Home Geografia > Teorias Demográficas

Teorias Demográficas

O crescimento demográfico, desde tempos mais remotos, sempre foi tema de debates e reflexões, estabelecendo sempre uma discussão entre as disponibilidades de recursos, número de habitantes e o desenvolvimento socioeconômico, veja abaixo as principais teorias demográficas.

Publicidade

A Teoria Malthusiana

Thomas Robert Malthus era o nome de um pastor e economista britânico, criador do primeiro grande postulado sobre o crescimento da população e suas possíveis consequências.

No século XVIII, escreveu Ensaios sobre os princípios da população, em dois volumes, em que expressou sua enorme preocupação com o acelerado crescimento demográfico e as suas consequências danosas para a sociedade.

Segundo a teoria demográfica de Malthus, se não ocorressem guerras ou epidemias, a população mundial dobraria, em média, a cada 25 anos, isto quer dizer que a população seguiria o ritmo de uma progressão geométrica. Ao mesmo tempo, a produção de alimentos não seguiria o mesmo padrão, justamente por possuir uma limitação: a disponibilidade de terras. Isto quer dizer que cresceria segundo uma progressão aritmética.

Publicidade

Várias pessoas em um círculo representante as teorias demográficas.De acordo com sua previsão, haveria um momento em que a falta de terras para cultivar alimentos para uma população cada vez mais numerosa traria fome, subnutrição, pestes e epidemias, reduzindo forçosamente o número de habitantes para que houvesse novamente um equilíbrio entre a disponibilidade de terras e a população.

Malthus, pela sua formação religiosa, propunha que as famílias só tivessem filhos se dispusessem de terras para sustentá-los e que o sexo, entre marido e mulher, só fosse realizado com o intuito de procriar.

É evidente que esse postulado levava em consideração as condições socioculturais da Inglaterra do século XVIII, quando o ritmo de crescimento demográfico era elevado e o campo ainda não se modernizara. Com o desenvolvimento industrial, as áreas rurais passaram a produzir mais com menos mão de obra e as cidades provocavam cada vez mais mudanças no comportamento da sociedade; entre elas o planejamento familiar.

Portanto, a previsão de duplicação da população a cada 25 anos não se confirmou, bem como a falta de alimentos em função da falta de espaço para cultivo também não, pois a tecnologia aplicada à produção agrícola aumentou consideravelmente a produção de víveres.

A Teoria Neomalthusiana

Bem depois da Teoria demográfica Malthusiana, já no século XX, o mundo se via às voltas com as duas grandes guerras mundiais. Ao final da Segunda Grande Guerra, surgia, como resultado dos acordos entre os países aliados, a ONU (Organização das Nações Unidas).

Sua principal meta era a de evitar novos conflitos como aquele que acabara de acontecer e para tanto era preciso minimizar as diferenças brutais entre os países nos planos econômico e social.

O grande problema passava a ser a justificativa que poderia ser dada para que a grande maioria da população mundial vivesse em condições subumanas e principalmente o que poderia ser feito para equacionar essa situação.

Foi nesse contexto que se difundiu a Tese Neomalthusiana tentando explicar a ocorrência do atraso tecnológico, econômico e social no conjunto dos países pobres. Por meio dela, os neomalthusianos diziam que, nos países subdesenvolvidos, o principal fator responsável pela explosão demográfica era o excessivo crescimento demográfico, já que o grande número de jovens exige dos seus países vultosos investimentos em saúde e educação, sem ter uma contrapartida em produção, pois se trata, teoricamente, de uma população inativa. Ao mesmo tempo, faltariam recursos para investimentos em setores produtivos como a agricultura, a pecuária e a indústria.

Outro argumento usado por eles é que quanto maior a população em um país, menor a renda per capita, o que impediria uma melhora do padrão de vida de seus habitantes. O nome referindo-se a Malthus justifica-se pelo fato de que ambos apontam o crescimento demográfico como causador da miséria e da pobreza. Portanto, trata-se de uma teoria demográfica antinatalista.

Aprenda mais em: Neomalthusianismo

A Teoria Reformista

Em resposta à Teoria Neomalthusiana, alguns estudiosos do mundo subdesenvolvido criaram uma teoria chamada de Reformista, por propor justamente o inverso do que propunham os neomalthusianos.

Os reformistas dizem que o crescimento populacional elevado é uma consequência e não causa do subdesenvolvimento. Nesses países, a falta de investimentos na área social e de infraestrutura formou grandes bolsões de pobreza, com uma população carente, sem condições de superar a situação em que se encontra.

Para eles, existe uma tendência natural de redução da natalidade à medida que as condições de vida melhoram. Conforme as famílias vão tendo acesso a melhor educação, assistência médica, informação, tendem a ter menos filhos.

Por esse motivo, a urbanização possui um papel de grande importância, pois ela representa, na pior das hipóteses, acesso aos serviços públicos mínimos, coisa que no meio rural nem sempre está acessível.

A Teoria da Transição Demográfica

No ano de 1929, Warren Thompson propôs o conceito de transição demográfica como forma de contestar a teoria malthusiana. Desse modo, a ideia da existência de um crescimento acelerado da população mundial foi substituída pela de oscilações periódicas, ou seja, épocas de maior e de menor crescimento vegetativo.

A imagem a seguir apresenta quatro estágios de crescimento vegetativo:

Teoria da transição demográfica

O primeiro estágio, ocorrido em sociedades agrárias e exportadoras de matérias-primas, apresenta taxas de natalidade e mortalidade muito elevadas.

O segundo estágio já revela elevadas taxas de natalidade, mas com queda acentuada da mortalidade, o que se dá pela melhoria das condições de saneamento básico, pelo uso de antibióticos e pelo desenvolvimento tecnológico, ainda que em fase bastante inicial.

O terceiro estágio, no qual o Brasil se encontra, mostra significativa redução da natalidade, justificada pelo desenvolvimento urbano-industrial, pela maior participação da mulher no mercado de trabalho, por casamentos tardios e pela adoção de métodos contraceptivos.

O quarto estágio, presente nas nações mais desenvolvidas do globo, apresenta taxas de natalidade e mortalidade muito baixas, ocorrendo, em alguns casos, o crescimento negativo. Alguns países europeus, por exemplo Alemanha, França e Suécia, oferecem compensações financeiras para os casais terem mais filhos. Tais estímulos têm como foco o aumento da natalidade e do crescimento vegetativo.

Se a elevada natalidade, como a que ocorre em países africanos e do Sudeste Asiático, pode representar sérios problemas para os países pobres, a sua drástica redução, com crescimento vegetativo negativo, também causa problemas como a falta de mão de obra jovem para o trabalho e os excessivos gastos com idosos.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: