Geografia do Brasil

O espaço industrial no Brasil

Os sucessivos ciclos econômicos e as políticas nacionais no setor industrial criaram uma grande diferenciação do panorama industrial brasileiro. Podemos dizer que a distribuição das indústrias no território nacional não é homogênea, espalhando-se, de maneira irregular, entre as suas diferentes regiões.

Esse panorama da industrialização brasileira permite a identificação de um processo de movimentação do interesse industrial. Até a década de 1990, a instalação industrial estava concentrada em especial na região Sudeste. Após esse período, houve uma intensificação da atividade industrial nas regiões Nordeste e Sul.

No entanto, ainda existem áreas, principalmente no interior do território brasileiro, com atividade industrial incipiente; é o caso de grande parte das regiões Centro-Oeste e Norte, que ainda têm sua base produtiva pautada no setor primário.

Diversidade dos processos industriais das diferentes regiões brasileiras.

O processo de industrialização brasileiro criou, assim, três grandes regiões marcadas no país: uma região de industrialização clássica; outra, de industrialização mais recente; e uma grande área com pouca atividade industrial.

Áreas de industrialização clássica

As áreas de industrialização clássica são aquelas que passaram pelo primeiro grande processo de instalação da atividade industrial no Brasil, durante a segunda metade do século XX, no processo de substituição de importações. Corresponde, principalmente, à região Sudeste.

A industrialização dessas áreas foi acompanhada por um intenso aumento populacional e pela instalação de uma infraestrutura que permitisse o crescimento desse setor, como as redes de telecomunicações, estradas e rodovias.

Mesmo dentro dessa área geográfica, as atividades econômicas não estavam distribuídas de maneira regular, sendo as regiões das grandes capitais do Sudeste as que mais concentravam as atividades desse setor produtivo.

As cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte destacaram-se na atração da atividade industrial do país durante esse primeiro processo de industrialização. Ainda que a atividade industrial tenha migrado para outros locais posteriormente, essa região segue como a mais industrializada do país.

O estado de São Paulo e a liderança industrial brasileira

Apesar do movimento de desconcentração industrial durante a década de 1990, que incentivou a instalação industrial em outras regiões brasileiras, São Paulo ainda é o estado brasileiro que apresenta a maior atividade no segundo setor, sendo responsável por mais de 30% de todo o PIB industrial gerado no Brasil.

Participação dos diferentes setores industriais no PIB de São Paulo.

De toda a indústria instalada no país, cerca de um quarto está situada no estado de São Paulo, o que ressalta sua importância no setor industrial.

Em relação ao porte das unidades industriais do estado de São Paulo, verifica-se que, embora as empresas de pequeno e médio porte sejam a maioria em termos de contribuição para a geração de renda no estado, as grandes empresas apresentam uma contribuição maior.

Quanto à espacialização, os principais centros industriais do estado de São Paulo estão localizados na região metropolitana da capital, seguida pela região do Vale do Paraíba, que liga as metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro, e, a seguir, pela região metropolitana de Campinas.

As regiões de industrialização mais recente

Como meio de tentar distribuir de forma mais homogênea as atividades industriais do Brasil, durante as últimas décadas do século XX foi feito um direcionamento das atividades industriais brasileiras, que passaram a sair da região Sudeste em direção a outras regiões. Assim, as indústrias passaram a se estabelecer em maior número nas regiões Nordeste e Sul.

Esse processo de desconcentração também foi acompanhado por um processo de instalação de infraestruturas de transporte e escoamento produtivo que, no entanto, foi irregular, estabelecendo-se de maneira mais consolidada em algumas áreas do que em outras.

Na região Sul, houve um planejamento estratégico da distribuição industrial, com o direcionamento das atividades desse setor para cidades de pequeno e médio porte, distribuídas de maneira regular no território com base na preocupação com a proximidade entre a fonte de matéria-prima e as áreas industriais.

Participação percentual do setor industrial no Paraná.

Com essa estratégia, o Sul conseguiu diminuir os gastos com a logística de seus produtos, alcançando um valor competitivo que fez com ela se tornasse a segunda região brasileira em produção industrial. Entre as áreas com maior concentração industrial dessa região estão as áreas metropolitanas de Porto Alegre e Curitiba, além de Blumenau e Joinville em Santa Catarina, Londrina, Maringá e Ponta Grossa no Paraná e Caxias do Sul, Pelotas e Santa Maria no Rio Grande do Sul.

No caso da região Nordeste, dois foram os grandes atrativos da atividade industrial para lá: o baixo custo da mão de obra da região e as isenções fiscais promovidas pelos estados como meio de atração empresarial. Os principais parques industriais instalados na região estão nas grandes capitais regionais, como Salvador, Recife e Fortaleza.

Diferente do que ocorreu com a região Sudeste, no Nordeste não houve uma grande distribuição das atividades industriais, o que gerou grandes diferenças nessa atividade econômica entre as regiões litorâneas e as regiões interiores.

As regiões de pouca industrialização

As regiões Centro-Oeste e Norte são as regiões brasileiras com menor grau de industrialização. Enquanto a região Centro-Oeste representa apenas 5% de toda a produção industrial nacional, no caso da região Norte esse valor corresponde a apenas 3%. A baixa contribuição industrial desses locais está atrelada a uma série de fatores:

  • Falta de infraestrutura: o isolamento geográfico e a falta de uma rede de infraestrutura que permitisse a integração territorial desses locais com as demais regiões brasileiras dificultou o estabelecimento de uma industrialização coesa na região.
  • Estratégias econômicas: a tradição econômica dessas regiões muitas vezes esteve centrada em outros setores. No caso da região Centro-Oeste, a especialização produtiva no setor de commodities impediu o direcionamento de investimentos em industrialização.
  • Falta de investimento em tecnologia: o baixo investimento na modernização industrial representou uma grande desvantagem para o setor nas regiões Centro-Oeste e Norte, que acabaram por ter força apenas para abastecer seu mercado regional.

Entretanto, a atividade industrial também ocorre nessas regiões, sendo, na região Centro-Oeste, catalisada pelo processo de construção de Brasília e, também, movimentada pelo desenvolvimento da indústria de químicos e biocombustíveis, derivados da produção agroindustrial.

Participação percentual do setor industrial em Goiás.

Na região Norte, a atividade industrial destaca-se na região da Zona Franca de Manaus e, ainda que, percentualmente, a região apresente pouca participação do PIB industrial do país, devemos destacar a presença elevada das atividades extrativistas e mineradoras na região, visto que tais atividades são fundamentais para a indústria de base e a composição da matriz econômica nacional.

Participação percentual do setor industrial no Amazonas.

Por: Wilson Teixeira Moutinho

Veja também: