Geografia

Agrofloresta

Será que é possível produzir alimentos e, ao mesmo tempo, preservar os ecossistemas e os biomas? Pensando nessa possibilidade e inspirando-se nos modos de vidas das populações tradicionais, como indígenas e quilombolas, os cientistas – agrônomos, geógrafos e biólogos – desenvolveram sistemas de plantio que preveem a combinação entre floresta e produção agrícola. Trata-se das agrofloresta ou sistema agroflorestal.

Conceito e funcionamento

A agrofloresta baseia-se no princípio de conservação e uso sustentável dos recursos naturais, sem deixar de produzir alimentos. Assim como no espaço natural, onde a diversidade de plantas e animais atinge um equilíbrio ambiental, é possível preservar tal equilíbrio introduzindo espécies produtivas, desde que se planeje os tipos de produção adequados para cada bioma ou ecossistema.

Uma agrofloresta é um sistema de produção que reproduz a dinâmica de uma floresta natural, usando a diversidade de espécies para criar um ciclo sustentável: árvores, arbustos, microrganismos, animais e recursos hídricos, em conjunto, propiciam os materiais necessários para que os alimentos sejam produzidos.

Os sistemas de agroflorestas servem também como medidas de recuperação de áreas degradadas. Como seu objetivo é aproveitar as condições climáticas e naturais para simular o funcionamento de uma floresta natural, muitas das plantas e árvores utilizadas provêm da vegetação nativa dos biomas de implantação desses sistemas.

Agrofloresta.

Tipos de agroflorestas

  • Sistemas agrossilvipastoris: sistemas que combinam cultivos agrícolas e florestais para criação de animais (agricultura + floresta + pecuária).
  • Sistemas agrossilviculturais ou silviagrícolas: combinam a agricultura com espécies florestais (agricultura + floresta).
  • Sistemas silvipastoris: combinação de árvores com pastagens para criação de animais (floresta + pecuária).

Benefícios dos sistemas agroflorestais

  • Diversidade e equilíbrio climático: a vegetação permite a manutenção das temperaturas e da umidade, auxiliando o desenvolvimento das espécies agrícolas e não agrícolas, assim como o surgimento de novas espécies, a partir das novas condições climáticas.
  • Qualidade e produtividade do solo: a cobertura vegetal abastece o solo de nutrientes e microrganismos que adubam o solo e controlam, naturalmente, pragas e doenças.
  • Maior variedade de produtos: a combinação de vários cultivos permite ao agricultor a sustentabilidade econômica, já que, diferente da monocultura, a agrofloresta possibilita a colheita diversificada de alimentos em diferentes épocas do ano.
  • Menos gasto com agrotóxicos e insumos agrícolas: como a agrofloresta desenvolve uma diversidade de flora e fauna, o ecossistema criado alcança um equilíbrio de autocontrole de doenças e pragas. Isso diminui os gastos do agricultor com pesticidas, além de diminuir a contaminação dos alimentos, do solo e dos recursos hídricos e melhorar a saúde do trabalhador agrícola.
  • Preservação de mananciais: a vegetação possibilita uma melhor captação das chuvas. A água que, em um sistema tradicional, escoaria rapidamente, é absorvida pelo solo e alimenta os lençóis subterrâneos. Além disso, solo e vegetação atuam como filtros naturais, garantindo a qualidade da água.
  • Equilíbrio atmosférico: a agrofloresta aumenta a densidade de vegetação, tendendo a equilibrar o clima e as temperaturas e diminuindo problemas como o agravamento do efeito estufa, responsável pelo aquecimento global.

Vídeo-aula

Assista ao vídeo Como funciona a agrofloresta, a forma de agricultura que pode mudar o mundo, produzido pelo canal Superinteressante, e conheça um pouco mais sobre o sistema agroflorestal.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: