História

Independência da América Espanhola

No início do século XIX, quase todas as colônias espanholas na América se tornaram independentes, e a Espanha deixou de ser potência mundial. As novas repúblicas mantiveram, porém, dependência econômica em relação aos países ocidentais.

Enquanto o Brasil trilhava um caminho de independência com a família real de Bragança, a América Espanhola realizava sua emancipação política por meio de movimentos militares, proclamações de república e participação de milhares de homens do povo.

As causas da independência

Seguindo o exemplo dos Estados Unidos, entre 1810 e 1825 teve início o processo de independência da maioria das colônias espanholas na América.

As causas foram as seguintes:

  • A difícil situação criada na Espanha pela invasão francesa por Napoleão Bonaparte, que resultou na ruptura do contato direto com a América, e o vazio de poder criado pela detenção dos reis espanhóis na França.
  • O descontentamento dos criollos (descendentes de espanhóis nascidos na América), que não podiam exercer cargos políticos e eram contra a manutenção do monopólio comercial. Os povos indígenas viviam uma forte tensão social, sendo muito explorados pelos não-indígenas. A independência foi, sobretudo, uma espécie de rebelião das colônias contra a metrópole.
  • A influência das ideias iluministas e os exemplos bem-sucedidos da independência norte-americana e da Revolução Francesa, assim como a ajuda da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos, países interessados em afastar a Espanha do comércio americano.

O processo de independência

Ao longo de duas décadas sucederam-se sublevações e confrontos nas diferentes colônias. Esses conflitos podem ser agrupados em duas etapas. Na etapa inicial, as forças metropolitanas praticamente retomaram os territórios declarados independentes. No segundo momento, concretizaram-se as independências.

Primeira etapa (1810-1816)

  • No México eclodiram sucessivas revoltas populares lideradas pelos padres Hidalgo e Morelos, as quais foram rapidamente reprimidas.
  • Na Venezuela, o Congresso Geral de Caracas proclamou a independência em 1811; Miranda e Simón Bolívar, líderes dessas revoltas, foram derrotados, e os espanhóis voltaram a dominar o território.
  • Na Argentina, após a deposição do vice-rei, uma junta subiu ao poder até que se declarasse a independência no Congresso de Tucumán, em 1816.
  • No Chile e, na Colômbia, os levantes foram reprimidos; no caso chileno, pelas tropas leais ao vice-rei Abascal e, na Colômbia, pela atuação das tropas do general Morillo.
  • O Paraguai, sob a chefia de Gaspar de Francia, constituiu uma junta governativa, assumiu o poder em 1811, e declarou a independência em 1813.
Retrato de Simon Bolívar.
Simon Bolívar participou ativamente das independências da Colômbia, Venezuela e Equador. Era defensor de uma unidade de todo espaço colonial espanhol por meio da criação de um gigantesco Estado.

Segunda etapa (1816-1825)

  • No México, o padre Hidalgo foi preso e fuzilado em 1811, sendo substituído pelo padre José Maria Morellos, que assume a liderança do movimento e proclama a independência do México em 1821.
  • Os rebeldes chilenos declararam a independência após as vitórias de San Martin em Chacabuco (1817) e em Maipu (1818). A Colômbia tomou-se independente depois da vitória de Bolívar em Boiacá (1819).
  • Da vitória no Chile, José de San Martin dirigiu-se para o Peru, centro da resistência metropolitana, acompanhado pelo lorde inglês Cochrane, libertando-o em 1821.
  • Bolívar e San Martin conseguiram maior coordenação nas ações, sobretudo em Guaiaquil, no Equador, e uma atuação militar decisiva, que culminou nas vitórias de Carabobo (1821) e Aiacucho (1824). Ambas asseguraram a independência da Venezuela e da Bolívia (esta última, em 1825).
  • Na mesma época, aconteceu também a independência do Brasil (1822), que foi resultado de outro processo histórico.
Retrato de José Francisco de San Martín.
José Francisco de San Martin foi o chefe militar que comandou operações de guerra contra os chapetones e outras forças espanholas na Argentina, no Peru e no Chile. Suas campanhas militares foram fundamentais para a proclamação da independência desses países.

Entretanto, a independência das colônias espanholas não beneficiou os diversos setores da sociedade – houve contradições internas e fortes divergências entre os grupos (criollos, mestiços, ameríndios e oficiais do exército), dentre os quais os criollos foram os maiores privilegiados. A Grã-Bretanha e os Estados Unidos buscaram obter o controle econômico e político do continente latino-americano.

O Uruguai, incorporado ao território brasileiro, só conseguiu sua independência em 1828, através de uma guerra contra o império de D. Pedro I e com a ajuda das províncias unidas do Prata (Argentina) e com a mediação da Inglaterra.

Consequências da América Espanhola independente

Com a independência, a América Espanhola fragmentou-se em diversos países, caracterizados politicamente pela criação de repúblicas presidencialistas.

Isso ficou ainda mais evidente com a fragmentação da América Central, que desde 1824 esteve unida ao México, nas Províncias Unidas da América Central. A partir de 1838, dividiam-se formando a Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica.

Mapas da América evidenciando o antes e o depois.
Observe nos mapas acima o antes e o depois da fragmentação política e administrativa das colônias hispano-americanas, com as datas de independência de cada país.

Esses países conquistaram sua independência política sem, contudo, conseguirem organizar instituições estáveis. Por essa razão, muitos deles se debateram entre contradições internas e pressões externas, isso sem falar de sua dependência econômica em relação aos países ocidentais, sobretudo a Inglaterra.

Na prática, a emancipação das colônias hispano-americanas não trouxe mudanças significativas para a vida dos afro-descendentes, ameríndios e miscigenados.

Grande contingente de pessoas, em sua maioria proveniente da Europa, dirigiu-se para as novas nações, em um processo de imigração que atingiu o apogeu entre os anos 1850 e 1880. Territórios quase virgens, como a Patagônia e o sul do Bio Bio, no Chile, passaram a ser habitados pelos imigrantes.

Quanto à vida cultural após a emancipação, o idioma espanhol, que tinha sido imposto desde a conquista e a colonização das terras americanas, continuou sendo a língua oficial das novas repúblicas.

Por: Paulo Magno Torres

Veja também: