O Empirismo de John Locke

A investigação do homem em torno do conhecimento é algo que acompanha toda a história da filosofia. No decorrer da história várias teorias, vários sistemas foram apresentados a fim de dar respostas a tão complexo problema.

Este trabalho visa a apresentar a concepção do filósofo empirista John Locke em torno desta problemática, e uma breve análise do seu pensamento.


LOCKE E O CONHECIMENTO

 John Locke, em seu Ensaio Acerca do Entendimento, defende a impossibilidade de princípios inatos na mente. Para ele, a teoria do inatismo é insustentável por contradizer a experiência, ou seja, se houvesse idéias inatas todas as pessoas, inclusive as crianças e os idiotas gozariam delas. Locke diz ainda que os argumentos que fundamentam a teoria do inatismo não têm valor de prova, por exemplo, o fato de haver certos princípios, tanto teóricos como práticos, universalizados não servem como prova para o inatismo porque os mesmos também só podem ser adquiridos mediante a experiência e alguns dos princípios considerados como universais não o são devido ao fato de boa parte da humanidade ignorá-los.

 Locke deixa bem claro que as capacidades são inatas, mas o conhecimento é adquirido. Pelo uso da razão somos capazes de alcançar certos conhecimentos e com eles concordar, e não de descobrir. Locke diz que “...se os homens têm verdades inatas impressas originalmente, e antes do uso da razão, permanecendo delas ignorantes até atingirem o uso da razão, consiste em afirmar que os homens, ao mesmo tempo, as conhecem e não as conhecem”. 

 Para Locke, o conhecimento segue os seguintes passos: Os sentidos tratam com idéias particulares → a mente se familiariza → deposita na memória e dá nomes → a mente vai abstraindo, apreendendo gradualmente o uso dos nomes gerais. Ele aprofunda esta explicação mais adiante.
 No segundo livro do seu Ensaio Acerca do Entendimento, Locke descreve as fases do processo cognitivo; no momento do nascimento a alma é uma tábula rasa, como uma folha de papel em branco e o conhecimento começa com a experiência sensível.

As fases do processo cognitivo seguem por quatro estágios:

  • Intuição: é o momento em que as idéias simples são recebidas. Existem dois tipos de idéias simples, as que são frutos da experiência externa e as que são fruto da experiência interna.
  • Síntese: as idéias simples formam por combinação as idéias complexas.
  • Análise: por análise, as várias idéias complexas formam as idéias abstratas. Idéia abstrata, aqui, não representa a essência das coisas porque a essência é incognoscível.
  • Comparação: diferentemente de síntese ou associação, é colocando-se uma idéia ao lado da outra e comparando-as que se formam as relações, ou seja, as idéias que exprimem relações.

Nos livros posteriores, da mesma obra, Locke afirma que o homem não pode conhecer a essência das coisas, mas só a sua existência. Através de um raciocínio baseado no nexo causal pode-se conhecer a existência do mundo e de Deus. Do mundo porque, sendo passivos em nossas sensações, temos de admitir uma realidade distinta de nós que seja causa de nossas sensações; de Deus porque partindo do estudo dos seres finitos, devemos necessariamente concluir que existe uma causa universal, infinita.
 

ANÁLISE CRÍTICA DO PENSAMENTO DE LOCKE

Muito brilhante a concepção que Locke nos apresenta sobre o conhecimento. Não é muito difícil de concordarmos com sua teoria.

De fato, se o conhecimento fosse inato, todos teríamos uma espécie de conhecimento padrão, e não precisaríamos freqüentar escolas a fim de despertá-los em nós. É muito difícil (ou impossível?) a possibilidade de conhecer algo sem a interferência dos sentidos, pois todas as “janelas” do nosso intelecto estão abertas neles.

Apesar de centralizar o conhecimento na experiência, Locke deixa bem claro que a capacidade de conhecer é inata. Reconhecemos a experiência como uma grande fonte de conhecimentos. É difícil admitir algum conhecimento independente dos sentidos. No entanto, deve haver algum fator a priori que não provenha da experiência, mas que provenha de forma intuitiva, por exemplo, espaço e tempo. Da mesma forma, se a experiência fosse a única possibilidade de conhecimento, todos tenderíamos a uniformidade intelectual; no entanto há, por exemplo, pessoas que por mais que se dediquem a certo ramo de atividade, não conseguem muito progresso, tendo assim que mudar de ramo. Se fosse a experiência a única fonte de conhecimentos, todos que se propusessem: à biologia desenvolveriam a biologia, à física desenvolveriam a física, mas sabemos que não é assim.
 

CONCLUSÃO

O pensamento de Locke sobre o conhecimento foi uma grande contribuição para filósofos posteriores que se dedicaram à mesma temática. Por mais que as conclusões que se tenham chegado até hoje tenham uma grande validade, há ainda a necessidade de continuar-se investigando com empenho e dedicação. Se o conhecimento é algo que se constrói, esta construção é infinita afinal, a razão humana é um terreno que ainda tem muito a ser explorado.


BIBLIOGRAFIA

LOCKE, John. Ensaio Acerca do Entendimento Humano. Trad. Anoar Aiex. São Paulo: Editora Abril., 1978.

Por: Antonio Clerton Cordeiro
e-mail: clertoncord@yahoo.com.br
graduando em filosofia pela Unicap – Universidade Católica de Pernambuco


Veja também:



Comente!

Receba novidades

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o