Home > História Geral > Capitalismo

Capitalismo

Chamamos de capitalismo o sistema socioeconômico em que os meios de produção (terras, fábricas, máquinas, dinheiro, etc.) são proprieda­des privadas. Os proprietários dos meios de pro­dução – uma minoria da sociedade – são os burgueses ou capitalistas; os não-proprietários dos meios de produção – a maioria da sociedade – são os proletários ou trabalhadores, que vivem dos salários recebidos por seu trabalho.

Histórico

Já no século XV, o comércio era a principal atividade econômica na Europa. Assim, nesse período, o capitalismo (mercantil ou comercial) estruturava-se definitivamente a partir da necessidade e do interesse dos países europeus ou algumas cidades européias em aumentar seu mercado para além dos limites nacionais e continentais.

A ampliação do comércio internacional consolidou o sistema capitalista dentro de uma sociedade de classes, na qual, de um lado, surgia e se fortalecia uma burguesia mercantil que, em aliança com os reis, detinha o poder e a riqueza (capital), e, de outro lado, o proletariado que, separado do capital e de seus meios de produção, tinha a oferecer sua força de trabalho em troca de salário.

Ilustração que representa o capitalismoO capitalismo se formou a partir da decadência do feudalismo; a servidão da gleba (obrigações feudais dos servos) foi substituída pelo trabalho assalariado, e a primazia dos senhores feudais coube então à burguesia mercantil e ao rei.

Foram dois séculos de amadurecimento até a Revolução Industrial (1750). As inovações técnicas (maquino- faturas) aliadas às riquezas provenientes das áreas colonizadas acabaram por promover um acúmulo de capital e uma crescente expansão da economia.

Surgiu, assim, a necessidade de garantir o fornecimento de matérias-primas, dominar os mercados consumidores e aplicar o capital de maneira segura, aumentando a capacidade de produzir e, conseqüentemente, os lucros. A riqueza provinha, então, da capacidade de produzir mercadorias e não mais do comércio.

Assim, o capitalismo industrial provocou a disputa pelas áreas fornecedoras de matérias-primas, pelos mercados compradores e pelos locais de investimentos seguros, levando as grandes potências dos séculos XIX e XX (Inglaterra, França, Bélgica, Japão, EUA e tardiamente Itália e Alemanha) a competir pela dominação política e econômica do mundo (neocolonialismo) e pela partilha dos territórios asiáticos e africanos, de acordo com seus próprios interesses.

O resultado da competição foi o imperialismo expresso pelo domínio econômico de uma nação sobre outra, na tentativa de manter o abastecimento de matérias-primas e os mercados consumidores, o que teve como conseqüências o militarismo, o nacionalismo, o racismo e a hierarquização das nações.

A partir da Segunda Guerra Mundial, com as potências européias enfraquecidas e em crise, surgem os EUA como grandes investidores externos, graças ao acúmulo de capital e a seu crescente poder político-militar. O capitalismo entra em uma nova fase, financeira ou monopolista, com a expansão de grandes empresas (corporações multinacionais, hoje chamadas transnacionais), o incessante acúmulo de capitais em escala mundial, o monopólio e a internacionalização da produção, passando a ter como características marcantes:

Características do Capitalismo

Dentre as múltiplas características do modo de produção capitalista, destacam-se:

• Venda da força de trabalho – Nesse sistema os trabalhadores não dispõem de instrumentos ou meios de produção para garantir sua sobrevi­vência. Por isso, são obrigados a vender a sua força de trabalho em troca de um salário.

• Função comercial – A produção se destina, em primeira instância, à venda e não ao uso pessoal ou familiar. Por isso, os produtos são definidos como mercadorias.

• Comércio monetarizado – Com a consolida­ção do capitalismo, o comércio sofreu uma impressionante expansão, e o dinheiro se tornou a base das trocas nacionais e internacionais. Esse fator contribuiu para a crescente importância dos bancos e demais intermediários financeiros.

• Controle financeiro – Inicialmente, o capitalis­ta investia na produção apenas recursos finan­ceiros próprios. Como a lógica capitalista pres­supõe que quanto mais investimentos forem fei­tos, maior será a produção (havendo mais lucros), estimulam-se investimentos cada vez maiores. Esse é um dos motivos que gerou o mecanismo de crédito, que permite ao capitalis­ta utilizar recursos de outras pessoas para apli­car na sua empresa e aumentar as suas possibili­dades de acumulação: ele pode hipotecar pro­priedades para conseguir financiamento, tomar empréstimos, emitir ações, receber subsídios governamentais, etc.

• Gerenciamento da produção – O capitalista tem o controle das propriedades e do capital e, conseqüentemente, domina o processo de pro­dução. Esse domínio define, entre outros pon­tos: admissões e demissões de trabalhadores, opção por uma política salarial, escolha de técni­cas e tecnologias a serem aplicadas na produ­ção, determinação das condições de trabalho e controle do volume de produção. Durante o século XX, os sindicatos conquistaram vários avanços em diversos dos itens enumerados acima, mas o controle final é do capitalista.

São ainda características do capitalismo:

  • aplicação dos principais investimentos na indústria e nos recursos naturais;
  • distribuição da produção e dos lucros;
  • nova divisão internacional do trabalho.
  • propriedade privada ou particular dos meios de produção;
  • trabalho assalariado;
  • livre concorrência e livre iniciativa (economia de mercado);
  • lucro como objetivo;
  • presença de duas classes sociais: burguesia e proletariado.

Por: Paulo Magno da Costa Torres

Veja também:

Veja também

Figura representativa da política do Big Stick na América

Política do Big Stick

No final do século XIX acontecia um tremendo fortalecimento das relações dos Estados Unidos com ...