Home Biologia > Corpo Humano > Glândula Tireoide

Glândula Tireoide

A tireoide dos vertebrados terrestres está apoiada sobre as cartilagens da laringe e da traqueia, é formada por milhares de folículos tireoideanos, cujas paredes possuem células secretoras e o interior contém o coloide, substância gelatinosa rica em proteína.

Publicidade

Hormônios secretados pela tireoide

A tiroxina é o hormônio secretado em maior quantidade pela glândula tireoide, e cada uma de suas moléculas contém quatro átomos de iodo. O iodo é um componente fundamental para a dieta dos vertebrados. Na alimentação humana, esse elemento é obtido de vegetais e, principalmente, de alimentos de origem marinha, como peixes, ostras e camarões. Em regiões onde o solo é rico em iodo, ele está presente na água, em quantidade razoável. Se a dieta for pobre em iodo, ocorrerá aumento do volume da tireoide, o que se chama bócio endêmico.

Como os alimentos ricos em iodo não são ingeridos com frequência, particularmente pelas pessoas que não habitam a orla marítima, esperava-se que a deficiência de iodo fosse muito mais comum do que é atualmente. De fato, até a primeira metade do século XX, tratava-se de um grave problema de saúde pública. A solução veio com a obrigatoriedade de se acrescentar iodo ao sal de cozinha. Como a maioria da população ingere sal, ela recebe quantidade suficiente de iodo para evitar o bócio endêmico.

A tiroxina aumenta a velocidade dos processos de oxidação e de liberação de energia em todas as células do corpo, o que eleva a taxa metabólica e aumenta a geração de calor, além de estimular a produção de RNA e a síntese de proteínas.

Por suas ações no controle da taxa metabólica, a tiroxina atua no crescimento, na maturação e no desenvolvimento. Se a tireoide de um animal jovem for removida, ele apresentará retardo no crescimento e na maturidade sexual. A metamorfose dos anfíbios, por exemplo, é desencadeada pela tiroxina. A retirada da tireoide de um girino impede que a metamorfose aconteça. Se o hormônio tireoidiano for administrado a uma larva jovem, a metamorfose ocorrerá precocemente, originando um adulto pequeno.

O outro hormônio secretado pela tireoide é a calcitonina, que participa do controle da concentração sanguínea de cálcio, um dos íons mais importantes no metabolismo. A calcitonina diminui a concentração de cálcio no sangue.

Publicidade
Glândulas tireoide e paratireoide.
Localização das glândulas tireoide e paratireoide.

Doenças da glândula tireoide

A produção excessiva de tiroxina causa o hipertireoidismo, doença que se manifesta pelos seguintes sintomas: emagrecimento, agitação e nervosismo, pele quente e úmida, crises de taquicardia e aumento da pressão arterial, sensação contínua de calor e olhos salientes, que se projetam para fora das órbitas, o que se chama exoftalmia.

A deficiência de tiroxina chama-se hipotireoidismo, cujas manifestações são apatia, sonolência, obesidade, sensação de frio, pele seca e fria, fala arrastada, edema (inchaço), pressão arterial e frequência cardíaca baixas. O edema que surge no hipotireoidismo é chamado mixedema.

Se o hipotireoidismo afetar uma criança, determinará deficiência no crescimento e no desenvolvimento sexual; nas formas mais graves, ele provocará retardo mental. Durante o desenvolvimento embrionário, podem ocorrer defeitos na formação da glândula. A tireoide malformada não secreta hormônios, inclusive no período intrauterino.

O hipotireoidismo congênito, uma das formas mais graves de distúrbios hormonais, pode ser totalmente assintomático no nascimento, porque os hormônios maternos mantêm o desenvolvimento normal do feto.

Paratireoides

São quatro glândulas muito pequenas, localizadas na face posterior da tireoide, que secretam o paratormônio, hormônio responsável pelo controle da concentração de cálcio e de fósforo no sangue. O paratormônio aumenta a concentração de cálcio no sangue, e sua ação é antagônica à da calcitonina.

Ação da glândula paratireoide.
Equilíbrio da concentração de íons cálcio (Ca++) no plasma sanguíneo controlado pelos hormônios calcitonina e paratormônio.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: