Português

Gêneros Literários

Entendemos por gêneros literários determinados modos de expressão formal da arte literária. Isso significa que é por meio dos gêneros literários que a arte da literatura ganha forma.

Os gêneros literários são classificados em lírico, épico (também denominado narrativo) e dramático.

Gênero lírico

O gênero lírico é a expressão de um eu (uma subjetividade), sem a preocupação principal de relatar ações e histórias. Interessa a esse tipo de texto a projeção de um mundo interior.

Inicialmente, entre os gregos antigos, os textos líricos eram feitos para serem cantados, acompanhados pela lira, um instrumento musical de cordas, que deu origem ao nome do gênero.

Detalhe de vaso grego, em que aparece a lira.

Compõem esse gênero os poemas líricos de forma fixa (soneto, balada etc.) e de forma livre (ode, elegia, canção etc.).

Um poema é uma obra literária, um texto, normalmente apresentado sob a forma de versos e estrofes que podem ou não possuir rimas. Veja os principais elementos de um poema:

  1. Cada linha do poema é chamada verso, palavra originada do latim versu, que significa volta, significado este que queremos ressaltar;
  2. O agrupamento de versos é denominado estrofe, a qual recebe um nome específico conforme a quantidade de versos – dístico (dois versos), terceto (três), quarteto (quatro), e assim por diante;
  3. Existem composições em verso com um padrão de estrutura – são os poemas de forma fixa, em oposição aos poemas de forma livre;
  4. Entre os poemas de forma fixa, o mais conhecido é o soneto, composto por dois quartetos e dois tercetos.

Gênero épico

Comparativamente ao lírico, o gênero épico é mais objetivo. Nele, cria-se a impressão de que há alguém contando a outra pessoa uma história própria ou, muito comumente, relativa a outros seres.

Esse gênero pode apresentar-se por meio da prosa ou de versos. Abrange as narrativas ficcionais de caráter não heroico (romance, conto, novela e fábula) e as epopeias, narrativas heroicas.

Epopeia: Narrativa heroica de grande extensão e temas históricos, mitológicos e/ou lendários. Na forma de versos, as epopeias são comumente chamadas de poemas épicos.

John William Waterhouse, Ulisses e as sereias, 1891.
A obra Odisseia já foi tema escolhido por diversos pintores. Um dos episódios retratados com recorrência é aquele em que Ulisses se faz atado ao mastro do navio como maneira de resistir à tentação provocada pelo canto das sereias. (John William Waterhouse, Ulisses e as sereias, 1891.)

Romance: O romance consiste na forma de narrativa em prosa que relata em detalhes as ações das personagens, dando ao leitor a noção de todo o universo apresentado, por meio de análises minuciosas. Apresenta elementos estruturadores: enredo, personagens, tempo, espaço, ponto de vista da narrativa.

Novela: A novela é uma forma intermediária entre o romance e o conto, que apresenta todos os elementos do romance, porém de forma reduzida, em menor número. Ela tem um enredo unilinear, em que as ações predominam sobre as análises, descrições. Geralmente, o clímax e o desfecho coincidem na novela.

Conto: O conto é um texto bem mais curto do que o romance, portanto, apresenta ação concentrada, como um flash sobre um evento narrativo.

Fábula: Narrativa de caráter alegórico, em verso ou prosa, com a finalidade de passar um ensinamento.

Gênero dramático

Assim como o épico, o gênero dramático coloca em cena uma ação que se desenvolve em determinado espaço, durante uma parcela de tempo. No entanto, diferentemente do épico, a ação mostra-se sem interferência de alguém que a narre, tendo-se em mente a encenação perante o público (a qual envolve o diálogo das personagens) em uma aparência de realidade.

Fazem parte do texto dramático as rubricas, indicações a respeito do cenário, do modo de execução de um trecho musical, de uma fala ou um gesto do ator etc. Na encenação, além da ausência de um mediador na apresentação das ações (própria do gênero dramático), ausentam-se as rubricas, pois são absorvidas pelo cenário (que, então, se torna ambiente) e pelos atores (os quais se metamorfoseiam em personagens), criando-se toda uma objetividade fictícia, uma impressão de verdade.

São exemplos do gênero dramático a tragédia, a comédia e o auto.

Tragédia: Na Poética de Aristóteles, a tragédia é definida como o texto que realiza imitação (do grego mímesis) de personagens nobres, envolvidos em paixões e conflitos desencadeados por estas. Muitas tragédias tratam de questões como a honra e o poder, como Édipo rei, de Sófocles.

Comédia: Peça de teatro em que predomina a sátira e a graça. Os comediógrafos procuram mostrar como os costumes e as excentricidades podem ser ridículos em algumas situações.

Auto: Composições dramáticas de caráter religioso, moral ou burlesco, representadas em apenas um ato, desenvolvidas ao longo da Idade Média.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: