Português

Orações Subordinadas Adverbiais

Quando necessitamos marcar as circunstâncias em que determinadas situações ocorreram ou quando precisamos denotar as causas ou os efeitos de determinadas ações para que nosso argumento seja bem compreendido, fazemos uso de orações subordinadas adverbiais.

Quando nos valemos desse recurso linguístico, conseguimos, na maioria das vezes, ser bem-sucedidos em nossa comunicação, já que as informações passadas fogem do simples e trivial.

Exemplo: O menino pintou uma estrela dourada enquanto eu coloria a parede dos seus sonhos.

A oração principal “O menino pintou uma estrela dourada” tem uma complementação de circunstância: “enquanto eu coloria a parede dos seus sonhos“. Trata-se de uma oração (lembremo-nos de que uma oração precisa girar em torno de um verbo) que indica o tempo em que se desenvolveu a ação expressa na oração principal.

Desse modo, “enquanto eu coloria a parede dos seus sonhos” é uma oração subordinada adverbial temporal, iniciada pela conjunção “enquanto“.

Tipos de orações subordinadas adverbiais

Existem 10 tipos de orações subordinadas adverbial: causais; comparativas; concessivas; condicionais; conformativas; consecutivas; finais; proporcionais, temporais e modais.

1. Causais

A oração subordinada adverbial causal é usada para indicar o motivo, a razão daquilo que acontece na oração principal. Por isso, o fato informado na subordinada adverbial causal precisa preceder o fato denotado na oração principal, ou seja, precisa vir antes no tempo.

Exemplos

  1. O voo atrasou porque o tempo estava ruim.
  2. Não respondi a seu e-mail, por estar muito ocupado.
  3. Como não tinha reserva, não consegui vaga no hotel.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas causais: porque, que, pois, como, porquanto, já que, visto que, por isso que etc.

2. Comparativas

A denominação desse tipo de oração já é suficiente para compreender que elas funcionam como um adjunto adverbial de comparação. Note-se que as orações comparativas apresentam-se, necessariamente, como orações desenvolvidas.

Exemplos

  1. Ela dirige como o avô dela dirigia.
  2. Trabalhava como se fosse um condenado.
  3. Eles correram menos do que estávamos esperando.
  4. Zico jogou mais do que os meio-campistas atuais jogam.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas comparativas: como, mais… (do) que, menos… (do) que, maior… (do) que, menor… (do) que, tal… como, tal.. qual etc.

3. Concessivas

As orações subordinadas adverbiais concessivas são importantes para mantermos uma clara articulação sintática de oposição, sendo uma opção diferente do uso das orações coordenadas adversativas.

Esse tipo de oração cria uma ideia de exceção relativa àquela que é colocada na oração principal.

Exemplos

  1. Embora soubesse que estava atrasado, passou em uma loja para comprar flores.
  2. Ainda que eu falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. (Legião Urbana/ Bíblia Sagrada).
  3. Eu ainda não vi o filme, embora todos os meus amigos já o tenham visto.

As orações concessivas podem, ainda, ser escritas em sua forma reduzida de infinitivo ou de particípio, como se nota, respectivamente, em:

  1. Ele não engorda nunca, apesar de comer muito.
  2. Mesmo deslocado, ele tentou continuar.
Algumas conjunções, locuções conjuntivas e locuções prepositivas concessivas: embora, muito embora, ainda que, conquanto, posto que, apesar de, a despeito de, não obstante etc.

4. Condicionais

Também esse tipo de oração é identificado de maneira óbvia pela denominação que recebe. A oração subordinada condicional confere uma condição necessária para a efetivação da oração principal.

Exemplos

  1. Se todos tivessem acesso a uma boa alimentação, os índices de mortalidade infantil diminuiriam.
  2. A peça será trocada desde que o senhor siga as instruções de montagem.
  3. A não ser que você inicie o tratamento agora, suas chances irão diminuir bastante.

As orações condicionais também podem ser reduzidas. Leia um exemplo de oração condicional reduzida de infinitivo.

  1. No caso de o motor esquentar, pare o carro imediatamente.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas condicionais: se, salvo se, a menos que, a não ser que, contanto que, uma vez que, desde que etc.

5. Conformativas

As orações conformativas são aquelas que apresentam um fato em conformidade com a oração principal.

Exemplo
s

  1. Conforme disseram os ministros, a situação tende a ter um final feliz.
  2. As coisas têm um poder mágico, segundo pensam os místicos.
  3. Segundo nos informaram, a festa será adiada.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas conformativas: conforme, como, segundo, consoante etc.

6. Consecutivas

As orações adverbiais ditas consecutivas exprimem a consequência do que tiver sido veiculado pela oração principal, quer seja ação, estado ou qualidade.

Exemplo

  1. As janelas devem estar sempre abertas, de forma que facilitem a entrada de ar e luz.
  2. Ele foi muito malvado, tanto que ninguém mais brinca com ele.

Diferentemente do exemplo B, no entanto, a oração consecutiva poderia ser iniciada apenas pela conjunção “que”. Quando isso ocorre, o “que” aparece em correlação com palavras como tanto, tão, tamanho, fazendo com que elas pertençam à oração principal.

  1. O assaltante levou tamanha surra que foi hospitalizado.
  2. Ela estudou tanto que conseguiu ser a primeira da turma.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas consecutivas: que, de forma que, tanto que, tão… que, tanto… que, tamanho… que etc.

7. Finais

É esse tipo de oração subordinada que introduz a intenção ou finalidade daquilo que está posto na oração principal.

Exemplos

  1. Chamou a atenção dos alunos para que eles ficassem quietos.
  2. Olhou para o lado, a fim de pedir ajuda.

Não raro, porém, essas orações aparecem na forma reduzida de infinitivo, antecedidas pela preposição “para”.

  1. Fez as compras pela Internet para evitar filas.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas finais: para que, a fim de que etc.

8. Proporcionais

As orações adverbiais proporcionais mantêm uma relação de proporcionalidade e concomitância em relação ao que é expresso na oração principal.

Exemplos
s

  1. À medida que ganhava mais experiência, ela ia sendo mais valorizada.
  2. A água evapora, à proporção que o calor aumenta.
Algumas conjunções e locuções conjuntivas conformativas: conforme, como, segundo, consoante etc.

 9. Temporais

As orações temporais assinalam o tempo de realização do fato expresso na oração principal.

Exemplos

  1. Não atravesse a rua, quando acender o sinal amarelo.
  2. Nasci antes da queda do Muro de Berlim.
  3. Eu pensei sobre isso, até que você encerrou minhas dúvidas.
  4. há muito que não nos falamos. (= há muito tempo desde que não nos falamos.)

As orações temporais são, muitas vezes, reduzidas de infinitivo e de particípio. Observe.

  1. Ao chegar, não espere muito por mim. (infinitivo)
  2. Cumpridas todas as exigências, você estará com o diploma em mãos. (particípio)
Algumas conjunções e locuções conjuntivas temporais: quando, enquanto, logo que, desde que etc.

10. Modais

As orações modais assinalam o modo ou o instrumento utilizado no evento denotado pela oração principal.

Exemplos
s

  1. Ele viajou como quis viajar.
  2. Nós fomos à festa sem que nos houvessem convidado.

É mais natural, entretanto, que as orações modais sejam expressas na forma reduzida de gerúndio.

  1. O rapaz passou por mim, correndo muito.
  2. Mandou-me felicitações, comemorando o meu aniversário.
Conjunção e locução conjuntiva modal: como, sem que.

Como diferenciar adjunto adverbial de oração subordinada adverbial?

Quando fazemos análise sintática, podemos classificar os termos das orações (adjunto adverbial, por exemplo) ou as orações de um período (oração subordinada adverbial, por exemplo). A oração adverbial equivale a um adjunto adverbial:

Exemplos:

  1. À noite, sempre vou ao cinema. 
  2. Quando anoitece, vou ao cinema.

O adjunto adverbial “à noite” equivale à oração subordinada adverbial “quando anoitece”.

No exemplo 1, a construção “à noite” auxilia a ampliar a compreensão do texto. Por isso, é chamada de adjunto adverbial (elemento que está junto ao verbo, mas que não lhe é essencial). Na oração, a expressão exerce a função de adjunto adverbial de tempo.

Caso a complementação da estrutura essencial do verbo fosse outra oração, teríamos não um adjunto adverbial, mas uma oração subordinada adverbial que, por razões óbvias, desempenharia papel semelhante ao do adjunto adverbial. É o caso do exemplo 2: “quando anoitece”.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: