A relação entre ambas está no “humanitismo”, teoria desenvolvida pelo filósofo Quincas Borba (sendo este o “humanitismo” na prática) em Memórias Póstumas e incutida em Quincas Borba.

O foco narrativo está em terceira pessoa, isto é, o narrador só relata os fatos, sendo imparcial a tudo que acontece, apenas observando os fatos. A história tem como mote a loucura que é aflorada por meio de processos que tocam fatores latentes.

Resumo do Livro

Quincas Borba vive confortavelmente em uma chácara na cidade de Barbacena (MG) e tem como enfermeiro e discípulo o ex-professor primário, Rubião que é modesto e tem inteligência limitada não consegue apreender a teoria de Quincas que tenta a todo custa ensiná-la ao enfermeiro.

Quincas morre. Toda a sua fortuna é deixada para Rubião, mas com a seguinte condição: o enfermeiro só teria direito à herança se cuidasse do cachorro de Quincas, que também se chama Quincas Borba.

Com o cachorro e a herança, Rubião se muda para o Rio de Janeiro. Conhece o casal Sofia e Cristiano Palha, na estação em Vassouras (RJ), que percebe quão ingênuo Rubião é e aos poucos passam a administrar sua fortuna.

Quincas Borba de Machado de AssisRubião se apaixona por Sofia, mas não é correspondido, esse fato o leva aos poucos à loucura, a mesma responsável pela morte de Quincas Borba. Louco e explorado por diversas pessoas, dentre elas o casal Palha e Sofia que lhe tiraram toda a fortuna, Rubião falece à míngua e assim se torna a prática da tese do humanitismo. Após três dias, numa rua, o cachorro Quincas Borba é encontrado morto.

O romance é a representação da filosofia criada por Quincas Borba, em que a vida é um campo de batalha e só sobreviverão os mais fortes. Os fracos e ingênuos, tal qual Rubião, serão os manipulados e anulados pelos mais espertos, a exemplo o casal Sofia e Palha, que no desfecho de Quincas Borba terminam ricos e vivos.

Fonte:

  • ASSIS, Machado de. Quincas Borba. Domínio Público. Disponível em: < http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000106.pdf>.
  • AZEVEDO, Alexandre. PELEGRI DE SÁ, Sheila. Realismo e naturalismo. Ensino Médio. Material integrante do Ético Sistema de Ensino.
  • Quincas Borba. Disponível em: < http://vestibular.uol.com.br/ultnot/livrosresumos/ult2755u122.jhtm>. Acesso em 17 out. 2013.
  • Quincas Borba – Machado de Assis. Disponível em: < http://www.mundovestibular.com.br/articles/366/1/QUINCAS-BORBA–Machado-de-Assis-Resumo/Paacutegina1.html>. Acesso em 17 out. 2013.

Por: Miriã Lira