Home Astronomia > Sistema Solar

Sistema Solar

A Terra faz parte de um grupo de astros situado em um dos braços da Via Láctea. É o Sistema Solar, o “bairro” em que se localiza nosso lar espacial.

O Sistema Solar é constituído pelo Sol, planetas, satélites, asteroides, meteoroides, cometas e poeira cósmica. Quase a totalidade da massa do nosso sistema encontra-se no Sol. Graças a essa grande quantidade de massa, o Sol exerce uma poderosa força de atração sobre os demais corpos, fazendo-os orbitar ao seu redor.

Acredita-se que o Sistema Solar tenha se formado há aproximadamente 5 bilhões de anos a partir de um lento processo de contração e rotação de uma enorme nuvem de gases e poeira cósmica, conhecida como nebulosa solar.

Durante esse processo, a velocidade de rotação dessa nuvem aumentou progressivamente, fazendo-a assumir o formato de um disco achatado. Em seu centro, onde acumulou-se a maior parte do material formou-se o Sol. Em torno do Sol, então, gases e poeira cósmica em rotação formaram aglomerados que originaram, progressivamente diversos protoplanetas, restando hoje oito corpos planetários principais, além de cometas e meteoroides.

O Sistema Solar está situado na periferia da Via Láctea, uma galáxia formada por centenas de bilhões de estrelas, que se movem de forma complexa.

Formação do Sistema Solar.
Representação das etapas da formação do sistema solar.

Os planetas

Os planetas que se formaram ao redor do Sol, ao longo de bilhões de anos, compõem o Sistema Solar e são classificados segundo sua distância em relação ao Sol.

Cada um deles apresenta cores e características próprias e nenhum deles emite luz própria. Entre os planetas internos e externos há um cinturão de asteroides.

Os planetas apresentam características diferentes e podem ser divididos em dois grupos: planetas telúricos e grandes planetas.

Os planetas telúricos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte) têm massas comparáveis entre si e situam-se mais próximos do Sol. Apresentam densidades e volumes comparáveis e atmosferas de pouca densidade. embora a de Vênus seja muito opaca e a de Mercúrio quase imperceptível.

Os grandes planetas (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) possuem massas muito maiores que as dos planetas telúricos, atmosferas densas e densidades médias menores que as encontradas nos planetas do primeiro grupo.

Todos os planetas orbitam ao redor do Sol no mesmo plano. Plutão, cuja órbita está inclinada em relação aos planetas do Sistema Solar e cruza com a de Netuno, apresenta ocasiões em que está mais próximo do Sol que Netuno.

Esse foi um dos motivos pelos quais Plutão perdeu o status de planeta e passou a ser um planeta-anão, além, sem dúvida, de seu reduzido diâmetro e de sua pequena massa.

Sistema solar.
Representação fora de escala do Sistema Solar. Observe o
Sol e os planetas que orbitam ao seu redor.

Outros corpos celestes do Sistema Solar

Satélites

A formação dos satélites naturais foi semelhante à dos planetas. Os satélites naturais são corpos celestes que giram em torno dos planetas, como, por exemplo, a Lua em torno da Terra. Os satélites não têm luz própria, eles são astros iluminados.

Dos planetas do Sistema Solar, apenas Mercúrio e Vênus não apresentam satélites, a Terra possui um satélite, a Lua, Marte possui dois satélites. Os demais planetas, os gigantes gasosos, apresentam várias luas, ou seja, vários satélites naturais.

Cinturão de asteroides

Entre as órbitas dos planetas Marte e Júpiter existe um cinturão de asteroides formados por vários corpos rochosos, irregulares e de diversos tamanhos. Segundo os cientistas, é provável que os asteroides não conseguiram unir-se em único planeta devido à influência gravitacional de Júpiter.

Cometas

Os cometas apresentam um núcleo sólido, formando um bloco de poeira e gases congelados, compostos de gás carbônico, metano, amônia, água e alguns minerais. Se originam nas partes mais externas do Sistema Solar.

Quando os cometas se aproximam do Sol, o calor faz o núcleo passar diretamente do estado sólido para o estado gasoso, formando uma esfera de gás e poeira ao seu redor, chamada cabeleira, ou coma, e uma ou mais caudas, também de gás e poeira.

A cauda do cometa, ao se formar, reflete a luz do Sol; quando o cometa se afasta do Sol, a cauda se desfaz, ficando apenas um núcleo sem brilho.