Home » História » Antiga Constantinopla

Antiga Constantinopla

A antiga capital chamada Bizantium, ou chamada ainda no Império Bizantino de Constantinopla e atualmente chamada de Istambul, foi o centro mais poderoso depois do declínio do império Romano. A cidade era considerada um ponto de vital importancia no mundo por centenas de anos com lutas sangrentas por poder e várias rebeliões. Inicialmente restringida dentro das muralhas construidas por Septimus Severus, a cidade cresceu e se expandiu até as muralhas de Theodosius. Conseqüentemente, Constantinopla, como a Roma antiga se tornou uma cidade localizada em sete colinas. 

Chamavam assim a cidade de Constantino: a Maçã de Prata. Desde 11 de maio de 330, ela fora a sede máxima do Império Romano do Oriente, depois simplesmente designado de Império Bizantino. O imperador, que se convertera ao cristianismo, sentindo a decadência do lado ocidental dos seus domínios, decidira escolher um outro sítio mais seguro para servir de sua capital.

Trocou Roma por Bizâncio, abandonou o latim pelo grego e o título de imperador pelo de basileu. Mudou-se com a corte, a administração e as legiões, para aquela antiga cidade fundada pelos gregos no século VII a.C., então um pequeno porto situado no Bósforo - a passagem que ligava o Mar Negro  ao Mediterrâneo

Nos onze século seguintes à sua refundação, ela, rebatizada de Constantinopla, foi uma das mais esplendorosas metrópoles da transição da Época Clássica para a Medieval. Esquina do mundo de então, vanguarda da cristandade na fronteira da Ásia Menor, para ela afluiu gente de todos os cantos. Nas suas ruas apinhadas e cheias de vida, cruzavam gregos, romanos, sérvios, búlgaros, árabes, venezianos, genoveses, godos, varegos, russos, tártaros, caucasianos, etc..., formando um burburinho permanente de vozes, de línguas e de dialetos os mais estranhos e bizarros.

De longe, tratava-se do maior centro financeiro, mercantil e cultural de toda aquela parte do globo, a referência viva de um império que no seu apogeu chegou a ter 34,5 milhões de habitantes. Viram-na como uma Segunda Roma, a Nova Roma, um chamariz para os peregrinos cristãos que vinham atrás das famosas relíquias que as coleções locais abrigavam. Por todos os lados encontrava-se uma impressionante oferta de objetos sagrados que enchiam de espanto os olhos do crente e incendiava a imaginação dos supersticiosos.

Representação em mosaico do imperador Juliano e sua corte
O imperador Justiniano e sua corte 

Espalhadas por catedrais, igrejas, palácios ou museus de Constantinopla, encontrava-se lascas da Madeira da Cruz, o Sangue Sagrado, a Coroa de Espinhos, a Túnica Inconsútil, a Santa Lança, os Cravos que pregaram Cristo e uma série macabra de santos cadáveres (de Santo André, São Lucas, Santa Ana, Maria Madalena e Lázaro, o ressuscitado, e tantos outros mais), além das sandálias de Cristo e até os cabelos de João Batista; tal adoração supersticiosa culminava com alguns pães que teriam sobrado dos doze cestos, obra do milagre da multiplicação feita por Jesus (Mateus 14-15), e que estavam expostos numa coluna.

Desconhecia-se entre os cristãos daquela época, povo mais preocupado com as coisas da religião do que os bizantinos, assunto que os levava a travar, tanto os monges, os teólogos, o basileu e a gente comum, intermináveis discussões, geralmente estéreis ou inconclusivas, sobre temas bíblicos ou correlatos. Exemplo disso, foi a exasperante polêmica que ocorreu nos tempos da imperatriz Teodora, falecida em 548, entre os monofisistas, com quem ela simpatizava, e os ortodoxos ligados mais ao imperador Justiniano.

As relíquias que foram trazidas da Terra Santa, primeiramente por Santa Helena, a mãe do imperador Constantino, eram mantidas sob controle do clero ortodoxo, que fazia às vezes de Segundo Estado dentro do Império Bizantino. Posse que fazia inveja ao clero de Roma, de quem a Igreja Cristã Ortodoxa estava totalmente separada desde o Cisma do Oriente, ocorrido em 1054.


A Nova York daqueles tempos

Palácio de ConstantinoplaDe certo modo, Constantinopla foi no seu tempo uma espécie de mistura de Nova York com Jerusalém. Isto é, uma metrópole que conciliava perfeitamente os negócios e um intenso comércio com os assuntos da fé e da religião. Onde o luxo ostensivo da corte imperial e do patriciado local convivia com a pobreza e mesmo com a miséria, o ouro e os trapos circulando por perto um do outro.

Ao longo de uns seis século, as moedas bizantinas, o solidus ( antigo aureus romano) e o numma, foram as primeiras a ser realmente universais, sendo conhecidas, aceitas e cambiadas na maior parte dos mercados asiáticos ou europeus, enquanto o grande código jurídico do imperador Justiniano (Corpus Juris Civilis, 529-533), organizado pelo jurista Triboniano, criou os fundamentos futuros do Direito europeu e mesmo dos da Ásia Menor.

Como símbolo daquela proeminência toda, da magnificência imperial e teocrática que dela imanava (como sede oficial do autocrata do oriente e sé do patriarca ecumênico da Igreja Cristã Ortodoxa, obediente ao imperador), é que construiu-se a Hagia Sofia, a Igreja da Santa Sabedoria, aprontado em 537, templo imenso de 56 metros de altura, todo decorado internamente por belos mosaicos e incontáveis ícones bizantinos, encimada por uma estupenda cúpula redonda, erigida pelos arquitetos Antêmio de Trales e Isidoro de Mileno.

Ergueram-na bem na ponta da península, na Acrópole da cidade, local panorâmico, esplendido, que dá vistas para o mar de Mármara ao sul, e para o Chifre de Ouro ao norte, os dois lençóis de água que enlaçam Constantinopla e em cujas margens se abrigam excelentes portos como o de Eleutério, Kontoskalion e Sofía. 

Por: João Paulo Souza Brighent


Veja também:



Comente:



Receba atualizações do site:

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados: Proibida a reprodução sem autorização (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98)

O Cola da Web auxilia sua vida escolar e acadêmica ajudando-o em suas pesquisas e trabalhos. O Cola da Web NÃO faz a venda de monografia e É TOTALMENTE CONTRA a compra de trabalhos prontos, assim como, NÃO APOIA e NÃO APROVA quem deseja comprar Trabalhos Prontos, por isso nós incentivamos o usuário a desenvolver por conta própria o seu trabalho escolar, TCC ou monografia.
R7 Educa‹o