Alimentos

Agrotóxicos

Segundo a OMS, agrotóxicos correspondem a quaisquer substâncias químicas utilizadas na agricultura. Tais substâncias são empregadas para controlar possíveis pragas que causem danos a plantações, por exemplo, insetos, fungos, ervas daninhas, entre outras.

Os agrotóxicos ganharam tal nomenclatura para evidenciar sua toxicidade ao ambiente e aos seres humanos e animais. Eles são borrifados sobre as plantações e os resíduos que ficam sobre os alimentos podem causar vários problemas à saúde

Histórico

Os agrotóxicos foram desenvolvidos e aprimorados no século XX pela indústria química, para serem utilizados como armas na Segunda Guerra Mundial.

Com o término desse período, de modo a aproveitar a tecnologia desenvolvida e a estrutura das empresas produtoras, os produtos foram direcionados para o campo, com a promessa de aumentar a produção de alimentos para a humanidade e de beneficiar os agricultores, já que têm a função de eliminar ervas espontâneas, insetos, fungos e bactérias, considerados pragas às plantações.

Assim, o período a partir de 1950 ficou conhecido como “Revolução Verde” e trouxe grandes modificações com a aplicação de tecnologias de guerra, como os agrotóxicos e as máquinas para o campo.

Inicialmente considerados uma grande descoberta, os agrotóxicos, se aplicados em excesso podem ser muito prejudiciais à saúde, podendo causar intoxicação.

No de 1962, a cientista americana Rachel Carson (1907-1964) publicou o livro Primavera Silenciosa, considerado um marco histórico no movimento ambientalista mundial, que mostrou pela primeira vez um alerta relacionado aos danos causados pelo uso de agrotóxicos, especialmente o diclorodifeniltricloroetano – DDT. O título da obra está relacionado ao impacto dos produtos para as cadeias alimentares, já que as aves que se reproduzem na primavera podem deixar de existir ao se alimentarem de insetos contaminados por agrotóxicos.

Classificação dos agrotóxicos

Existem aproximadamente 200 tipos diferentes de agrotóxicos e eles são classificados em diferentes grupos.

  • Os inseticidas são utilizados no combate a insetos, larvas e formigas,
  • Os fungicidas no combate aos fungos;
  • Os fumigastes no combate a insetos e bactérias;
  • Os herbicidas no combate a ervas daninhas;
  • Os acaricidas no combate aos ácaros;
  • Os moluscicidas no combate aos moluscos, o caramujo por exemplo;
  • Os nematicidas no combate aos neumatóides;
  • Os rodenticidas no combate aos roedores.

Visto que a utilização em excesso dos agrotóxicos traz muitos prejuízos a saúde, eles também foram classificados de acordo com o perigo que podem oferecer à saúde do homem. Em testes laboratoriais foram feitas pesquisas que visam estabelecer um limite de ingestão destas substâncias que podem trazer efeitos colaterais ou até mesmo serem letais.

Eles são divididos em quatro classes, descritas também por cores, que correspondem à extremamente tóxica, altamente tóxica, medianamente tóxica e pouco tóxica, sendo suas cores representantes vermelho, amarelo, azul e verde, respectivamente.

O uso de agrotóxicos no Brasil

No Brasil, um dos países com maior biodiversidade do mundo, a tradição agrícola em sistema de monocultura associada ao clima tropical favorece a ação de competidores ou predadores das espécies cultivadas.

No sistema de plantio convencional, importado de países temperados naturalmente com menor biodiversidade, a forma mais prática para aumentar a produtividade das lavouras é o uso de diversos tipos de agrotóxicos. Assim, o Brasil tornou-se um dos países que mais consome agrotóxicos no mundo.

A discussão a respeito do uso de agrotóxicos nas lavouras tem se tornado cada vez mais comum entre os brasileiros. O crescimento de espaços para debates acerca desse tema pode ser reflexo de campanhas e alertas emitidos por órgãos nacionais e internacionais sobre os riscos à saúde humana e ao ambiente relacionados ao uso excessivo desses produtos.

As maiores preocupações referem-se ao uso de substâncias comprovadamente cancerígenas – proibidas há décadas em países da Europa e nos Estados Unidos –, e aos danos ao ar, ao solo, à água e à biodiversidade, que crescem a cada ano.

Para cada tipo de agrotóxico, há uma forma de uso e uma dosagem indicada e regulamentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Todavia, grande parte das indicações não é respeitada pelos agricultores no momento de aplicação dos produtos e de colheita.

Muitos desses produtos necessitam de um tempo antes de serem consumidos para que possam ser degradados, causando menores danos ao consumidor. Porém, grande parte dos agricultores segue o período de colheita de acordo com as flutuações econômicas de mercado.

No Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), a Anvisa faz, periodicamente, análises de amostras de alimentos e emite pareceres apresentando quais alimentos se encontram fora dos padrões previstos. Os resultados, divulgados no portal digital da agência, são alarmantes.

Os produtos mais populares consumidos pelos brasileiros, como pimentão, morango, pepino, alface, cenoura, abacaxi, beterraba, couve, mamão, tomate, laranja, maçã, arroz, feijão, repolho, manga, cebola e batata, são os que apresentam as maiores irregularidades.

Lavar bem os produtos antes de consumi-los é uma medida importante, mas não é eficaz na eliminação dos resíduos dos agrotóxicos, que penetram nos alimentos.

Os efeitos do uso exacerbado são inúmeros conforme veremos adiante, ainda assim o Brasil é considerado um dos maiores consumidores dessas substâncias no mundo. Muitos dos compostos são proibidos em diversos países, porém no Brasil são utilizados sem os cuidados ou preocupações.

O perigo dos agrotóxicos para o meio ambiente

O uso de agrotóxicos em larga escala adiciona inúmeras substâncias no ambiente, muitas delas tóxicas e nocivas à vida, causando poluição do ar, do solo e da água.

Uma das práticas comumente utilizadas em grandes lavouras, como soja, cana-de-açúcar e milho, é o uso de aviões para a aplicação de agrotóxicos. A dispersão dos produtos pelo ar afeta diversas outras espécies que não seriam o alvo da aplicação, como insetos polinizadores que se encontram nas matas da região.

Avião jogando agrotóxico em uma plantação.
A aplicação de agrotóxicos por aviões contamina o ar, afetando áreas próximas,
como florestas e plantações de produtos orgânicos.

No solo contaminado, formado por partículas de minerais e de matéria orgânica, a vida que confere fertilidade, garantindo uma boa produção é diretamente afetada: a microbiota – os micro-organismos decompositores – e a macrobiota – pequenos invertebrados que revolvem a terra, aerando-a e permitindo a passagem da água e o crescimento adequado das raízes.

Além disso, os resíduos dos produtos agrícolas que permanecem no solo se infiltram, juntamente com as águas das chuvas, atingindo os lençóis freáticos, ou escoam para os córregos e rios mais próximos, afetando a vida das espécies aquáticas. Os agrotóxicos podem atingir os corpos d’água por meio do ar contaminado também.

Os seres vivos participam de relações ecológicas que determinam as cadeias, as quais formam uma complexa teia alimentar. Aves, pequenos mamíferos e outros consumidores, que se alimentam de insetos contaminados por agrotóxicos, por exemplo, irão concentrar esses produtos em seus corpos.

Outros animais maiores que os consumirem, irão concentrar essas substâncias em proporções ainda maiores, já que os compostos se acumulam nos tecidos.

O perigo dos agrotóxicos para os seres humanos

O ser humano também faz parte das teias alimentares e, por isso, alimentando-se diretamente dos vegetais contaminados, acumulam essas substâncias em seus tecidos que são passados aos fetos e aos bebês, por meio da amamentação, por exemplo.

Para nós, as consequências da utilização dos pesticidas em excesso são diversas, tais como fraqueza, náusea, vômito, dores musculares, convulsões, sangramento nasal, desmaio, dores de cabeça, dificuldades respiratórias, e outras mais graves, por exemplo, lesões renais, asma brônquica, dermatites de contato, doença de Parkinson e câncer.

Alguns fungicidas apresentam substâncias (como metil mercúrio) que atuam sobre o sistema nervoso. Herbicidas à base de clorofenois e inseticidas arsenicais ou com brometo de metila também atuam sobre o sistema nervoso, prejudicando-o.

Soluções

Uma das ações importantes para a saúde humana e ambiental é o investimento em modelos agrícolas compatíveis com a biodiversidade e o clima do Brasil, como a agricultura sintrópica ou sistemas agroflorestais, que preveem a utilização de consórcios de diversas espécies, juntamente com o incremento de vitalidade ao solo, sem o uso de agrotóxicos.

Esse tipo de prática tem se tornado a cada dia mais popular no Brasil, em especial nas pequenas propriedades da agricultura familiar. O mercado de orgânicos tem crescido nos últimos anos e, aos poucos, o custo desses produtos torna-se mais acessível ao consumidor final.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: