Físico-Química

Efeitos da Radiação no Corpo Humano

A radiação é um fenômeno físico no qual ocorre a propagação de energia de um ponto a outro, através de uma onda ou partícula. Existem fontes de radiação naturais, como o Sol, e artificiais, como equipamentos médicos de ressonância ou raio-X. Sendo assim, estamos o tempo todo expostos aos diferentes tipos de radiação, que podem causar alguns efeitos no corpo humano.

As radiações depositam energia nos organismos, podendo alterar estruturas moleculares. As radiações que são capazes de causar alterações são conhecidas como ionizantes, pois geram o deslocamento de elétrons das moléculas, alterando suas estruturas. Essas podem ser perigosas e causar inúmeras complicações na saúde dos seres vivos. Já as radiações não ionizantes não têm esse poder, sendo assim, são inofensivas aos organismos.

Ao longo da evolução biológica, os seres vivos foram expostos à radiação das fontes naturais e, desse modo, seres mais resistentes foram sendo selecionados. Um organismo vivo possui tipos de tecidos e células distintos, o que faz com que a radiação possa ter diferentes consequências nos seres vivos.

Uma pessoa realizando um exame de Raio-X
Exame de imagem que utiliza radiação para o seu funcionamento.

Um efeito biológico provocado pela radiação ionizante ocorre com a absorção da energia incidente, sendo que, quanto maior a quantidade de energia, maior será o dano ao corpo humano. Mas esse efeito não aparece de imediato e pode ser cumulativo. No organismo humano, o sistema hematopoiético é o que apresenta maior sensibilidade à radiação, seguido pelos sistemas digestório e nervoso.

Principais efeitos da radiação no corpo humano

Entre os efeitos da radiação ionizante no organismo humano podemos citar três principais: efeitos agudos, tardios e genéticos.

Nos efeitos agudos, a quantidade de energia absorvida é alta e o aparecimento dos efeitos é rápido, ocorrendo entre semanas ou poucos meses após a exposição à radiação. Podem aparecer queimaduras sobre a pele (eritemas), queda na contagem de plaquetas, náuseas e vômitos.

Nos efeitos tardios, as doses de radiações são baixas e a manifestação dos efeitos pode ocorrer após anos ou dezenas de anos após a exposição à radiação. O principal efeito, nesse caso, é o aparecimento do câncer.

Já os efeitos genéticos ocorrem quando as alterações por exposição à radiação afetam as células germinativas do corpo (óvulos ou espermatozoides) e essas alterações manifestam-se nos descendentes dos organismos irradiados, causando mutações genéticas e as malformações.

Danos diretos e indiretos da radiação

Os danos diretos da radiação correspondem à desestruturação de moléculas importantes do indivíduo. Imagine a alteração de uma molécula de DNA, por exemplo. Essa alteração pode gerar uma reprodução errônea de células, podendo ocasionar tumores e vários tipos de câncer.

Há também os danos indiretos da radiação, nos quais ocorre a desestruturação de moléculas menos importantes, como a água. Porém a ionização da água libera radicais livres, que são altamente reativos, podendo causar danos à estrutura do DNA. Vale lembrar que o organismo humano é formando por mais de 70% de água e, assim, a ionização da água é um dos processos mais comuns nos efeitos da radiação sobre o corpo.

Devemos estar atentos em relação à exposição à radiação, pois convivemos com muitos aparelhos capazes de emitir radiações ionizantes de baixa intensidade, as quais podem se manifestar após anos de exposição. Além disso, há uma tendência atual da medicina em abusar de exames de diagnósticos que fazem o uso de radiação ionizante. Devemos utilizar esse tipo de exames com muita precaução, somente no caso de extrema necessidade.

Mal de Radiação

O Mal da Radiação é uma doença que se segue à exposição a quantidades excessivas de certos tipos de radiação, como explosões atômicas, radioisótopos, desintegradores de átomos ou aparelhos de raios X. A ionização decorrente das radiações acarreta alterações nos átomos do tecido vivo e anula a função de substâncias vitais. Essas alterações matam ou lesam as células e os tecidos do corpo e podem causar lesões duradouras ou a morte do paciente.

Algumas células são mais facilmente lesadas do que outras, mas os cientistas desconhecem a razão desse fato. As células mais sensíveis são as dos órgãos formadores de sangue (medula dos ossos), as da camada que reveste por dentro o estômago e o intestino, as da pele e as das glândulas sexuais. As mais resistentes à radiação são as células do encéfalo e as dos músculos.

Existem diferentes tipos de mal de radiação, variando de um a outro, conforme a quantidade de radiação que se recebe.

Referências:

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: