Geografia

Ilha de Calor

A ilha de calor é o nome do fenômeno climático que decorre principalmente do aumento da urbanização de determinadas regiões. Nessas regiões, a temperatura costuma ficar acima da registrada em regiões rurais localizadas nas proximidades e também maior do que em bairros afastados do centro da cidade.

É um fenômeno que ocorre nos centros urbanos de grandes cidades e/ou em regiões metropolitanas. A denominação de “ilha” demonstra que é um fenômeno delimitado a determinada área.

A formação das ilhas de calor produz o que se convencionou chamar de zona de baixa pressão. Formam-se, nos espaços centrais urbanos, bolhas compostas de ar altamente poluído. O processo, inclusive, arrasta para a região da ilha de calor a poluição antes localizada nas regiões mais distantes do centro da ilha.

Causas

Os estudiosos listam algumas explicações para o fenômeno, são elementos que fazem parte do processo de constituição das ilhas de calor, formando um microclima urbano:

  • Os poluentes suspensos no ar devido ao trânsito da grande frota automotora (emissão de CO2) tendem a bloquear a dispersão e transmissão térmica para camadas mais frias da atmosfera, funcionando como uma tampa;
  • A arquitetura urbana traz também, em suas estruturas, uma imensa quantidade de elementos que retêm calor, como concreto, asfalto, metais, vidro, entre outros;
  • A resistência de determinados materiais à penetração da água;
  • A ausência de vegetação, que dificulta a melhora nos processos de evaporação;
  • A grande quantidade de prédios que impossibilitam a chegada de ventos.
Figura representando o fenômeno da ilha de calor.
Ilha de calor

Consequências

De acordo com os especialistas, no fenômeno da ilha de calor, as temperaturas médias são entre 4 e 6 graus Celsius mais altas na área urbana quando comparadas às regiões rurais no entorno.

Quem sofre com as ilhas de calor são os moradores destas regiões ou aqueles que trabalham nelas. Entre as consequências, estão o desconforto provocado pelas altas temperaturas, problemas de saúde em geral e, em particular, os males ligados ao sistema respiratório – como alergias, rinites, entre outras.

Dentro das ilhas de calor, podem ocorrer áreas conhecidas como cânions, corredores de ar que se formam entre os prédios, produzindo, dentro dos núcleos urbanos, temperaturas mais amenas. Um grande exemplo disso é a famosa Avenida Paulista, localizada na capital de São Paulo.

A combinação de calor e muitos prédios também faz criar áreas de maior precipitação atmosférica (chuvas); isso explica os maiores índices pluviométricos registrados em algumas áreas urbanas e a maior nebulosidade.

Soluções

Os ambientalistas dizem que, para minimizar os efeitos deletérios das ilhas de calor, é preciso investir em medidas como plantio de árvores, ampliação e criação de parques e áreas verdes. Também é necessário criar condições para que as áreas urbanas reduzam e/ou controlem a poluição – como monitoramento da emissão de poluentes por veículos e empresas de maneira geral.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: