Reinos

Nematelmintos

Os seres que constituem o filo Nematoda, chamados nematódeos ou nematelmintos, são vermes cilíndricos com representantes de vida livre e parasitas. Algumas das parasitoses humanas mais comuns, como a ascaridíase, são causadas por representantes desse filo.

Há cerca de 90 mil espécies de nematelmintos descritas. As espécies de vida livre, que compõem a maioria desses animais, podem ser encontradas nos oceanos, em água doce e no solo úmido. Já os parasitas, em geral, são encontrados no interior de seus hospedeiros.

Praticamente todos os organismos, animais e vegetais são parasitados por alguma espécie de nematelminto, em alguma fase da vida. As plantas podem ser parasitadas em suas raízes, sementes ou frutos. Nos animais, praticamente todos os órgãos do corpo de um vertebrado, por exemplo, podem abrigar algum tipo de nematódeo.

Nematelmintos
Nematelminto Ascaris lumbricoides, popular lombriga, causador da ascaridíase.

Características gerais

Os nematelmintos são organismos cilíndricos e alongados, com duas novidades evolutivas em relação aos platelmintos: tubo digestório completo e pseudoceloma (blastoceloma), cavidade corporal parcialmente revestida por mesoderma.

Estrutura corporal

Os nematódeos são organismos que apresentam estrutura corporal relativamente simples. Seus corpos podem ser comparados, basicamente, a um “cilindro dentro de outro cilindro”. O cilindro interno é o intestino, que começa na boca e termina no ânus, e o cilindro externo é a parede do corpo. Entre esses tubos há uma cavidade repleta de líquido, derivada do pseudoceloma, onde os órgãos internos estão inseridos.

A grande maioria apresenta poucos milímetros de comprimento, porém há espécies que podem chegar a vários centímetros de comprimento.

A parede do corpo apresenta a epiderme e uma camada de células musculares. A epiderme é formada por uma massa celular multinucleada e produz uma cutícula depositada externamente a ela. A cutícula é acelular, lisa e resistente e oferece proteção para o animal. Na superfície do corpo, não se encontram cílios.

Seus músculos são exclusivamente longitudinais, dispostos no sentido do comprimento do corpo, o que torna a sua capacidade de locomoção mais limitada que a dos platelmintos. No entanto, o esqueleto hidrostático, constituído por meio da cavidade corporal formada pelo pseudoceloma, dá suporte às contrações musculares e permite a movimentação e a determinação da forma de seus corpos, pois a água, que preenche essa cavidade, é um líquido incompressível.

Anatomia externa (A) e corte transversal de lombriga (B).

Digestão

A extremidade anterior do corpo possui boca para entrada de alimentos, seguida por faringe, intestino e ânus para saída de dejetos restantes da digestão. Trata-se, portanto, dos primeiros animais enterozoários completos.

Na boca, podem ser encontradas placas cortantes semelhantes a dentes, que servem para perfurar os tecidos de outros seres vivos. O alimento ingerido é parcialmente digerido pelas enzimas que atuam sobre ele no interior do tubo digestório, absorvido pelas células do intestino, lançado no líquido do pseudoceloma e difundido para as demais células do corpo, onde a digestão se completa. No entanto, a digestão é considerada predominantemente extracelular. Muitos nematelmintos de vida livre são carnívoros e se alimentam de pequenos animais ou de corpos de animais mortos. Os parasitas intestinais recebem o alimento já parcialmente digerido pelo hospedeiro.

Circulação

Assim como os platelmintos, os nematelmintos não têm sistema circulatório. A movimentação contínua do líquido da cavidade corporal (blastoceloma ou pseudoceloma), propiciada pela contração da musculatura longitudinal do corpo, permite uma relativa distribuição de materiais entre as diferentes partes do corpo.

Respiração

Eles não possuem órgãos respiratórios. As trocas gasosas acontecem na superfície corporal, por difusão. Os nematódeos de vida livre são aeróbios e obtêm o oxigênio no meio em que vivem. Os parasitas são geralmente anaeróbios e fazem fermentação. Dessa forma, não requerem oxigênio, e a maioria não elimina CO2, porque realiza a fermentação láctica, que não libera esse gás.

Excreção

Os resíduos metabólicos são removidos do líquido pseudocelomático por uma célula denominada renete e por canais excretores longitudinais, originados de uma única célula em forma de H (célula-H). Esses canais percorrem as laterais do corpo e unem-se – geralmente por um tubo transversal – na região anterior, conectando-se por um ducto ao poro excretor, orifício pelo qual são descartadas as excretas. Alguns nematelmintos têm apenas um ou dois renetes; outros, apenas a célula em forma de H. Eles também eliminam excretas por difusão pela parede do corpo.

Sistema nervoso

O sistema nervoso é do tipo ganglionar e ventral. Na região anterior, há um anel nervoso que circunda a boca, de onde partem os cordões nervosos. Ao longo desses cordões, há protuberâncias que representam regiões com maior agrupamento de células nervosas. São os gânglios nervosos.

Reprodução

A maioria dos nematódeos é dioica, ou seja, apresenta sexos separados. Habitualmente, nota-se algum grau de dimorfismo sexual com diferenças quanto ao tamanho ou à forma entre os machos e as fêmeas.

Durante o acasalamento ou cópula, os machos depositam os seus espermatozoides no poro genital das fêmeas. Uma característica marcante nos nematelmintos é a ausência de cílios ou flagelos nas células, até mesmo nos espermatozoides, que se locomovem por pseudópodes. Os machos não possuem poro genital, e a saída dos espermatozoides ocorre pela cloaca. A fecundação acontece dentro do corpo da fêmea, portanto é interna. Após a fecundação, o zigoto se desenvolve dentro de um ovo com a casca resistente. Muitas espécies eliminam os ovos fecundados para o ambiente, onde as primeiras divisões se processam e o ovo se torna embrionado.

O desenvolvimento do embrião é indireto, com passagem por diferentes estágios larvais. A larva que sai do ovo se chama rabditoide. Depois de sofrer uma ou algumas substituições da sua cutícula, transforma-se em outra larva, chamada filarioide, que, posteriormente, desenvolve-se em um novo organismo adulto.

Dentre os nematódeos parasitas, em algumas espécies, a forma infestante, que penetra no corpo do hospedeiro, é a larva rabditoide; em outras, é a larva filarioide. Em alguns casos, como na lombriga Ascaris lumbricoides, a pessoa ingere ovos embrionados por meio de água ou de alimentos contaminados.

Principais doenças transmitidas por nematelmintos

  • Ascaridíase: causada pelo verme Ascaris lumbricoides. A lombriga é um nematelminto que pode parasitar o intestino humano. Os ovos podem ficar no ambiente durante longo tempo e serem ingeridos junto com água ou alimentos contaminados. Além de sintomas abdominais, como cólicas e obstrução intestinal, provocam também problemas pulmonares, com crises semelhantes às da asma ou bronquite.
  • Ancilostomose ou amarelão: causada pelos vermes Ancylostoma duodenale e Necator americanus. O verme adulto parasita o intestino. Os juvenis filarioides vivem na terra e penetram na pele, principalmente pelo pé. Provocam dermatites, ulcerações intestinais com hemorragias, diarreia, geofagia, anemia (anoxia), enfraquecimento e depressão mental.
  • Filaríase ou elefantíase: causada pelo verme Wuchereria bancrofti. Transmitida pela picada do mosquito (pernilongo) contaminado Culex fatigans. Ataca o sistema linfático, provocando entupimento dos vasos e consequentes edemas, geralmente nas pernas.
  • Enterobiose (oxiurose): causada pelo verme Enterobius vermicularis. Só ocorre nos seres humanos. Adquire-se por ingestão de ovos que contaminam água ou alimentos. As crianças, ao se coçarem, passam os ovos para unhas e mãos, facilitando a transmissão. Os sintomas são de forte irritação, prurido anal e distúrbios intestinais.
  • Dermatite serpiginosa ou bicho-geográfico: o parasita causador é o Ancylostoma brasiliensis. As “larvas migrans” penetram acidentalmente na pele. Trata-se de um verme parasita de cães. Provoca sinais na pele, coceira e ulcerações.

A profilaxia para prevenir as doenças causadas pelos nematelmintos implica investimentos em saneamento básico (rede de canalização e tratamento de esgotos), combate aos transmissores e higiene pessoal.

Função dos nematelmintos na natureza

Embora os vermes comumente sejam lembrados pelas doenças que causam, é importante esclarecer que existem muitas espécies de vida livre.

Os nematelmintos realizam uma função ecológica essencial: a decomposição e ciclagem da matéria orgânica. Além disso, estão também envolvidos na mineralização de nutrientes, na degradação de toxinas e no controle populacional de microrganismos.

Principais diferenças entre platelmintos e nematelmintos

Característica Platelmintos Nematelmintos
CelomaAcelomadosPseudocelomados
Forma do corpoVermes achatados dorsiventralmenteVermes cilíndricos, em forma de fio
Sistema digestórioIncompleto ou ausenteCompleto
VentosasPresentes nos vermes parasitasAusentes

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: