Filosofia

Ética e Moral

A confusão que acontece entre as palavras ética e moral existem há muitos séculos. A própria etimologia destes termos gera confusão, sendo que Ética vem do grego “ethos” que significa modo de ser, e Moral tem sua origem no latim, que vem de “mores”, significando costumes.

A diferença entre ética e moral

Na filosofia, a ética é o campo do conhecimento que procura refletir sobre as formas de agir e pensar das pessoas conforme cada sociedade e cultura. A ética questiona, por exemplo, o que é o bem e o mal; quais situações são consideradas certas e quais são consideradas erradas; o que é justo e o que é injusto etc.

O conjunto de regras de cada sociedade, ou grupo da sociedade, que define como se deve agir e pensar é chamado de moral. A ética pode ser considerada a reflexão sobre a moral.

É importante lembrar que a ética, na filosofia, não é a reflexão sobre quem está certo e quem está errado, mas sobre como cada moral pensa o certo e o errado. Logo, é um estudo sobre a moral.

Imagem com um homem a decidir qual caminho escolher na bifurcação de uma estrada.

Exemplos de moral

A moral pode estar ligada a uma religião.

A moral cristã acredita num Deus único e na sacralidade de Jesus Cristo. Os fiéis procuram conhecer os ensinamentos de Jesus e viver conforme os modos de agir e pensar dele. Para isso, a leitura da Bíblia é necessária e a ida a cultos ou igrejas, conforme a moral protestante ou católica, também é importante.

Já a moral judaica também acredita num Deus único, mas não considera Jesus Cristo o messias, adotando apenas alguns textos da Bíblia. Além disso, segue regras específicas de roupas e alimentação e tem seu calendário próprio e concepções específicas sobre cada fase da vida. Cristãos e judeus têm, portanto, moralidades diferentes.

Exemplos de ética

A ética pode ser aplicada à cidadania, à nossa vida em sociedade. Nesse caso, a ética não deve ser apenas um estudo sobre a moral, mas também uma forma de refletir sobre as maneiras justas de vivermos coletivamente. Afinal, se vivemos em sociedade, devemos dialogar, questionar e concluir quais são os valores importantes para termos uma boa vida em sociedade.

Por exemplo, no Brasil, cristãos, judeus, muçulmanos, candomblecistas, umbandistas, espíritas, agnósticos, ateus etc. têm os mesmos direitos. A tolerância religiosa, ou seja, o respeito às diversas religiões, deve, portanto, ser um valor importante para a nossa ética. Em nosso país, os cidadãos não têm a obrigação de seguir apenas uma religião. Pelo contrário, o Estado têm o dever de dar espaço a todas as religiões e, até mesmo, a quem não tem religião.

A ética deve tratar dessas questões e, por meio da filosofia, podemos estudar e aplicar a ética à nossa cidadania.

Veja um exemplo histórico que nos faz entender a diferença entre ética e moral

Nos anos 1950, os Estados Unidos eram um país segregado, com bairros, escolas, lojas etc. específicos para pessoas brancas ou negras, sendo estas últimas as mais prejudicadas. Nos ônibus, por exemplo, pessoas negras eram obrigadas a dar o lugar caso uma pessoa branca não tivesse onde se sentar. E isso tudo acontecia dentro da lei, ou seja, fazia parte da moralidade do país e, portanto, era algo considerado moral.

Um dia, porém, a costureira negra de 42 anos Rosa Parks (1913-2005) recusou-se a se levantar para ceder o assento a um homem branco. Sua atitude foi considerada imoral e ela foi presa e multada.

Depois desse ato, houve uma série de mobilizações de cidadãos negros, liderados por Martin Luther King Jr., em busca de igualdade racial. Ainda que a segregação racial fosse algo moral, a reflexão ética sobre essas regras permitiu mostrar que ela era antiética e, com isso, pôde-se modificar os códigos morais.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: