Home > Geografia Brasil > Floresta Amazônica

Floresta Amazônica

A diversidade biológica faz da Floresta Amazônica uma das mais importantes reservas naturais do globo. O imenso “mar verde” de árvores compõe quatro conjuntos florestais: as matas de igapó, as matas de várzeas, as matas de terra firme e a floresta úmida.

Publicidade

A floresta amazônica destaca-se pela extensão de suas áreas de mata, rios e também pela diversidade de ecossistemas. Devido a sua posição geográfica em baixas latitudes, há grande entrada de radiação solar acompanhada de elevada umidade com intensa formação de nuvens, sendo comuns chuvas rápidas e concentradas no final do dia. Por causa dessa regularidade, o clima amazônico é considerado um dos mais constantes do país, havendo uma profunda inter-relação com a paisagem vegetal.

A Floresta Amazônica estende-se por uma área de mais de 3,5 milhões km2, abrangendo terras da planície Amazônica, mas também áreas de baixos planaltos e depressões.

Publicidade
Plantas da Floresta Amazônica
Vitória-Régia, planta típica da mata de igapó.

Essa variação topográfica altera as características da floresta, que se subdivide em três patamares. O mais baixo, chamado de Mata de Igapó, forma-se nas áreas permanentemente alagadas e caracteriza-se pela presença de vegetações de menor altura, adaptadas aos terrenos alagadiços.

Nas áreas que sofrem alagamentos periódicos devido às cheias dos rios aparece uma vegetação de extrato maior denominada Mata de Várzea, que durante muito tempo foi alvo preferencial da ação das madeireiras. Uma árvore típica dessa área é a seringueira, da qual se extrai o látex para a obtenção da borracha natural.

Por fim, nas áreas dos planaltos, com maiores altitudes e, portanto, livres das inundações aparecem as maiores árvores da floresta, que chegam a alcançar mais de sessenta metros: é a chamada Mata de Terra Firme, que vem sendo dizimada pelas madeireiras. Essas árvores maiores compõem o que se denomina dossel da floresta, uma espécie de “teto verde” que faz sombra para outras espécies que lá vivem.

De onde vem o nome Amazonas?

O nome Amazonas foi dado por um frei espanhol chamado Gaspar de Carvajal. Segundo ele, ao viajar pela região na primeira metade do século XVI, um grupo de mulheres teria atacado sua embarcação, que, assim como as amazonas da mitologia grega, pretendiam escravizar os homens para procriar e depois matá-los.

A diversidade dessas formações vegetais estabelece uma interdependência entre o clima, a hidrografia, o solo e o relevo. Toda essa biomassa representa 50% das chuvas na região Amazônica, essa elevada umidade é fornecida em parte pela evapotranspiração das plantas, e a outra parcela de umidade, pela evaporação dos rios, lagos e lagoas.

Evapotranspiração

A evapotranspiração é um fenômeno que combina a transpiração das plantas com a evaporação da água presente na superfície.

Outra característica marcante e contraditória da Floresta Amazônica diz respeito à baixa fertilidade de seus solos. Tal situação evidencia a fragilidade desse ambiente que tem na matéria orgânica em decomposição, advinda dos restos de plantas e detritos animais, a única possibilidade de fornecimento nutricional para as árvores da floresta. Portanto, sua devastação conduz não só a um evidente risco à biodiversidade como também a uma degradação dos solos.

Floresta Amazônica e um rio cortando a mata verde.
Vista aérea da Floresta Amazônica.

Especialmente a partir dos anos 1970, a floresta vem sendo ameaçada pelo desmatamento constante. O Ministério do Meio Ambiente estimava que, entre agosto de 2007 e julho de 2008, o desmatamento da Amazônia atingiria 12 mil km2 no ano, mais que os 11 224 km2 registrados entre agosto de 2006 e julho de 2007. Nesse período, Pará e Mato Grosso foram os campeões de desmatamento.

É importante lembrar que os ecossistemas existentes na Floresta Amazônica guardam uma estreita relação entre si: qualquer modificação em um dos seus elementos pode alterar a vida natural nesse habitat. Por exemplo, quando ocorre a derrubada de árvores para o uso agrícola ou por causa do garimpo, a eliminação da camada fertilizadora de húmus na base das árvores causa a laterização dos solos – ou seja, sua transformação em rochas (lateritos) – e o assoreamento dos rios.

Diversidade animal

Um terço das cerca de 30 milhões de espécies de insetos do planeta vive na Amazônia. Além disso, existem mais de trezentas espécies de répteis nesse domínio.

Por: Paulo Magno Torres

Veja também:

Publicidade

Comentários